Wednesday, January 15, 2014

C4SS - Destroying the Master's House With the Master's Tools: Some Notes on the Libertarian Theory of Ideology - Pages 21-25



ENGLISH
PORTUGUÊS
Center for a Stateless Society
Centro por uma Sociedade Sem Estado
A Left Market Anarchist Think Tank and Media Center
Centro de Políticas e de Mídia Esquerdista Anarquista de Mercado
Destroying the Master's House With the Master's Tools: Some Notes on the Libertarian Theory of Ideology
Destruição da Casa do Senhor Com as Ferramentas do Senhor: Algumas Notas acerca da Teoria Libertária da Ideologia
Kevin Carson
Kevin Carson
Center for a Stateless Society Paper No. 15 (First Half 2013)
Centro por uma Sociedade sem Estado Paper No. 15 (Primeiro Semestre de 2013)
for real resistance.54
a resistência real.54
But in fact carnival itself was seized on as a weapon for real struggle in times of heightened class tension, as the example above of Andalusia indicates. In fact it would defy common sense if such institutions weren't pushed in a revolutionary direction in times of extraordinary discontent.
Na verdade, porém, até o carnaval foi operacionalizado como arma para luta real em tempos de tensão de classe intensificada, como o exemplo acima de Andaluzia indica. Na verdade, seria um contrassenso tais instituições não serem impelidas em direção revolucionária em épocas de descontentamento fora do comum.
Carnival, in its ritual structure and anonymity, gives a privileged place to normally suppressed speech and aggression. It was, in many societies, virtually the only time during the year when the lower classes were permitted to assemble in unprecedented numbers behind masks and make threatening gestures toward those who ruled in daily life. Given this unique opportunity and the world-upside-down symbolism associated with carnival, it is hardly surprising that it would frequently spill over its ritual banks into violent conflict. And if one were, in fact, planning a rebellion or protest, the legitimate cover of anonymous assembly provided by carnival might suggest itself as a likely venue.... It is why actual rebels mimic carnival—they dress as women or mask themselves when breaking machinery or making political demands; their threats use the figure and symbolism of carnival; they extort cash and employment concessions in the manner of crowds expecting gifts during carnival....55
O carnaval, em sua estrutura ritual e anonimato, confere lugar privilegiado a expressão verbal e agressão normalmente suprimidas. Ele foi, em muitas sociedades, praticamente a única ocasião, no ano, em que as classes mais baixas tinham permissão para reunir-se em número sem precedentes por trás de máscaras e fazer gestos ameaçadores para aqueles que governavam na vida diária. Dada essa oportunidade sem igual e o simbolismo do mundo virado ao contrário associado ao carnaval, não é de surpreender que ele amiúde desbordasse para conflito violento. E se alguém estivesse, efetivamente, planejando rebelião ou protesto, o encobrimento legítimo de reunião anônima proporcionado pelo carnaval podia sugeri-lo como como lugar promissor.... Eis porque rebeldes reais imitam o carnaval — vestem-se de mulher ou mascaram-se quando quebrando máquinas ou fazendo exigências políticas; suas ameaças usam a figura e o simbolismo do carnaval; extorquem dinheiro e concessões de emprego à maneira das multidões à espera de dádivas durante o carnaval....55
Norman Solomon, in The Trouble With Dilbert, dismissed Scott Adams' popular comic strip on the grounds that it let disgruntled cubicle drones blow off steam making fun of middle management while largely failing to address the nature of corporate power.
Norman Solomon, em O Problema no caso de Dilbert, desqualificou a popular tira cômica de Scott Adams argumentando que ela permite que funcionários que desempenham tarefas sem sentido desabafem ridicularizando a gerência intermediária, deixando porém, nas mais das vezes, de tratar da natureza do poder corporativo.
But Dilbert is very much an inversion or recuperation of the official corporate ideology, with the cubicle drones using management's own “efficiency” legitimizing rhetoric against it. Any ruling class is limited and made vulnerable by its choice of legitimizing rhetoric.
Contudo, Dilbert é em grande parte uma inversão ou recuperação da ideologia corporativa oficial, com os funcionários dedicados a tarefas sem sentido usando a própria retórica legitimadora da “eficiência” contra aquela. Qualquer classe dominante fica limitada e é tornada vulnerável por sua escolha de retórica legitimadora.
