Tuesday, March 19, 2013

The Anti-Empire Report - Osama bin Laden, Bradley Manning, & William Blum



English
Português
Official website of the author, historian, and U.S. foreign policy critic.
Website oficial do autor, historiador e crítico da política externa dos Estados Unidos.
The Anti-Empire Report #114
O Relatório Anti-Império No. 114
By William Blum – Published March 11th, 2013
Por William Blum – Publicado em 11 de março de 2013
Osama bin Laden, Bradley Manning, and William Blum
Osama bin Laden, Bradley Manning, e William Blum
Bradley Manning has the charge of “Aiding the enemy” hanging over his head. This could lead to a sentence of life in prison. As far as can be deduced, the government believes that the documents and videos that Manning gave to Wikileaks, which Wikileaks then widely distributed to international media, aided the enemy because it put US foreign policy in a very bad light.
Bradley Manning tem a acusação de “ajudar o inimigo” pendendo sobre sua cabeça. Isso poderá levar a sentença de vida inteira na prisão. Tanto quanto possa ser deduzido, o governo acredita que os documentos e vídeos que Manning deu ao Wikileaks, que o Wikileaks em seguida distribuiu largamente para a mídia internacional, ajudaram o inimigo porque projetaram uma imagem muito negativa da política externa dos Estados Unidos.
Manning’s attorneys have asked the prosecution more than once for specific examples of how “the enemy” (whoever that may refer to in a world full of people bitterly angry at the United States because of any of many terrible acts carried out by the US government) has been “aided” by the Wikileaks disclosures. Just how has the enemy made use of the released material to harm the United States? The government has not provided any such examples, probably because what really bothers Washington officials is the embarrassment they have experienced before the world resulting from the documents and videos; which indeed are highly embarrassing even to genuine war criminals; filled with violations of international law, atrocities, multiple lies to everyone, revelations of gross hypocrisy, and much more.
Os advogados de Manning já pediram à promotoria, mais de uma vez, para que dê exemplos específicos de como “o inimigo” (a quem possa essa expressão referir-se num mundo cheio de pessoas ressentidamente iradas com os Estados Unidos por causa dos muitos terríveis atos levados a efeito pelo governo dos Estados Unidos) foi “ajudado” pelas revelações do Wikileaks. Exatamente como o inimigo tem feito uso do material divulgado, para prejudicar os Estados Unidos? O governo não ofereceu quaisquer exemplos, provavelmente porque o que realmente incomoda as autoridades de Washington é o constrangimento que experimentaram perante o mundo em resultado dos documentos e vídeos; que realmente são altamente constrangedores, mesmo para autênticos criminosos de guerra; cheios de violações da lei internacional, atrocidades, múltiplas mentiras para todo mundo, revelações de desfaçada hipocrisia, e muito mais.
So our splendid officials are considering putting Bradley Manning in prison forever simply because they’re embarrassed. Hard to find much fault with that.
Assim, pois, nossas esplêndidas autoridades estão cogitando de colocar Bradley Manning na prisão para sempre simplesmente porque estão constrangidas. Difícil achar qualquer coisa errada nisso.
But now the prosecutors have announced that a Navy Seal involved in the killing of Osama bin Laden is going to testify at the court martial that bin Laden possessed articles about the Wikileaks documents that Manning leaked. Well, there must be a hundred million other people in the world who have similar material on their computers. The question remains: What use did the enemy make of that?
Agora, porém, os promotores anunciaram que um membro da Força Especial da Marinha envolvido na morte de Osama bin Laden deporá em corte marcial que bin Laden possuía artigos acerca dos documentos do Wikileaks que Manning vazou. Ora, terá de haver uns cem milhões de outras pessoas no mundo que possuem material similar em seus computadores. A pergunta permanece: Que uso o inimigo fez disso?
The Iraqi government made use of the material, inducing them to refuse immunity to US troops for crimes committed in Iraq, such as the cold-blooded murders revealed by the Wilileaks videos; this in turn led the US to announce that it was ending its military engagement in Iraq. However, Manning was indicted in May 2010, well before the Iraqi decision to end the immunity.
