Wednesday, December 17, 2014

The Palestine Chronicle - Drones and Discrimination: Kick the Habit


ENGLISH
PORTUGUÊS
The Palestine Chronicle
The Palestine Chronicle
Drones and Discrimination: Kick the Habit
Aviões Não Tripulados [Drones] e Discriminação: Abandone o Hábito
Dec 12 2014 / 5:40 pm
Cada vez que saí de uma prisão nos Estados Unidos, senti-me como se estivesse deixando cena de crime. (Mettacenter.org)
By Kathy Kelly
On December 10, International Human Rights Day, federal Magistrate Matt Whitworth sentenced me to three months in prison for having crossed the line at a military base that wages drone warfare. The punishment for our attempt to speak on behalf of trapped and desperate people, abroad, will be an opportunity to speak with people trapped by prisons and impoverishment here in the U.S.
Em 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Juiz federal de Pequenas Causas Matt Whitworth sentenciou-me a três meses de prisão por ter cruzado a linha de base militar que conduz guerra com drones. A punição por nossa tentativa de falar em favor de pessoas apanhadas em armações e desesperadas, no exterior, consistirá em oportunidade para falar com pessoas apanhadas na armação de prisões e empobrecimento aqui nos Estados Unidos.
Our trial was based on a trespass charge incurred on June 1, 2014. Georgia Walker and I were immediately arrested when we stepped onto Missouri’s Whiteman Air Force where pilots fly weaponized drones over Afghanistan and other countries. We carried a loaf of bread and a letter for Brig Gen. Glen D. Van Herck. In court, we testified that we hadn’t acted with criminal intent but had, rather, exercised our First Amendment right (and responsibility) to assemble peaceably for redress of grievance.
Nosso julgamento foi baseado em acusação de invasão praticada em 1o. de junho de 2014. Georgia Walker e eu fomos imediatamente detidas quando pusemos os pés na Whiteman Air Force Base do Missouri onde pilotos operam drones adaptados para guerra sobre Afeganistão e outros países. Levávamos um pão e uma carta para o Brig Gen. Glen D. Van Herck. No tribunal, testemunhamos não termos agido com intenção criminal e sim, antes, termos exercido nosso direito (e responsabilidade), baseado na Primeira Emenda, de reunir-nos pacificamente para reparação de injustiça.
A group of Afghan friends had entrusted me with a simple message, their grievance, which they couldn’t personally deliver: please stop killing us.
Grupo de amigos afegãos havia-me confiado mensagem simples, sua queixa, que eles pessoalmente não tinham como entregar: por favor parem de matar-nos.
I knew that people I’ve lived with, striving to end wars even as their communities were bombed by drone aircraft, would understand the symbolism of asking to break bread with the base commander.
Eu sabia que pessoas com as quais já vivi, em luta para acabar com guerras ao mesmo tempo em que suas comunidades eram bombardeadas por aviões drones, entenderiam o simbolismo de pedir para repartir o pão/compartir a mesa com o comandante da base.
Judge Whitworth said he understood that we oppose war, but he could recommend over 100 better ways to make our point that wouldn’t be breaking the law.
O juiz Whitworth disse entender que nos opuséssemos à guerra, mas que poderia recomendar mais de 100 maneiras de dar nosso recado sem transgredirmos a lei.
The prosecution recommended the maximum six month sentence. “Ms. Kelly needs to be rehabilitated,” said an earnest young military lawyer. The judge paged through a four page summary of past convictions and agreed that I hadn’t yet learned not to break the law.
A promotoria recomendou a sentença máxima de seis meses. “A Sra. Kelly precisa ser reabilitada,” disse convicto advogado militar. O juiz folheou sumário de quatro páginas de condenações anteriores e concordou que eu ainda não havia aprendido a não transgredir a lei.
What I’ve learned from past experiences in prison is that the criminal justice system uses prison as a weapon against defendants who often have next to no resources to defend themselves. A prosecutor can threaten a defendant with an onerously long prison sentence along with heavy fines if the defendant doesn’t agree to plea bargain.
O que aprendi de experiências passadas na prisão é que o sistema de justiça criminal usa a prisão como arma contra réus que amiúde quase não têm recursos para defender-se. Promotor pode ameaçar réu com sentença onerosamente longa de prisão juntamente com pesadas multas se o réu não concordar com fazer acordo.
In his article “Why Innocent People Plead Guilty,” Jed S. Rakoff draws attention to the institution of plea bargaining which now ensures that less than 3% of federal cases go to trial at all. “Of the 2.2 million U.S. people now in prison,” Rakoff writes, “well over 2 million are there as a result of plea bargains dictated by the government’s prosecutors, who effectively dictate the sentence as well.”
Em seu artigo “Por Que Pessoas Inocentes Reconhecem-se Culpadas,” Jed S. Rakoff chama a atenção para a instituição do acordo, que hoje assegura que menos de 3% dos processos federais sequer cheguem a julgamento. “Das 2,2 milhões de pessoas hoje na prisão nos Estados Unidos,” escreve Rakoff, “bem mais de 2 milhões estão lá como resultado de acordos delineados pelos promotores do governo, que na prática também determinam a sentença.”
“In 2012, the average sentence for federal narcotics defendants who entered into any kind of plea bargain was five years and four months,” Rakoff writes, “while the average sentence for defendants who went to trial was sixteen years.”
“Em 2012, a sentença média para réus federais de narcóticos que entravam em algum tipo de acordo era de cinco anos e quatro meses,” escreve Rakoff, “enquanto a sentença média para réus que foram a julgamento era de dezesseis anos.”
