Saturday, January 19, 2013

C4SS - A (Brief) People's History of Gun Control


ENGLISH
PORTUGUÊS
CENTER FOR A STATELESS SOCIEY
CENTRO POR UMA SOCIEDADE SEM ESTADO
building public awareness of left-wing market anarchism
pela consciência pública do anarquismo esquerdista de mercado
A (Brief) People’s History of Gun Control
(Breve) História Popular do Controle de Armas de Fogo
Posted by Kevin Carson on Jan 17, 2013 in Commentary
Afixado por Kevin Carson em 17 de janeiro de 2013 em Commentary
From its very beginning, gun control — the attempt to regulate the possession of means of self-defense by the ordinary populace — has been closely associated with class rule and the class state.
Desde bem em seu começo, o controle de armas de fogo — a tentativa de regular a posse de meios de autodefesa pela população ordinária — esteve intimamente associada a domínio de classe e a estado de classes.
In early modern England, regulation of firearm ownership was closely intertwined with the struggle by the landed classes and capitalist agriculture to restrict the laboring classes’ access to independent subsistence from the land. This included enclosure of common woodland, fen and waste — in which landless and land-poor peasants had previously hunted small game — for sheep pasturage or arable land. It also included exclusion of the common people from forests via the Game Laws and restriction of hunting to the gentry.
No início da Inglaterra moderna, a regulação da propriedade de armas de fogo estava intimamente entrelaçada com o empenho das classes fundiárias e da agricultura capitalista para restringir o acesso das classes trabalhadoras a subsistência independente oriunda da terra. Esse empenho incluiu o cerco de terras de floresta, paul e ermo — onde camponeses sem terra e sem meios de beneficiar a terra antes caçavam pequenos animais selvagens — para pastagem para carneiros ou terra arável. Também incluiu exclusão das pessoas comuns de florestas, por meio das Leis de Restrição à Caça e permissão de caça somente a fidalgos.
Under the slaveocracy of the American south, firearm ownership was prohibited by Black Codes that regulated free blacks. And after Emancipation, whenever the old landed gentry managed to successfully assert its power against the Reconstruction regime, former slaves were disarmed by house-to-house patrols, either under the Black Codes or by such irregular bodies as the Klan.
Na escravocracia do sul estadunidense, a propriedade de armas de fogo foi proibida pelos Códigos dos Pretos, que regulavam os pretos livres. E, depois da Emancipação, sempre que a antiga aristocracia conseguia com sucesso afirmar seu poder contra o regime da Reconstrução, ex-escravos eram desarmados por patrulhas que iam de casa em casa, com base nos Códigos dos  Pretos ou então por meio de órgãos irregulares como a Klan.
The same was true of the Civil Rights struggle a century later, after World War II. In areas where armed self-defense efforts by civil rights activists were widespread, they significantly improved the balance of power against the Klan and other racist vigilante movements. Numerous armed self-defense groups — e.g. the Deacons for Defense and Justice, whose members used rifles and shotguns to repel attacks by white vigilantes in Louisiana in the 1960s — helped equalize the correlation of forces between civil rights activists and racists in many small towns throughout the south.
O mesmo era verdade do empenho visante a Direitos Civis um século depois, após a Segunda Guerra Mundial. Em áreas onde esforços armados de autodefesa de ativistas de direitos civis eram disseminados, eles melhoraram significativamente o equilíbrio do poder contra a Klan e outros movimentos de paramilitares racistas. Numerosos grupos armados de autodefesa — por exemplo os Diáconos pela Defesa e a Justiça, cujos membros usaram rifles e espingardas para repelir ataques de paramiliares brancos na Louisiana nos anos 1960 — ajudaram a equilibrar a correlação de forças entre ativistas de direitos civis e racistas em muitas pequenas cidades em todo o sul.
Especially notable was Robert Williams, who in 1957 organized an armed defense of the Monroe, NC NAACP chapter president’s home against a Klan raid and sent the vigilantes fleeing for their lives. Williams’s book Negroes With Guns later inspired Huey Newton, a founder of the Black Panthers Party.
