Friday, February 15, 2013

The Anti-Empire Report #113 - Afghanistan: Manufacturing the American Legacy


English
Português
Official website of the author, historian, and U.S. foreign policy critic.
Website oficial do autor, historiador e crítico da política externa dos Estados Unidos.
The Anti-Empire Report #113
O Relatório Anti-Império No. 113

By William Blum – Published February 7th, 2013
Por William Blum – Publicado em 7 de fevereiro de 2013
Afghanistan: Manufacturing the American Legacy
Afeganistão: O Ludíbrio do Legado Estadunidense
“A decade ago, playing music could get you maimed in Afghanistan. Today, a youth ensemble is traveling to the Kennedy Center and Carnegie Hall. And it even includes girls.”
“Há uma década, tocar música, no Afeganistão, podia fazer com que você fosse mutilado. Hoje, um conjunto musical de jovens viaja para o Centro Kennedy e para o Carnegie Hall. E é integrado inclusive por moças.”
Thus reads the sub-heading of a Washington Post story of February 3 about an orchestra of 48 Afghan young people who attended music school in a country where the Taliban have tried to silence both women and music. “The Afghan Youth Orchestra is more than a development project,” the article informs us. For “the school’s many international donors, it serves as a powerful symbol of successful reconstruction in Afghanistan. And by performing in Washington and New York, the seats of U.S. political and financial power, the orchestra hopes to showcase what a decade of investment has achieved.”
Assim diz o subtítulo de um artigo de 3 de fevereiro do Washington Post acerca de uma orquestra de 48 jovens afegãos que cursaram música num país onde o Talibã tentara silenciar tanto mulheres quanto música. “A Orquestra Jovem Afegã é mais do que um projeto inovador,” informa-nos o artigo. Para “os muitos doadores internacionais da escola, ela funciona como poderoso símbolo da bem-sucedida reconstrução do Afeganistão. E mediante apresentar-se em Washington e New York, as sedes do poderio político e financeiro dos Estados Unidos, a orquestra espera mostrar o que uma década de investimento realizou.”
“The U.S. State Department, the World Bank, the Carnegie Corporation and Afghanistan’s Ministry of Education have invested heavily in the tour. The U.S. Embassy in Kabul awarded nearly $350,000 footing most of the estimated $500,000 cost. For international donors, the tour symbolizes progress in a country crippled by war.”
“O Departamento de Estado dos Estados Unidos, o Banco Mundial, a Corporação Carnegie e o Ministério da Educação do Afeganistão investiram pesadamente nessa excursão. A Embaixada dos Estados Unidos em Cabul contribuiu com cerca de $350.000 dólares, bancando a maior parte do custo estimado de $500.000 dólares. Para doadores internacionais, a excursão simboliza progresso num país destroçado pela guerra.”
The State Department’s director of communications and public diplomacy for Afghanistan and Pakistan declares: “We wanted Americans to understand the difference their tax dollars have made in building a better future for young people, which translates into reduced threats from extremists in the region.”
O diretor de comunicações e de diplomacia pública do Departamento de Estado para Afeganistão e Paquistão declara: “Desejamos que os estadunidenses entendam a diferença que seus dólares de contribuintes fizeram na construção de um futuro melhor para os jovens, o que se traduz em redução da ameaça proveniente dos extremistas daquela região.”
“There’s a lot of weariness in the U.S. and cynicism about Afghanistan,” said William Harvey, an American violinist who teaches at the school, where 35 of 141 students are girls. “What are we doing there? What can be achieved? These concerts answer those questions in the strongest way possible: Cooperation between Afghanistan and the international community has made it safe for young girls and boys to learn music.”
“Há muito descorçoamento nos Estados Unidos, e muito cinismo acerca do Afeganistão,” disse William Harvey, violinista estadunidense que ensina na escola, onde 35 dos 141 estudantes são do sexo feminino. “O que estamos fazendo lá? O que pode ser realizado? Estes concertos respondem a essas perguntas da maneira mais taxativa possível: Cooperação entre o Afeganistão e a comunidade internacional tornou seguro para garotas e garotos aprenderem música.”