James Scott finds the safety valve thesis implausible on the grounds that it requires the assumption that the safe expression of anger through fantasy is a satisfactory substitute for “direct aggression against the object of frustration.” In fact, though, people who “are thwarted unjustly experience little or no reduction in the level of their frustration and anger unless they
James Scott acha implausível a tese da válvula de segurança, visto ela basear-se na assunção de que a expressão segura da raiva por meio da fantasia é substituta satisfatória da “agressão direta contra o objeto da frustração.” Na verdade, porém, as pessoas que “são injustamente contrariadas experimentam pouca ou nenhuma redução do nível de sua frustração e raiva, a menos que
54 Ibid., p. 184.
55 Ibid., p. 181.
54 Ibid., p. 184.
55 Ibid., p. 181.
are able to directly injure the frustrating agent.” What's more, engaging in such fantasy expression may actually work people up into the mood for the real thing. “...[T]here is much experimental evidence that aggressive play and fantasy increase rather than decrease the likelihood of actual aggression.” It makes sense to think of so-called “safety valve” expressions of anger as preparations or rehearsals, rather than substitutes, for the real thing. It's worth noting how many “revolts by slaves, peasants, and serfs [have] begun precisely during such seasonal rituals...”56
consigam causar dano diretamente ao agente frustrador.” Mais ainda, o permitirem-se essa expressão da fantasia pode, com efeito, induzir as pessoas a anseio pela coisa real.“...[H]á muita evidência experimental de que simulação e fantasia agressivas fazem aumentar, em vez de decrescer, a probabilidade de agressão real.” Faz sentido pensar nas assim chamadas expressões “válvula de segurança” de raiva como preparações ou ensaios, em vez de substitutas, para a coisa real. é de notar quantas “revoltas de escravos, camponeses e servos começaram precisamente durante rituais sazonais...”56
And “safety-valve” ideologies that undermine the legitimacy of the official ideology are themselves frequently used to legitimize covert action in defiance of the ruling class: “any argument which assumes that disguised ideological dissent or aggression operates as a safety-valve to weaken 'real' resistance ignores the paramount fact that such ideological dissent is virtually always expressed in practices that aim at an unobtrusive renegotiation of power relations.”57
E ideologias de “válvula de segurança” que solapam a legitimidade da ideologia oficial são elas próprias frequentemente usadas para legitimar ação encoberta em desafio à classe dominante: “qualquer argumentação que assuma que dissidência ideológica ou agressão disfarçada funcione como válvula de segurança para debilitar resistência 'real' deixa de levar em conta o fato de suprema importância de que tal dissidência ideológica é praticamente sempre expressada em práticas que visam a renegociação inconspícua das relações de poder.”57
And the cumulative effect of such “petty” individual resistance can amount to vast structural significance. Scott quotes Milovan Djilas observation that “slow, unproductive work of disinterested millions... is the calculable, invisible, and gigantic waste which no communist regime has been able to avoid.” And, Scott adds, “[p]oaching and squatting on a large scale can restructure the control of property.58 Going slow or “going canny” on the job, historically, has played a central role in defining the normal pace of labor in the workplace.
E o efeito cumulativo de tal resistência individual “reles” poderá vir a redundar em vasta importância estrutural. Scott cita a observação de Milovan Djilas de que “trabalho inferior, lento e improdutivo de milhões de desinteressados... torna-se o desperdício calculável, invisível e gigantesco que nenhum regime comunista tem conseguido impedir.” E, acrescenta Scott, “[c]aça/pesca e ocupação de imóvel ilegais em larga escala podem reestruturar o controle da propriedade.58 Trabalhar vagarosamente ou “trabalhar frugalmente,” historicamente, tem desempenhado papel fundamental na definição do ritmo normal de labor no local de trabalho.
When hill societies “come to embrace the 'world religion of their valley neighbors, they are likely to do so with a degree of heterodoxy and millenarian fervor that valley elites find more threatening than reassuring.”59 Generally speaking, when hill populations share a major religion with state spaces in the lowlands, their clergy tend to be more irregular and prone to forming schismatic sects. In addition, schismatic sects in the valleys were likely to see the less governable valleys as a place of refuge to flee persecution by the official religious establishment.60 “The pluralism expelled from the valleys can be found in profusion in the hills— shards that tell us what the lowland kingdoms drummed out of the
Quando sociedades da colina “vêm a adotar 'religião de âmbito mundial' de suas vizinhas do vale, provavelmente fá-lo-ão com grau de heterodoxia e fervor milenário que as elites do vale considerarão mais ameaçador do que tranquilizador.”59 De maneira geral, quando populações de colina partilham religião eminente com espaços estatais nas terras baixas, seu clero tende a ser mais irregular e tendente a formar seitas cismáticas. Além disso, seitas cismáticas dos vales tendiam a ver os vales menos governáveis como lugar de refúgio para escapar de perseguição por parte do establishment religioso oficial.60 “O pluralismo expulso dos vales pode ser encontrado em profusão nas colinas — cacos que nos contam o que os reinos das terras baixas expulsaram ignominiosamente do