Especialmente notável foi Robert Williams que, em 1957, organizou defesa armada da residência do presidente do capítulo da NAACP - Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor em Monroe, NC, contra uma incursão da Klan e fez os paramilitares fugirem para salvar a própria vida. O livro de Williams Negros com Armas de Fogo inspirou, mais tarde, Huey Newton, um dos fundadores do Partido Pantera Negra - BPP.
Speaking of the Black Panthers, no discussion of the origins of modern American gun control would be complete without recognizing their role in inspiring the modern right-wing gun control agenda.
Por falar nos Panteras Negras, nenhuma discussão acerca das origens do moderno controle de armas de fogo estadunidense seria completa sem reconhecer o papel daquele partido no inspirar a moderna agenda direitista de controle de armas de fogo.
Foreshadowing current groups like Copwatch and Cop Block, the Panthers in 1966 organized armed patrols of Oakland streets with rifles and shotguns, stopping to witness police interactions with local residents and provide information and offers of legal assistance when necessary.
Prenunciando grupos atuais como Copwatch ['policiando a polícia' - www.copwatch.com] e Cop Block ['distintivos não dão direitos adicionais' - www.copblock.org], os Panteras, em 1966, organizaram patrulhas armadas de ruas de Oakland com rifles e espingardas, parando para testemunhar interações da polícia com residentes locais, fornecendo informações e oferecendo assistência jurídica quando necessário.
In 1967 Republican state assemblyman Don Mulford of Oakland, a vocal enemy of the Berkeley Free Speech Movement and the Black Panthers, responded with a bill to prohibit publicly carrying firearms in California. The BPP’s Bobby Seale protested the bill by leading a Panther detachment, armed with .357 Magnums, 12-gauge shotguns and .45-caliber pistols, up the steps of the statehouse (“All right, brothers, we’re going inside”), through its doors, and into the public viewing area. There Seale read a statement denouncing Mulford’s bill as an attempt “at keeping the black people disarmed and powerless at the very same time that racist police agencies throughout the country are intensifying the terror and repression of black people,” and warning that “the time has come for black people to arm themselves against this terror before it is too late.”
Em 1967 o membro da assembleia legislativa do estado, o Republicano Don Mulford de Oakland, inimigo declarado do Movimento de Livre Expressão de Berkeley e dos Panteras Negras, reagiu com um projeto de lei para proibir porte em público de armas de fogo na Califórnia. Bob Seale, do BPP, protestou contra o projeto de lei mediante liderar um destacamento Pantera, armado com Magnums .357, espingardas de diâmetro 12 e pistolas de calibre .45, subindo as escadas da assembleia (“Tudo bem, irmãos, estamos entrando”), passando pelas portas, e chegando à área de visão pelo público. Ali Seale leu uma declaração denunciando o projeto de lei de Mulford como tentativa “de manter as pessoas pretas desarmadas e impotentes exatamente na hora em que órgãos racistas da polícia em todo o país estão intensificando o terror e a repressão às pessoas pretas,” e advertindo que “é chegada a hora de as pessoas pretas se armarem contra este terror antes que seja tarde demais.”
Mulford’s gun control bill was signed into law three months later by Governor Ronald Reagan.
O projeto de lei de Mulford de controle de armas de fogo foi transformado em lei três meses depois pelo Governador Ronald Reagan.
Irregular workers’ militias and armed defense formations played a significant role in labor history, both in the US and abroad. During the Copper Wars at the turn of the 20th century, the governors of several Rocky Mountain states instituted martial law — including door-to-door confiscation of firearms from workers’ homes and striker encampments. In some cases, as with the West Virginia Coal Wars and the Homestead strike, workers fought pitched battles against Pinkertons, state militia and sheriffs’ deputies.
Milícias irregulares de trabalhadores e formações de defesa armada desempenharam significativo papel na história do trabalho, tanto nos Estados Unidos quanto no exterior. Durante as Guerras do Cobre na virada do século 20, os governadores de diversos estados das Montanhas Rochosas instituíram lei marcial — inclusive confisco de porta em porta de armas de fogo de casas de trabalhadores e acampamentos de grevistas. Em alguns casos, como nas Guerras da Hulha de West Virginia e na greve de Homestead, os trabalhadores combateram em batalhas campais contra Pinkertons(*), milícias do estado e adjuntos de xerifes.

