Saturday, September 7, 2013

The Anti-Empire Report - Found at last! After searching for 10 years, the Iraqi weapons of mass destruction have finally been found – in Syria!

English
Português
William Blum
William Blum
Official website of the author, historian, and U.S. foreign policy critic.
Website oficial do autor, historiador e crítico da política externa dos Estados Unidos.
The Anti-Empire Report #120
O Relatório Anti-Império No. 120
By William Blum – Published September 3rd, 2013
Por William Blum – Publicado em 3 de setembro de 2013
Found at last! After searching for 10 years, the Iraqi weapons of mass destruction have finally been found – in Syria!
Por fim descobertas! Depois de procuradas por 10 anos, as armas de destruição em massa iraquianas foram finalmente encontradas - na Síria!
Secretary of State John Kerry: “There is no doubt that Saddam al-Assad has crossed the red line. … Sorry, did I just say ‘Saddam’?”
Secretário de Estado John Kerry: “Não há qualquer dúvida de que Saddam al-Assad cruzou a linha vermelha. … Perdão, acabei de dizer ‘Saddam’?”
A US drone has just taken a photo of Mullah Omar riding on a motorcycle through the streets of Damascus. 1
Avião não tripulado [drone] dos Estados Unidos acaba de tirar foto do Mullah Omar andando de motocicleta pelas ruas de Damasco. 1
So what do we have as the United States refuses to rule out an attack on Syria and keeps five warships loaded with missiles in the eastern Mediterranean?
Então, o que temos enquanto os Estados Unidos se recusam a descartar ataque à Síria e mantêm cinco navios de guerra carregados com mísseis no leste do Mediterrâneo?
Only 9 percent of Americans support a US military intervention in Syria. 2
Apenas 9 por cento dos estadunidenses apoiam intervenção militar na Síria. 2
Only 11% of the British supported a UK military intervention; this increased to 25% after the announcement of the alleged chemical attack. 3
Apenas 11% dos britânicos apoiavam intervenção militar do Reino Unido; esse percentual aumentou para 25% depois do anúncio do alegado ataque químico. 3
British Prime Minister David Cameron lost a parliamentary vote August 29 endorsing military action against Syria 285-272
O Primeiro-Ministro britânico David Cameron perdeu eleição parlamentar em 29 de agosto endossando ação militar contra a Siria 285-272
64% of the French people oppose an intervention by the French Army. 4 “Before acting we need proof,” said a French government spokesperson. 5
64% dos franceses opõem-se a intervenção pelo exército francês. 4 “Antes de agir precisamos de prova,” disse porta-voz do governo francês. 5
Former and current high-ranking US military officers question the use of military force as a punitive measure and suggest that the White House lacks a coherent strategy. “If the administration is ambivalent about the wisdom of defeating or crippling the Syrian leader, possibly setting the stage for Damascus to fall to Islamic fundamentalist rebels, they say, the military objective of strikes on Assad’s military targets is at best ambiguous.” 6
Antigos e atuais autoridades militares de alto escalão dos Estados Unidos questionam o uso de força militar como medida punitiva e sugerem que a Casa Branca não tem estratégia coerente. “Se a administração é ambivalente acerca do cabimento de derrubar ou debilitar o líder sírio, possivelmente pavimentando o caminho para que Damasco caia nas mãos de rebeldes fundamentalistas islâmicos, dizem elas, o objetivo militar de ataques contra alvos militares de Assad é, na melhor das hipóteses, ambíguo.” 6
President Obama has no United Nations approval for intervention. (In February a massive bombing attack in Damascus left 100 dead and 250 wounded; in all likelihood the work of Islamic terrorists. The United States blocked a Russian resolution condemning the attack from moving through the UN Security Council)
O Presidente Obama não tem aprovação das Nações Unidas para intervenção. (Em fevereiro ponderoso ataque de bombardeio em Damasco deixou 100 pessoas mortas e 250 feridas; de toda probabilidade obra de terroristas islâmicos. Os Estados Unidos bloquearam resolução da Rússia condenando o ataque impedindo-a de transitar no Conselho de Segurança das Nações Unidas)
None of NATO’s 28 members has proposed an alliance with the United States in an attack against Syria. NATO’s Secretary General Anders Fogh Rasmussen said that he saw “no NATO role in an international reaction to the [Syrian] regime.”