56 Ibid., pp. 186-187.
57 Ibid., p. 190.
58 Ibid., p. 192.
59 Scott, The Art of Not Being Governed, p. 21.
60 Ibid., p. 156.
56 Ibid., pp. 186-187.
57 Ibid., p. 190.
58 Ibid., p. 192.
59 Scott, A Arte de Não Ser Governado, p. 21.
60 Ibid., p. 156.
valley....”61
vale....”61
The variety of Hinduism practiced in the Tengger hills of Java, for example, has dispensed with the caste system, and maintains a form of Hindu priesthood that reflects the culture's values of egalitarianism and self-reliance rather than the lowlands' attachment to social status and rank.62 The same is true of populations in marginal or non-state areas around the world.
A variedade de hinduísmo praticado nas montanhas Tengger de Java, por exemplo, acabou com o sistema de castas, e preserva forma de sacerdócio hindu que reflete os valores da cultura de igualitarismo e independência em vez do apego das terras baixas a posição social e hierárquica. O mesmo é verdade de populações em áreas marginais ou não estatais ao redor do mundo.
The frequency with which peripheries—mountains, deserts, dense forests—have been strongly associated with religious dissent is too common to be overlooked. The Cossack frontier of tsarist Russia was notable not only for its egalitarian social structure but also for being a bastion of Old Believers whose doctrines played an important role in both the massive Razin and Pugachev peasant revolts. Switzerland was long marked by egalitarianism and by religious heterodoxy. The Alps generally were seen by the Vatican as a cradle of heresy. The Waldensians found refuge there, and, when threatened with forced conversion by the duke of Savoy in the mid-seventeenth century, they moved to the highest valleys.63
A frequência com que periferias — montanhas, desertos, florestas densas — têm estado associadas a dissidência religiosa é comum demais para ser negligenciada. Os confins cossacos da Rússia tsarista eram notáveis não apenas por sua estrutura social igualitária como também por serem um bastião dos Antigos Crentes cujas doutrinas desempenharam importante papel em ambas as revoltas Razin e Pugachev de camponeses. A Suíça de longo tempo caracteriza-se por igualitarismo e heterodoxia religiosa. Os Alpes geralmente eram vistos pelo Vaticano como berço de heresia. Os valdenses encontraram refúgio ali e, quando ameaçados de conversão forçada pelo duque de Saboia, em meado século dezesseste, mudaram-se para os vales mais altos.63
When the Roman Empire (and with it the province of Africa) became Christianized, the Berbers also adopted Christianity—but the Arian or Donatist version of it. When north Africa fell to the Islamic Caliphate, the Berbers converted to Islam—but to the Kharijite heresy. The hill people of Afghanistan, similarly, adhere to the Shia Imami sect or Ismailism rather than the Sunnism of the valley people.64
Quando o Império Romano (e, com ele, a província de África) tornou-se cristianizado, os bérberes também adotaram o cristianismo — mas a versão ariana, ou donatista, dele. Quando o norte da África caiu diante do Califado Islâmico, os bérberes converteram-se ao islã — mas à heresia carijita. O povo das montanhas do Afeganistão, similarmente, adotam a seita xiita duodecimana ou o ismaelismo em vez do sunismo do povo do vale.64
The most important point is that “much of the same cosmological raw material” goes into the variants of a major religion shared by state and non-state territories.65 The religions of non- state spaces include “a mimicry of lowland-state institutional forms [that] can be reshaped so as to oppose lowland agendas.”66
O mais importante ponto é que “grande parte da mesma matéria-prima cosmológica” vai para as variantes de uma religião importante partilhada por territórios estatais e não estatais.65 As religiões dos espaços não estatais incluem “um mimetismo das formas institucionais do estado das terras baixas [que] pode ser remodelado para opor-se às agendas das terras baixas.”66