(*) Allan Pinkerton (1819-1884) foi detetive escocês-estadunidense que criou famosa Agência de Detetives a qual notabilizou-se por acabar com greves e frustrar esforços dos trabalhadores para se sindicalizarem. Ver Wikipedia, Pinkerton Government Services.
In Spain it was largely owing to workers’ militias, organized under the auspices of the CNT trade union federation and the parties of the Left, that Franco’s July 1936 coup attempt failed. In the areas of southern and eastern Spain where Franco’s forces failed to carry the day, workers’ militias often played a decisive role. In some areas armed workers drove Franco’s troops back into their barracks after pitched battles and burned them alive inside.
Na Espanha, foi em grande parte graças a milícias de trabalhadores, organizadas sob os auspícios da federação de sindicatos de trabalhadfores CNT e dos partidos da Esquerda, que a tentativa de golpe de Franco em julho de 1936 falhou. Nas áreas de sul e leste de Espanha, onde as forças de Franco não conseguiram vencer, milícias de trabalhadores amiúde desempenharam papel decisivo. Em algumas áreas trabalhadores armados fizeram as tropas de Franco recuarem para seus alojamentos depois de batalhas campais e queimaram-nas vivas lá dentro.
From its beginnings the state has been an executive committee of the economic ruling class and an instrument of armed force by the owners of the means of production, enabling them to extract surplus labor from the rest of us. I can’t imagine why anyone would expect the state’s gun control policies to display any less of a class character than other areas of policy. Regardless of the “liberal” or “progressive” rhetoric used to defend gun control, you can safely bet it will come down harder on the cottagers than on the gentry, harder on the workers than on the Pinkertons, and harder on the Black Panthers than on murdering cops.
Desde seu início o estado tem sido comissão executiva da classe dominante econômica e instrumento da força armada pelos donos dos meios de produção, habilitando-os a extrair excedente de trabalho do resto de nós. Não consigo imaginar por que alguém esperaria que as políticas de controle de armas de fogo do estado exibissem menos caráter de classe do que outras áreas de políticas. Independentemente da retórica “liberal” ou “progressista” usada para defender o controle de armas de fogo, podemos sem medo de errar apostar que ele será mais duro para os moradores de casas de lavrador do que para a aristocracia, mais duro para os trabalhadores do que para os Pinkertons, e mais duro para os Panteras Negras do que para policiais assassinos.
Kevin Carson is a senior fellow of the Center for a Stateless Society (c4ss.org) and holds the Center's Karl Hess Chair in Social Theory. He is a mutualist and individualist anarchist whose written work includes Studies in Mutualist Political Economy, Organization Theory: A Libertarian Perspective, and The Homebrew Industrial Revolution: A Low-Overhead Manifesto, all of which are freely available online. Carson has also written for such print publications as The Freeman: Ideas on Liberty and a variety of internet-based journals and blogs, including Just Things, The Art of the Possible, the P2P Foundation, and his own Mutualist Blog.
Kevin Carson é membro graduado do Centro por uma Sociedade sem Estado (c4ss.org) e titular da  Cátedra Karl Hess em Teoria Social do Centro. É mutualista e anarquista individualista cuja obra escrita inclui Estudos em Economia Política Mutualista, Teoria da Organização: Uma Perspectiva Libertária, e A Revolução Industrial Gestada em Casa: Manifesto de Baixo Overhead, todos disponíveis grátis online. Carson tem também escrito para publicações impressas como O Homem Livre: Ideias acerca de Liberdade e para várias publicações e blogs da internet, inclusive Apenas Coisas, A Arte do Possível, a Fundação P2P, e seu próprio Blog Mutualista.





No comments:

Post a Comment