Monday, June 23, 2014

C4SS - Capitalism’s Running Out Of Water — And Everything Else

ENGLISH
PORTUGUÊS
CENTER FOR A STATELESS SOCIEY
CENTRO POR UMA SOCIEDADE SEM ESTADO
A Left Market Anarchist Think Tank and Media Center
Centro de Políticas e de Mídia Esquerdista Anarquista de Mercado
Commentary
Comentário

Capitalism’s Running Out Of Water — And Everything Else

O Capitalismo Está Ficando Sem Água — E Sem Tudo O Mais
March 4th, 2014
4 de março de 2014
California is in its third year of a severe drought. Some scientists believe this will be the driest year in the last five hundred. Among other measures for dealing with the water shortage, the state has announced it will not provide subsidized irrigation water from dams this year.
A Califórnia está no terceiro ano de severa seca. Alguns cientistas acreditam que este será o ano mais seco dos últimos quinhentos. Entre outras medidas no lidar com a escassez de água, o estado vem de anunciar que não fornecerá água de irrigação subsidiada das represas este ano.
The large-scale capitalist agriculture model touted by Norman Borlaug devotees (like Reason magazine’s Ron Bailey) is based on so-called “Green Revolution” seeds. These selectively bred seeds — “high yield varieties” — produce considerably higher output than traditional varieties, but also require much higher inputs of irrigation water and chemical fertilizer to produce those outputs. For this reason, corporate agribusiness critic Frances Moore Lappe prefers to call them “high response varieties.” They are far less hardy than traditional varieties — particularly those developed over the centuries by native populations to suit local conditions in the Third World — in the face of drought and other marginal environmental conditions.
O modelo de agricultura capitalista de larga escala trombeteado pelos devotos de Norman Borlaug (como Ron Bailey, da revista Reason) está baseado em sementes da assim chamada “Revolução Verde.” Essas sementes seletivamente gestadas — “variedades de alta produção” — resultam em produção consideravelmente maior do que as variedades tradicionais, mas também requerem insumos muito maiores de água de irrigação e fertilizante químico para tal produção. Por esse motivo, a crítica do agronegócio corporativo Frances Moore Lappe prefere chamá-las de “variedades de alta resposta.” Elas são muito menos robustas do que as variedades tradicionais — particularmente aquelas desenvolvidas ao longo dos séculos por populações nativas para adaptarem-se a condições locais no Terceiro Mundo — em face de seca e outras condições ambientais marginais.
As such, they are suitable primarily for large-scale, export-oriented cash crop operations — the sort which are carried on mainly on land stolen from former peasant cultivators and enclosed into giant plantations by  local landed oligarchies in collusion with transnational agribusiness corporations. They require large-scale inputs of subsidized water — the kind which tends to be directed disproportionately to large agribusiness operations on such land.
Nessa medida, elas são próprias precipuamente para atividade de lavoura com intuito comercial voltada para exportação — do tipo levado a efeito principalmente em terra tomada de ex-cultivadores camponeses e incluídas em plantações gigantescas por oligarquias latifundiárias locais em conluio com corporações transnacionais de agronegócio. Requerem insumos de larga escala de água subsidiada — do tipo que tende a ser direcionado desproporcionalmente para grandes operações de agronegócio em tal terra.
Meanwhile, state-subsidized and -protected fracking operations require billions of gallons of water, depleting aquifers in some of the most drought-stricken areas like California and Texas. And to top everything off, government subsidies to fossil fuel production and long-distance transportation (like the cross-country shipping of subsidized agribusiness produce from California) encourage the generation of the greenhouse gases that contribute to the drought.
Enquanto isso, operações de fratura geológica subsidiadas e protegidas pelo estado requerem biliões de galões de água, exaurindo aquíferos em algumas das áreas mais assoladas pela seca tais como Califórnia e Texas. E, para culminar, subsídios do governo para produção de combustível fóssil e transporte de longa distância (como envio de ponta a outra do país de produtos subsidiados de agronegócio oriundos da Califórnia) estimulam a geração de gases estufa que contribuem para a seca.
The same principle is at work behind a wide spectrum of resource-input crises. Market prices, when free from subsidies and other distortions, are a sort of feedback system that tells those consuming an input the real cost of providing it. Artificially lowering the price sends distorted signals to the consumer — much like holding a candle under your household thermostat and winding up freezing.
O mesmo princípio atua nos bastidores de amplo espectro de crises de insumos de recursos. Os preços de mercado, quando livres de subsídios e de outras distorções, constituem uma espécie de sistema de feedback que diz àqueles que consomem insumo o real custo de proporcioná-lo. Baixar artificialmente o preço envia sinais distorcidos ao consumidor — muito como segurar vela sob o termostato da casa e intensificar o congelamento.