61 Ibid., p. 157.
62 Ibid., pp.. 134-135.
63 Ibid., p. 157.
64 Ibid., p. 158.
65 Ibid., p. 157.
66 Ibid., p. 289.
61 Ibid., p. 157.
62 Ibid., pp.. 134-135.
63 Ibid., p. 157.
64 Ibid., p. 158.
65 Ibid., p. 157.
66 Ibid., p. 289.
Religious heterodoxy and prophetism with millenarian overtones are, historically at least, as common in the lowlands and within populations already part of lowland states as they are in the hills. In fact... the millenarian ideas circulating in the hills are, for the most part, assembled from fragments that have been imported from valley states.67
A heterodoxia religiosa e o profetismo com reverberações milenárias são, pelo menos historicamente, tão comuns nas terras baixas e no seio de populações já parte dos estados das terras baixas quanto o são nas colinas. Na verdade... as ideias milenárias em circulação nas colinas são, na maior parte, montadas a partir de fragmentos que foram importados de estados do vale.67
If the central theme of the state or ruling class religion is legitimacy—be in subjection to the higher authorities; the ruler does not wield the sword in vain; as above so below; etc.—the central theme of religion in nonstate spaces is just the opposite: the last shall be first, and the first shall be last; the mighty shall be brought low; woe to the downpressor; etc. Scott refers to this as “[t]he pervasive idea of a reversal of fortunes, of a world turned upside down....”68 Millenarianism “represents an audacious poaching of the lowland ideological structure to fashion movements that aim at warding off or destroying the states from which they are poached.”
Se o tema central da religião do estado ou da classe dominante é legitimidade — sujeitai-vos às autoridades superiores; o governante não brande a espada em vão; como é acima, assim é abaixo; etc. — o tema central da religião em espaços não estatais é exatamente o oposto: os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos; os poderosos serão humilhados; ai dos opressores; etc. Scott refere-se a isso como “[a] difundida ideia de uma reversão das sinas, de um mundo virado de cabeça para baixo....”68 O milenarismo “representa audacioso contrabando da estrutura ideológica das terras baixas para criar movimentos que visam a tornar inermes ou a destruir os estados dos quais contrabandeada.”
Hill people have, in a sense, seized whatever ideological materials were available to them to make their claims and take their distance from the lowland states. At first, the raw materials were confined to their own legends and deities, on the one hand, and, on the other, the emancipatory messages they could make out in the lowland religions, especially Mahayana and Theravada Buddhism.69
Os povos da colina, em certo sentido, apreenderam quaisquer materiais ideológicos disponíveis para eles para fazerem suas reivindicações e guardarem sua distância dos estados das terras baixas. De início, a matéria-prima ficou confinada a suas próprias lendas e deidades, por um lado e, por outro, às mensagens emancipatórias que conseguiram identificar nas regiões de terras baixas,especialmente o budismo mahayana e o theravada.69
This general phenomenon also seems relevant to Israel, to which we paid so much attention in the introduction, since the Israelite amphictyony sort of took the Canaanitic El pantheon and turned that aristocratic religion on its head, and attached its own significance to Canaanite holy places like Bethel. According to Gottwald, the
Esse fenômeno geral parece também relevante para Israel, a quem dedicamos tanta atenção na introdução, visto que a anficcionia israelita de certo modo tomou o panteon canaanita de El e virou aquela religião aristocrática de cabeça para baixo, atrelando seu próprio sentido a lugares sagrados canaanitas tais como Betel. De acordo com Gottwald, o
emergence of Israel out of a Canaanite milieu is analogous in some ways to the continuities and discontinuities evident in the emergence of early Christianity out of proto-Judaism and to the development of Protestantism out of Roman Catholicism.70
surgimento de Israel a partir de um ambiente social canaanita é análogo, sob alguns aspectos, às continuidades e descontinuidades evidentes no surgimento do primeiro cristianismo a partir do protojudaísmo e ao desenvolvimento do protestantismo a partir do catolicismo romano.70
The official Davidic theology, most clearly expressed in the Psalms, was essentially a return to the cosmological religion of other Near Eastern
A teologia davídica oficial, mais claramente expressa nos Salmos, era essencialmente um retorno à religião cosmológica de outros estados do Oriente Próximo.