It’s one thing to read about the shameful racism and discrimination of the U.S. criminal justice system. It’s quite another to sit next to a woman who is facing ten or more years in prison, isolated from children she has not held in years, and to learn from her about the circumstances that led to her imprisonment.
Uma coisa é ler acerca dos vergonhosos racismo e discriminação do sistema de justiça criminal dos Estados Unidos. Outra bem diferente é sentar-se ao lado de mulher que enfrenta dez ou mais anos na prisão, isolada de crianças que não segura nos braços há anos, e ouvir dela acerca das circunstâncias que a levaram à prisão.
Many women prisoners, unable to find decent jobs in the regular economy, turn to the underground economy. Distant relatives of mine knew plenty about such an economy several generations ago. They couldn’t get work, as Irish immigrants, and so they got into the bootlegging business when alcohol was prohibited. But no one sent them to prison for 10 years if they were caught.
Muitas prisioneiras, incapazes de encontrar empregos decentes na economia regular, voltam-se para a economia clandestina. Parentes afastados meus conheciam bastante dessa economia há diversas gerações. Como imigrantes irlandeses, não conseguiam arranjar trabalho e, pois, entraram no negócio de bebidas clandestinas quando o álcool era proibido. Ninguém, porém, os mandava para a prisão por 10 anos se fossem apanhados
Women prisoners may feel waves of guilt, remorse, defiance, and despair. In spite of facing extremely harsh punishment, harsh emotions, and traumatic isolation, most of the women I’ve met in prison have shown extraordinary strength of character.
Mulheres prisioneiras podem sentir ondas de remorso, resistência aberta, e desespero. A despeito de enfrentarem punição extremamente dura, emoções inclementes, e isolamento traumático, a maioria das mulheres que encontrei na prisão tem mostrado extraordinária força de caráter.
When I was in Pekin Prison, we would routinely see young men, shackled and handcuffed, shuffling off of the bus to spend their first day in their medium-high security prison next door. The median sentence there was 27 years. We knew they’d be old men, many of them grandfathers, by the time they walked out again.
Quando estive na Prisão Pekin rotineiramente víamos homens jovens, agrilhoados e algemados, saindo do ônibus para passar seu primeiro dia em sua prisão de segurança média vizinha. A sentença média era de 27 anos. Sabíamos que eles seriam velhos, muitos deles avôs, quando saíssem.
The U.S. is the undisputed world leader in incarceration, as it is the world leader in military dominance. Only one in 28 of drone victims are the intended, guilty or innocent, targets. One third of women in prison worldwide, are, at this moment, in U.S. prisons. The crimes that most threaten the safety and livelihood of people in the U.S. of course remain the crimes of the powerful, of the corporations that taint our skies with carbon and acid rainfall, peddle weapons around an already suffering globe, shut down factories and whole economies in pursuit of quick wealth, and send our young people to war.
Os Estados Unidos são o líder indiscutível em encarceramento, assim como o líder mundial em poderio militar. Apenas uma em 28 vítimas de drones é alvo pretendido, culpado ou inocente. Um terço das mulheres na prisão no mundo todo estão, neste momento, em prisões dos Estados Unidos. Os crimes que mais ameaçam a segurança e o sustento das pessoas nos Estados Unidos continuam sendo os crimes dos poderosos, das corporações que poluem nossos céus com carbono e chuva ácida, mascateiam armas por todo um mundo já sofredor, fecham fábricas e economias inteiras na persecução de riqueza rápida, e enviam nossos jovens para a guerra.
Chief Executive Officers of major corporations that produce products inimical to human survival will most likely never be charged much less convicted of any crime. I don’t want to see them jailed. I do want to see them rehabilitated
Autoridades Executivas Principais de grandes corporações que produzem produtos nocivos à sobrevivência humana muito provavelmente nunca serão acusados, menos ainda condenados por qualquer crime. Não desejo vê-los presos. Desejo vê-los reabilitados.
Each time I’ve left a U.S. prison, I’ve felt as though I was leaving the scene of a crime. When I return to the U.S. from sites of our war making, abroad, I feel the same way. Emerging back into the regular world seems tantamount to accepting a contract, pledging to forget the punishments we visit on impoverished people. I’m invited to forget about the people still trapped inside nightmare worlds we have made for them.
Cada vez que saí de prisão nos Estados Unidos senti como se estivesse deixando cena de crime. Quando volto aos Estados Unidos de locais onde fazemos nossa guerra, no exterior, sinto a mesma coisa. Voltar ao mundo normal parece equivalente a aceitar um contrato, prometendo esquecer as punições que infligimos a pessoas empobrecidas. Sou convidada a esquecer pessoas ainda vitimadas por ciladas em mundos de pesadelo que criamos para elas.
On January 23, 2015, when I report to whichever prison the Bureau of Prisons selects, I’ll have a short time to reconnect with the reality endured by incarcerated people. It’s not the rehabilitation the prosecutor and judge had in mind, but it will help me be a more empathic and mindful abolitionist, intent on ending all wars.
Em 23 de janeiro de 2015, quando me apresentar em qualquer prisão que o Birô de Prisões selecionar, terei curto tempo para reconectar-me com a realidade sofrida por pessoas encarceradas. Não é a reabilitação que o promotor e o juiz tinham em mente, mas ajudar-me-á a ser abolicionista mais empática e consciente, decidida a acabar com todas as guerras.
- Kathy Kelly (Kathy@vcnv.org) co-coordinates Voices for Creative Nonviolence (www.vcnv.org). She contributed this article to PalestineChronicle.com.
- Kathy Kelly (Kathy@vcnv.org) coordena Vozes para Não Violência Criativa (www.vcnv.org). Enviou este artigo para o PalestineChronicle.com.

No comments:

Post a Comment