Nenhum dos 28 membros da OTAN propôs aliança com os Estados Unidos em ataque à Síria. O Secretário-Geral da OTAN Anders Fogh Rasmussen disse não ver “qualquer papel a ser desempenhado pela OTAN numa reação internacional ao regime [sírio].”
The Arab League has not publicly endorsed support of US military action in Syria; nor have key regional players Saudi Arabia and Qatar, concerned about a possible public backlash from open support for US intervention. 8
A Liga Árabe não endossou publicamente apoio a ação militar dos Estados Unidos na Síria, nem o fizeram os atores regionais fundamentais Arábia Saudita e Catar, preocupados com possível forte reação negativa a apoio aberto a intervenção dos Estados Unidos. 8
We don’t even know for sure that there was a real chemical attack. Where does that accusation come from? The United States? The al-Qaeda rebels? Or if there was such an attack, where is the evidence that the Syrian government was the perpetrator? The Assad regime has accused the rebels of the act, releasing a video showing a cave with alleged chemical-weapon equipment as well as claiming to have captured rebels possessing sarin gas. Whoever dispensed the poison gas – why, in this age of ubiquitous cameras, are there no photos of anyone wearing a gas mask? The UN inspection team was originally dispatched to Syria to investigate allegations of earlier chemical weapons use: two allegations made by the rebels and one by the government.
Sequer sabemos com certeza se houve real ataque químico. De onde vem essa acusação? Dos Estados Unidos? Dos rebeldes da al-Qaeda? Ou, se houve tal ataque, onde está a evidência de que o perpetrador foi o governo sírio? O regime Assad acusou os rebeldes do ato, divulgando vídeo mostrando caverna com alegado equipamento de armas químicas, bem como afiançando ter capturado rebeldes possuidores de gás sarin. Quem quer que tenha espalhado o gás venenoso – por que, nesta era de câmeras onipresentes, não há fotos de ninguém usando máscara contra gases? A equipe de inspeção das Nações Unidas foi originalmente despachada para a Síria a fim de investigar alegações de uso prévio de armas químicas: duas alegações feitas pelos rebeldes e uma pelo governo.
The United States insists that Syria refused to allow the UN investigators access to the site of the attack. However, the UN request was made Saturday, August 24; the Syrian government agreed the next day. 9
Os Estados Unidos insistem em que a Síria se recusou a permitir a investigadores das Nações Unidas acesso ao local do ataque. Entretanto, a solicitação das Nações Unidas foi feita no sábado, 24 de agosto; o governo sírio concordou no dia seguinte. 9
In rejecting allegations that Syria deployed poison gas, Russian officials have argued that the rebels had a clear motivation: to spur a Western-led attack on Syrian forces; while Assad had every reason to avoid any action that could spur international intervention at a time when his forces were winning the war and the rebels are increasingly losing world support because of their uncivilized and ultra-cruel behavior.
Rejeitando alegações de a Síria ter espraiado gás venenoso, autoridades russas argumentaram que os rebeldes tinham clara motivação: incitar ataque liderado pelo Ocidente às forças sírias; enquanto Assad tinha todas as razões para evitar qualquer ação que pudesse levar a intervenção internacional num momento em que suas forças estavam vencendo a guerra e os rebeldes estavam cada vez mais perdendo apoio mundial por causa de comportamento não civilizado e ultracruel.
President George W. Bush misled the world on Iraq’s WMD, but Bush’s bogus case for war at least had details that could be checked, unlike what the Obama administration released August 29 on Syria’s alleged chemical attacks – no direct quotes, no photographic evidence, no named sources, nothing but “trust us,” points out Robert Parry, intrepid Washington journalist.
O Presidente George W. Bush levou o mundo na conversa no tocante a armas de destruição em massa no Iraque, mas a argumentação inverídica de Bush favorável à guerra pelo menos tinha detalhes que podiam ser verificados, diferentemente da divulgada pela administração Obama em 29 de agosto a respeito dos alegados ataques químicos da Síria – nenhuma citação direta, nenhuma evidência fotográfica, nenhuma fonte mencionada, nada a não ser “acreditem no que dizemos,” ressalta Robert Parry, intrépido jornalista de Washington.