There can be no question that for the sad country of Afghanistan all this is welcome news. There can also be little doubt that a beleaguered and defensive US foreign policy establishment will seek to squeeze out as much favorable publicity as possible from these events. On the issue of the severe oppression of women and girls in Afghanistan, defenders of the US occupation of that desperate land would have you believe that the United States is the last great hope of those poor females. However, you will not be reminded that in the 1980s the United States played an indispensable role in the overthrow of a secular and relatively progressive Afghan government, one which endeavored to grant women much more freedom than they’ll ever have under the current Karzai-US government, more probably than ever again. Here are some excerpts from a 1986 US Army manual on Afghanistan discussing the policies of this government concerning women:
É indiscutível que para o triste país do Afeganistão tudo isso é notícia bem-vinda. Também é quase indubitável que uma liderança de política externa dos Estados Unidos acuada e defensiva procurará extrair tanta publicidade favorável desses eventos quanto possível. No tocante a severa opressão de mulheres e garotas no Afeganistão, defensores da ocupação daquele desesperado país tentarão fazer-nos crer que os Estados Unidos são a grande última esperança daquelas pobres pessoas do sexo feminino. Entretanto, não nos será lembrado que nos anos 1980 os Estados Unidos desempenharam papel imprescindível na derrubada de um governo afegão secular e relativamente progressista, que se empenhava em dar às mulheres muito mais liberdade do que elas jamais terão no atual governo Karzai-Estados Unidos, muito provavelmente mais do que elas jamais virão a ter novamente. Eis aqui alguns excertos de um manual do Exército dos Estados Unidos de 1986 discutindo as políticas de referido governo a respeito das mulheres:
“provisions of complete freedom of choice of marriage partner, and fixation of the minimum age at marriage at 16 for women and 18 for men”
“cláusulas de completa liberdade de escolha de parceiro para casamento, e fixação de idade mínima de casamento de 16 anos para mulheres e 18 para homens”
“abolished forced marriages”
“abolidos os casamentos forçados”
“bring [women] out of seclusion, and initiate social programs”
“tirar [as mulheres] do isolamento, e iniciar programas sociais”
“extensive literacy programs, especially for women”
“amplos programas de alfabetização, especialmente para mulheres”
“putting girls and boys in the same classroom”;
“colocar meninas e meninos nas mesmas salas de aula”;
“concerned with changing gender roles and giving women a more active role in politics”. 3
“preocupado em modificar os papéis dos sexos, e dar às mulheres papel mais ativo na política”. 3
The US-led overthrow of this government paved the way for the coming to power of Islamic fundamentalist forces, which led directly to the awful Taliban. And why did the United States in its infinite wisdom choose to do such a thing? Because the Afghan government was allied with the Soviet Union and Washington wanted to draw the Russians into a hopeless military quagmire – “We now have the opportunity of giving to the Soviet Union its Vietnam War”, said Zbigniew Brzezinski, President Carter’s National Security Adviser. 4
A derrubada desse governo, liderada pelos Estados Unidos, criou condições para a ascensão ao poder das forças fundamentalistas islâmicas, o que levou diretamente ao execrável Talibã. E por que os Estados Unidos, em sua infinita sabedoria, entenderam de fazer isso? Porque o governo afegão era aliado da União Soviética e Washington queria atrair os russos para um atoleiro militar sem saída – “Agora temos a oportunidade de dar à União Soviética sua Guerra do Vietnã”, disse Zbigniew Brzezinski, Assessor de Segurança Nacional do Presidente Carter. 4
The women of Afghanistan will never know how the campaign to raise them to the status of full human beings would have turned out, but this, some might argue, is but a small price to pay for a marvelous Cold War victory.
As mulheres do Afeganistão nunca saberão qual teria sido o resultado do plano de guindá-las à condição de seres humanos plenos, mas isso, poderão argumentar alguns, é apenas um pequeno preço a pagar por uma esplêndida vitória na Guerra Fria. 
3. US Department of the Army, Afghanistan, A Country Study (1986), pp.121, 128, 130, 223, 232 (Library of Congress Call Number DS351.5 .A34 1986
3. Departamento do Exército dos Estados Unidos, Afeganistão, Estudo de Campo (1986), pp.121, 128, 130, 223, 232 (Biblioteca do Congresso Número de Localização DS351.5 .A34 1986


No comments:

Post a Comment