67 Ibid., pp. 298-299.
68 Ibid., p. 287.
69 Ibid., p. 322.
70 Gottwald, “Revisiting The Tribes of Yahweh.”
67 Ibid., pp. 298-299.
68 Ibid., p. 287.
69 Ibid., p. 322.
70 Gottwald, “As Tribos de Iavé Vistas de Perspectiva Diferente.”
states. As in other such religions, there was a close parallel between the heavenly and earthly order. The heavenly order was established by El (or Yahweh) defeating the forces of primordial chaos (represented by water or by a dragon), enthroning himself, fathering a dynasty of gods, and creating heaven and earth. This was followed by the creation of an earthly order corresponding to the heavenly one, with the descent of kingship to humankind and the establishment of the house of El's (or Yahweh's) chosen king at the center of a human hierarchy directly mirroring the divine pantheon. Cultic reenactments of the defeat of Egypt and triumphal march to Zion, portrayed it in symbolic terms closely resembling El's defeat of the primordial serpent or waters—followed by the establishment of the line of David (“which shall have no end.”) .71Consider the stock form of many of the Psalms of David, typified by Psalm 29: 1) The Divine Warrior goes to battle against chaos; 2) nature convulses under the Warrior's wrath; 3) the Warrior God returns to become king of the gods, and is enthroned on the holy mountain; 4) the Divine Warrior utters a voice from the temple, nature responds, the heavens fertilize the earth, and animals writhe in giving birth.72
Como em outras religiões da espécie, havia estreito paralelo entre a ordem celestial e a terreal. A ordem celestial fora estabelecida por El (ou Iavé) derrotando as forças do caos primordial (representadas pela água ou por um dragão), entronizando-se, tornando-se pai de uma dinastia de deuses, e criando o céu e a terra. A isso seguiu-se a criação de uma ordem terrena correspondente à celestial, com a descida da realeza ao gênero humano e o estabelecimento da casa do rei escolhido por El (ou por Iavé) no centro de uma hierarquia humana refletindo diretamente o panteão divino. Representações, em culto, da derrota do Egito e da marcha triunfal para Sião retratavam o tema em termos simbólicos, guardando estreita semelhança com a derrota, por El, da serpente, ou das águas primordiais, — seguidas do estabelecimento da linhagem de Davi (“que não terá fim.”) .71 Consideremos o padrão de muitos dos salmos de Davi, tipificados pelo Salmo 29: 1) O Divino Guerreiro vai à batalha contra o caos; 2) a natureza se convulsiona diante da ira do Guerreiro; 3) o Deus Guerreiro retorna para tornar-se rei dos deuses, e é entronizado na montanha sagrada; 4) o Divino Guerreiro fala a partir do templo, a natureza responde, o céu fertiliza a terra, e os animais têm espasmos parindo.72
The emergence of the prophetic movement as a liberatory counterweight to the official Davidic theology of the monarchy, and its reworking and revival of persistent underground elements from the older Israelite tradition preserved in Judges and Kings, overlaps to a considerable extent with Jaspers' Axial Period, Nietzsche's "slave revolt in morality" described in The Genealogy of Morals, and Voegelin's transition from cosmological to universal religions (see Appendix). In place of a static- cyclical earthly order which mirrored the order of heaven (as above, so below), and earthly kingship which mirrored the pantheon of Yahweh as originally conceived, they believed they were called into a linear, historical relationship with a transcendent, universal God.
O surgimento do movimento profético como contrapeso libertador da teologia davídica oficial da monarquia, e seu reprocessamento e o reavivamento de elementos clandestinos persistentes da antiga tradição israelita preservados em Juízes e Reis, imbrica-se em considerável extensão com o Período Axial de Jasper, com a "revolta do escravo na moralidade" de Nietzsche descrita na Genealogia da Moral, e com a transição das religiões cosmológicas para as universais de Voegelin (ver Apêndice). Em lugar de uma ordem terreal estática-cíclica que refletia a ordem do céu (como é acima, assim é abaixo), e realeza terrena que refletia o panteão de Iavé como originalmente concebido, os profetas acreditavam ter sido chamados a um relacionamento linear, histórico, com um Deus transcendente e universal.
Religion as Part of a Larger Phenomenon: Ideology. Stepping back again and taking a more panoramic view, the religious case is part of an even larger phenomenon: the recuperation of the symbols and values of the ruling class's legitimizing ideology, and the inversion of the dominant ideology as a weapon against the existing system of power.
Religião como Parte de Fenômeno Mais Amplo: Ideologia. Recuando de novo e assumindo visão mais panorâmica, a questão religiosa é parte de fenômeno ainda mais amplo: a recuperação dos símbolos e valores da ideologia legitimizadora da classe dominante, e a inversão da ideologia dominante como arma contra o sistema de poder existente.
When a ruling class creates a legitimizing ideology, it thereby—much like a
Quando uma classe dominante cria uma ideologia legitimadora, ela, nessa medida — muito como
71 Cross, op. cit., pp. 79-80.
72 Ibid., pp. 162-163.
71 Cross, op. cit., pp. 79-80.
72 Ibid., pp. 162-163.



No comments:

Post a Comment