Corporate capitalism is built on subsidized inputs, and profitable in large part because of them. It achieved growth in the 20th century through the extensive addition of subsidized inputs, like subsidized fossil fuels and large tracts of cheap land previously preempted (stolen) by the state, rather than the intensive approach of using existing inputs more efficiently.
O capitalismo corporativo está erigido sobre insumos subsidiados, e é lucrativo, em grande parte, por casa disso. Conseguiu crescimento no século 20 por meio de acréscimo extensivo de insumos subsidiados, como combustíveis fósseis subsidiados em grandes tratos de terra preemptivamente ocupada graças a preferência concedida ao estado (roubada), em vez da abordagem intensiva de uso de insumos já existentes de modo mais eficiente.
A basic law of economics is that when you subsidize an input, people tend to use more of it. And businesses will tend to substitute that artificially cheap input for other inputs. The distorted price system gives an artificial advantage to firms most heavily dependent on that input. For example, subsidies to long-distance shipping infrastructure tend to benefit the firms with the largest market areas and the largest-scale production facilities shipping their output the furthest distance. It makes them artificially competitive against smaller, more localized — and more efficient — forms of production. It creates artificial economies of scale at levels where they would otherwise have leveled off, leading to an economy of artificially large firms serving centralized markets.
Lei básica da economia é que, quando insumo é subsidiado, as pessoas tendem a usá-lo mais. E as empresas tendem a substituir outros insumos por aquele insumo barato. O sistema distorcido de preços concede vantagem artificial a empresas que mais recorram àquele insumo. Por exemplo, subsídios a infraestrutura de transporte de longa distância tendem a beneficiar as empresas com maiores áreas de mercado e as maiores instalações de produção em larga escala que despacham a produção para a maior distância. Eles as tornam artificialmente competitivas diante de formas de produção menores, mais localizadas — e mais eficientes. Criam economias artificiais de escala em níveis nos quais, não fora isso, as coisas se manteriam estáveis, levando a uma economia de empresas artificialmente grandes servindo a mercados centralizados.
At the same time, such responses to the availability of inputs at less than the cost of providing them means demand for them outstrips the government’s ability to provide them. The state exhausts its fiscal resources trying to keep up with demand, and when it reaches fiscal exhaustion, businesses most heavily reliant on the subsidized inputs hit the wall of resource depletion and spiking input prices.
Ao mesmo tempo, tais respostas à disponibilidade de insumos com custo inferior ao de proporcioná-los significa que a demanda por eles excede a capacidade do governo de proporcioná-los. O estado exaure seus recursos fiscais tentando acompanhar a demanda e, quando atinge a exaustão final, as empresas mais fortemente dependentes dos insumos subsidiados esmorecem por esgotamento de recursos e disparada de preços dos insumos.
So we see subsidies to superhighways and airports generating further demand for them, and the building of new local freeway systems to “relieve congestion” generating even more congestion, leading to a situation where the state is fiscally exhausted, demand outstrips supply, and the need for maintenance of existing highways and bridges is four times the revenue appropriated to fix them. And we see giant, inefficient agribusiness operations that are heavily dependent on water, using up the water till there’s no more.
Assim vemos subsídios a super-rodovias e a aeroportos gerarem demanda adicional por eles, e a construção de novos sistemas locais de rodovias expressas para “aliviarem a congestão” gerarem ainda mais congestão, levando a situação na qual o estado se vê fiscalmente exaurido, a demanda excede a oferta, e a necessidade de manutenção das rodovias e pontes existentes é quatro vezes a receita apropriada para consertá-las. E vemos gigantescas operações de agronegócio ineficiente fortemente dependentes de água, consumindo água até não haver mais.
The end result is that this model of state-subsidized capitalism has built-in crisis tendencies which will destroy it. That means a radical relocalization of manufacturing and agriculture, and a radical shortening of supply and distribution chains, and small producers that make efficient use of resources. The current model of corporate capitalism, allied with the state, far from being a natural or inevitable state of affairs, is a historical epoch with a beginning and an end. It’s digging its own grave.
O resultado final é que esse modelo de capitalismo subsidiado pelo estado construiu tendências intrínsecas de crise que o destruirão. Isso significa radical relocalização de indústria e agricultura, e radical redução das cadeias de suprimento e distribuição, e pequenos produtores agrícolas que façam uso eficiente dos recursos. O modelo atual de capitalismo corporativo, aliado ao estado, longe de ser estado de coisas natural ou inevitável é período histórico com começo e fim. Está cavando a própria sepultura.
Citations to this article:
Citações deste artigo:
Kevin Carson, Capitalism’s Running out of Water — and Everything Else, Easley, South Carolina Progress, 03/06/14

No comments:

Post a Comment