So, in light of all of the above, the path for Mr. Obama to take – as a rational, humane being – is of course clear. Is it not? N’est-ce pas? Nicht wahr? – Bombs Away!
Portanto, à luz do acima, o caminho a ser tomado pelo Sr. Obama –como ser racional e humano – é obviamente claro. Não é? N’est-ce pas? Nicht wahr? – Bombas Despejadas!
Pretty discouraging it is. No, I actually find much to be rather encouraging. So many people seem to have really learned something from the Iraqi pile of lies and horror and from decades of other American interventions. Skepticism – good ol’ healthy skepticism – amongst the American, British and French people. It was stirring to watch the British Parliament in a debate of the kind rarely, if ever, seen in the 21st-century US Congress. And American military officers asking some of the right questions. The Arab League not supporting a US attack, surprising for an organization not enamored of the secular Syrian government. And NATO – even NATO! – refusing so far to blindly fall in line with the White House. When did that last happen? I thought it was against international law.
Bastante desencorajador. Não, na verdade acho que é bastante estimulante. Muita gente parece ter realmente aprendido alguma coisa com a pilha de mentiras a respeito do Iraque e do horror de décadas de outras intervenções estadunidenses. Ceticismo – o bom, velho e saudável cetisicmo – entre estadunidenses, britânicos e franceses. Foi emocionante ver o Parlamento Britânico num debate do tipo raramente, se alguma vez, visto no Congresso estadunidense do século 21. E autoridades militares estadunidenses fazendo algumas das perguntas pertinentes. A Liga Árabe não apoiando um ataque dos Estados Unidos, surpreendente para uma organização que não morre de amores pelo governo secular sírio. E a OTAN – até a OTAN! – recusando-se, até agora, a cegamente perfilar-se com a Casa Branca. Quando aconteceu isso pela última vez? Eu pensava que isso era contra a lei internacional.
Secretary of State John Kerry said that if the United States did not respond to the use of chemical weapons the country would become an international “laughingstock”. Yes, that’s really what America and its people have to worry about – not that their country is viewed as a lawless, mass-murdering repeat offender. Other American officials have expressed concern that a lack of a US response might incite threats from Iran and North Korea. 10
O Secretário de Estado John Kerry disse que se os Estados Unidos não reagissem ao uso de armas químicas o país se tornaria “alvo de riso” internacional. Sim, é realmente com isso que os Estados Unidos e seu povo têm de se preocupar – não com que seu país seja visto como criminoso sem lei, assassino em massa reincidente. Outras autoridades estadunidenses expressaram preocupação com que falta de reação pudesse incitar ameaças do Irã e da Coreia do Norte. 10
Now that is indeed something to laugh at. It’s comforting to think that the world might be finally losing the stars in their eyes about US foreign policy partly because of countless ridiculous remarks such as these.
Isso sim é motivo de riso. É confortador pensar que o mundo possa talvez finalmente estar perdendo seu deslumbramento com a política externa dos Estados Unidos parcialmente por causa de incontáveis observações ridículas como essas.
Notes
Notas
1. The three preceding jokes are courtesy of my friend Viktor Dedaj of Paris
1. As três piadas precedentes são cortesia de meu amigo Viktor Dedaj de Paris
2. Reuters/Ipsos poll, August 26, 2013
2. Pesquisa Reuters/Ipsos, 26 de agosto de 2013
3. Sunday Times (UK), YouGov poll, August 25
3. Sunday Times (UK), pesquisa YouGov, 25 de agosto
4. Le Parisien, August 30, 2012
4. Le Parisien, 30 de agosto de 2012
5. Christian Science Monitor, August 29, 2013
5. Christian Science Monitor, 29 de agosto de 2013
6. Washington Post, August 29, 2013
6. Washington Post, 29 de agosto de 2013
7. The Wall Street Journal, August 30, 2013
7. The Wall Street Journal, 30 de agosto de 2013
8. Washington Post, August 31, 2013
8. Washington Post, 31 de agosto de 2013
9. UN Web TV, August 27, 2013 (starting at minute 12:00)
9. UN Web TV, 27 de agosto de 2013 (começando no primeiro minuto de 12:00)
10. The Washington Post, August 31, 2013
10. The Washington Post, 31 de agosto de 2013

No comments:

Post a Comment