Monday, December 23, 2013

The Anti-Empire Report - “If nature were a bank, they would have already rescued it.” – Eduardo Galeano


English
Português
Official website of the author, historian, and U.S. foreign policy critic.
Website oficial do autor, historiador e crítico da política externa dos Estados Unidos.
The Anti-Empire Report #123
O Relatório Anti-Império No. 123
By William Blum – Published December 3rd, 2013
Por William Blum – Publicado em 3 de dezembro de 2013
“If nature were a bank, they would have already rescued it.” – Eduardo Galeano
“Se a natureza fosse um banco, já a teriam socorrido.” – Eduardo Galeano
What do you think of this as an argument to use when speaking to those who don’t accept the idea that extreme weather phenomena are man-made?
O que você acha disto como argumento a usar quando falando a pessoas que não aceitam a ideia de que os fenômenos meteorológicos extremos são provocados pelo homem?
Well, we can proceed in one of two ways:
Bem, podemos avançar por um dentre dois caminhos:
1. We can do our best to limit the greenhouse effect by curtailing greenhouse gas emissions (carbon dioxide, methane, and nitrous oxide) into the atmosphere, and if it turns out that these emissions were not in fact the cause of all the extreme weather phenomena, then we’ve wasted a lot of time, effort and money (although other benefits to the ecosystem would still accrue).
1. Podemos fazer o melhor possível para limitar o efeito estufa mediante reduzir as emissões de gases estufa (dióxido de carbono, metano, e óxido nitroso) na atmosfera, e se ficar claro que essas emissões não eram na verdade a causa de todos os fenômenos meteorológicos extremos, então teremos perdido uma enormidade de tempo, esforço e dinheiro (embora outros benefícios para o ecossistema ainda se tenham verificado).
2. We can do nothing at all to curtail the emission of greenhouse gases into the atmosphere, and if it turns out that these emissions were in fact the cause of all the extreme weather phenomena (not simply extreme, but getting downright freaky), then we’ve lost the earth and life as we know it.
2. Nada podemos fazer, em absoluto, para reduzir a emissão de gases estufa na atmosfera, e se ficar claro que essas emissões eram na verdade a causa de todos os fenômenos meteorológicos extremos (não simplesmente extremos, mas tornando-se completamente insólitos), então teremos perdido a terra e a vida tal como as conhecemos.
So, are you a gambler?
E então, você é um apostador?
Whatever we do on a purely personal level to try and curtail greenhouse gas emissions cannot of course compare to what corporations could do; but it’s inevitable that the process will impinge upon the bottom line of one corporation or another, who can be relied upon to put optimization of profit before societal good; corporate “personhood” before human personhood. This is a barrier faced by any environmentalist or social movement, and is the reason why I don’t subscribe to the frequently-voiced idea that “Left vs. Right” is an obsolete concept; that we’re all together in a common movement against corporate and government abuse regardless of where we fall on the ideological spectrum.
O que quer que façamos em nível puramente pessoal para tentar reduzir as emissões de gases estufa não poderá, obviamente, comparar-se ao que as corporações possam fazer; é porém inevitável que o processo afete de modo indesejável o saldo de uma corporação ou outra, que de modo decidido coloque a otimização do lucro acima do bem social; a “pessoa” corporativa acima da pessoa humana. Essa é uma barreira enfrentada por qualquer movimento ambientalista ou social, e é o motivo pelo qual não subscrevo a frequentemente exarada ideia de que o conceito “Esquerda versus Direita” esteja ultrapassado; de que estamos todos num movimento comum contra o abuso corporativo e governamental independentemente de onde nos situemos no espectro ideológico.
It’s only the Left that maintains as a bedrock principle: People before Profit, which can serve as a very concise definition of socialism, an ideology anathema to the Right and libertarians, who fervently believe, against all evidence, in the rationality of a free market. I personally favor the idea of a centralized, planned economy.
É exclusivamente a Esquerda que mantém como princípio fundamental: Pessoa acima de Lucro, o que pode servir como definição muito concisa de socialismo, ideologia anátema para a Direita e para os libertários, que fervorosamente acreditam, contra toda  evidência, na racionalidade de um livre mercado. Pessoalmente sou favorável à ieia de uma economia centralizada e planificada.
Holy Lenin, Batman! This guy’s a Damn Commie!
Santo Lenin, Batman! Esse cara é um Comuna Consumado!
Is it the terminology that bothers you? Because Americans are raised to be dedicated anti-communists and anti-socialists, and to equate a “planned economy” with the worst excesses of Stalinism? Okay, forget the scary labels; let’s describe it as people sitting down and discussing what the most serious problems facing society are; and which institutions and forces in the society have the best access, experience, and resources to offer a solution to those problems. So, the idea is to enable these institutions and forces to deal with the problems in a highly organized and efficient manner. All this is usually called “planning”, and if the organization of it all generally stems from the government it can be called “centralized”. The alternative to this is called either anarchy or free enterprise.
É a terminologia que incomoda você? Porque os estadunidenses são criados para serem consumados anticomunistas e antissocialistas, e para entender “economia planejada” como equivalente aos piores excessos do Stalinismo? Muito bem, esqueça os rótulos amedrontadores; descrevamo-la como pessoas sentando-se e discutindo quais são os problemas mais sérios com que se defronta a sociedade; e que instituições e forças, na sociedade, têm os melhores acessos, experiência e recursos para oferecer solução para tais problemas. Assim, a ideia é tornar essas instituições e forças capazes de lidar com os problemas de maneira altamente organizada e eficiente. Tudo isso é usualmente chamado “planejamento”, e se a organização de tudo isso geralmente provém do governo ele pode ser chamado de “centralizado”. A alternativa a isso é chamada ou de anarquia ou de livre empresa.
I don’t place much weight on the idea of “libertarian socialism”. That to me is an oxymoron. The key questions to be considered are: Who will make the decisions on a daily basis to run the society? For whose benefit will those decisions be made. It’s easy to speak of “economic democracy” that comes from “the people”, and is “locally controlled”, not by the government. But is every town and village going to manufacture automobiles, trains and airplanes? Will every city of any size have an airport? Will each one oversee its own food and drug inspections? Maintain all the roads passing through? Protect the environment within the city boundary only? Such questions are obviously without limit. I’m just suggesting that we shouldn’t have stars in our eyes about local control or be paranoid about central planning.
Não dou muita pelota para a ideia de “socialismo libertário”. Para mim, isso é oxímoro. As perguntas decisivas a ser consideradas são: Quem tomará as decisões cotidianas para administar a sociedade? Para benefício de quem serão tomadas tais decisões? É fácil falar de “democracia econômica” que vem do “povo”, e “controlada localmente”, não pelo governo. Irá, porém, cada cidadezinha e vila fabricar automóveis, trens e aviões? Terá toda cidade, de qualquer tamanho, aeroporto? Cada pessoa supervisará as inspeções de sua própria comida e seus próprios medicamentos? Manterá todas as estradas que por ali passem? Protegerá o ambiente apenas dentro dos limites da cidade? Tais perguntas obviamente não têm limite. Estou apenas sugerindo que não devamos ter estrelas em nossos olhos acerca de controle local ou sermos paranoicos acerca de planejamento centralizado.

No comments:

Post a Comment