O governo iraquiano fez uso do material, que o induziu a recusar imunidade para soldados dos Estados Unidos para crimes cometidos no Iraque, tais como os assassínios a sangue frio revelados pelos vídeos do Wilileaks; o que, por sua vez, levou os Estados Unidos a anunciar que estavam terminando sen envolvimento militar no Iraque. Entretanto, Manning foi indiciado em maio de 2010, muito antes da decisão iraquiana de pôr fim à imunidade.
In January, 2006 bin Laden, in an audio tape, declared: “If Bush decides to carry on with his lies and oppression, then it would be useful for you to read the book ‘Rogue State’ [by William Blum], which states in its introduction … ” He then went on to quote the opening of a paragraph I wrote (which appears actually in the Foreword of the British edition only, that was later translated to Arabic), which in full reads:
Em janeiro de 2006 bin Laden, numa fita de áudio, declarou: “Se Bush decidir levar adiante suas mentiras e opressão, então será útil para vocês lerem o livro ‘Estado sem Escrúpulos’ [de William Blum], que afirma, em sua introdução  … ” Ele então continua citando o início de um parágrafo que escrevi (que na verdade aparece apenas no Prólogo da edição britânica, posteriormente traduzida para o árabe), o qual, na íntegra, diz:
“If I were the president, I could stop terrorist attacks against the United States in a few days. Permanently. I would first apologize – very publicly and very sincerely – to all the widows and the orphans, the impoverished and the tortured, and all the many millions of other victims of American imperialism. I would then announce that America’s global interventions – including the awful bombings – have come to an end. And I would inform Israel that it is no longer the 51st state of the union but – oddly enough – a foreign country. I would then reduce the military budget by at least 90% and use the savings to pay reparations to the victims and repair the damage from the many American bombings and invasions. There would be more than enough money. Do you know what one year of the US military budget is equal to? One year. It’s equal to more than $20,000 per hour for every hour since Jesus Christ was born.
“Se eu fosse o presidente, poderia deter ataques terroristas contra os Estados Unidos em poucos dias. Permanentemente. Primeiro eu pediria desculpas – muito pública e muito sinceramente – a todas as viúvas e órfãos, aos empobrecidos e torturados, e a todos os muitos milhões de outras vítimas do imperialismo estadunidense. Em seguida eu anunciaria que as intervenções internacionais dos Estados Unidos – inclusive os pavorosos bombardeios – haviam acabado. E informaria Israel de que ele não mais é o 51o. estado da União mas – por incrível que pareça – um país estrangeiro. Em seguida eu reduziria o orçamento militar em pelo menos 90% e usaria a economia resultante para pagar indenizações às vítimas e reparar os danos dos muitos bombardeios e invasões estadunidenses. Haveria dinheiro mais do que suficiente. Sabem vocês a que é igual, em um ano, o orçamento militar dos Estados Unidos? É igual a mais de $20.000 dólares por hora para cada hora desde que Jesus Cristo nasceu.
“That’s what I’d do on my first three days in the White House. On the fourth day, I’d be assassinated.”
“Isso é o que eu faria em meus três primeiros dias na Casa Branca. No quarto dia, eu seria assassinado.”
Thus, Osama bin Laden was clearly making use of what I wrote, and the whole world heard it. And I was thus clearly “aiding the enemy”. But I was not prosecuted.
Portanto, Osama bin Laden estava claramente fazendo uso do que escrevi, e o mundo inteiro ouviu. E portanto eu estava claramente “ajudando o inimigo”. Entanto, não fui processado.
The United States would like to prove a direct use and benefit by “the enemy” of the material released by Wikileaks; but so far it appears that only possession might be proven. In my case the use, and presumed propaganda benefit, were demonstrated. The fact that I wrote the material, as opposed to “stealing” it, is irrelevant to the issue of aiding the enemy. I knew, or should have known, that my criticisms of US foreign policy could be used by the foes of those policies. Indeed, that’s why I write what I do. To provide ammunition to anti-war and other activists.
Os Estados Unidos gostariam de provar uso e benefício diretos, pelo “inimigo,” do material divulgado pelo Wikileaks; até agora, porém, parece que só poderia ser provada a posse. No meu caso o uso, e presumido benefício de propaganda, ficaram patentes. O fato de eu ter escrito o material, em contraste com  “furtá-lo,” é irrelevante para a questão de ajudar o inimigo. Eu sabia, ou deveria saber, que minhas críticas à política interna dos Estados Unidos poderiam ser usadas por inimigos/oponentes dessas políticas. Na verdade, é por isso que escrevo o que escrevo. Para dar munição para ativistas contrários à guerra e para outros ativistas.


No comments:

Post a Comment