Sunday, December 16, 2012

The Anti-Empire Report - The United Nations vote on the Cuba embargo — 21 years in a row


English
Português
The Anti-Empire Report
O Relatório Anti-Império
December 11th, 2012
11 de dezembro de 2012
by William Blum
por William Blum
The United Nations vote on the Cuba embargo — 21 years in a row
A votação do embargo a Cuba nas Nações Unidas — 21 anos seguidos
For years American political leaders and media were fond of labeling Cuba an "international pariah". We don't hear that any more. Perhaps one reason is the annual vote in the United Nations General Assembly on the resolution which reads: "Necessity of ending the economic, commercial and financial embargo imposed by the United States of America against Cuba". This is how the vote has gone (not including abstentions):
Durante anos líderes políticos e mídia estadunidenses comprazeram-se em rotular Cuba de "pária internacional". Não mais ouvimos isso. Talvez um dos motivos seja a votação anual na Assembleia Geral das Nações Unidas da resolução que reza: "Necessidade de acabar com o embargo econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América a Cuba". Eis como tem sido a votação (não incluídas abstenções):
Year    Votes (Yes-No)          No Votes


Ano    Votos (Sim-Não)      Votos Não
1992    59-2                           US, Israel
1992   59-2                           EUA, Israel
1993    88-4                           US, Israel, Albania, Paraguay
1993   88-4                           EUA, Israel, Albânia, Paraguai
1994
    101-2
                         US, Israel
1994   101-2                         EUA, Israel
1995    117-3                         US, Israel, Uzbekistan
1995   117-3                         EUA, Israel, Uzbequistão
 1996   138-3                         US, Israel, Uzbekistan
1996   138-3                         EUA, Israel, Uzbequistão
1997    143-3                         US, Israel, Uzbekistan
1997   143-3                         EUA, Israel, Uzbequistão
1998    157-2                         US, Israel
1998   157-2                         EUA, Israel
1999    155-2                         US, Israel
1999   155-2                         EUA, Israel
2000    167-3                         US, Israel, Marshall Islands
2000   167-3                         EUA, Israel, Ilhas Marshall
2001    167-3                         US, Israel, Marshall Islands
2001   167-3                         EUA, Israel, Ilhas Marshall
2002    173-3                         US, Israel, Marshall Islands
2002   173-3                         EUA, Israel, Ilhas Marshall
2003    179-3                         US, Israel, Marshall Islands
2003   179-3                         EUA, Israel, Ilhas Marshall 
2004    179-4                         US, Israel, Marshall Islands, Palau
2004   179-4                         EUA, Israel, Ilhas Marshall, Palau
2005    182-4                         US, Israel, Marshall Islands, Palau
2005   182-4                         EUA, Israel, Ilhas Marshall, Palau
2006    183-4                         US, Israel, Marshall Islands, Palau
2006   183-4                         EUA, Israel, Ilhas Marshall, Palau
2007    184-4                         US, Israel, Marshall Islands, Palau
2007   184-4                         EUA, Israel, Ilhas Marshall, Palau
2008    185-3                         US, Israel, Palau
2008   185-3                         EUA, Israel, Palau
2009    187-3                         US, Israel, Palau
2009   187-3                         EUA, Israel, Palau
2010    187-2                         US, Israel
2010   187-2                         EUA, Israel
2011    186-2                         US, Israel
2011   186-2                         EUA, Israel
2012    188-3                         US, Israel, Palau
2012   188-3                         EUA, Israel, Palau
Each fall the UN vote is a welcome reminder that the world has not completely lost its senses and that the American empire does not completely control the opinion of other governments.
Todo outono a votação nas Nações Unidas é bem-vindo lembrete de que o mundo não perdeu completamente a sanidade e que o império estadunidense não controla completamente a opinião dos outros governos.
How it began: On April 6, 1960, Lester D. Mallory, US Deputy Assistant Secretary of State for Inter-American Affairs, wrote in an internal memorandum: "The majority of Cubans support Castro ... The only foreseeable means of alienating internal support is through disenchantment and disaffection based on economic dissatisfaction and hardship. ... every possible means should be undertaken promptly to weaken the economic life of Cuba." Mallory proposed "a line of action which ... makes the greatest inroads in denying money and supplies to Cuba, to decrease monetary and real wages, to bring about hunger, desperation and overthrow of government." 6 Later that year, the Eisenhower administration instituted the suffocating embargo against its eternally-declared enemy.
Como começou: Em 6 de abril de 1960, Lester D. Mallory, Secretário de Estado Assistente Adjunto dos Estados Unidos para Assuntos Interamericanos, escreveu num memorando interno: "A maioria dos cubanos apoia Castro ... O único meio previsível de alienar apoio interno é por meio de desencanto e hostilidade baseados em insatisfação e agrura econômica. ... todo meio possível deve ser utilizado de imediato para debilitar a vida econômica de Cuba." Mallory propôs "uma linha de ação que ... cause o maior estrago negando dinheiro e suprimentos para Cuba, a fim de fazer decrescer salários monetários e reais, causar fome, desespero e derrubada do governo." 6 Mais tarde naquele ano, a administração Eisenhower instituiu o sufocante embargo contra sua eternamente declarada inimiga.
Notes
Notas
6. Department of State, Foreign Relations of the United States, 1958-1960, Volume VI, Cuba (1991), p.885
6. Departmento de Estado, Relações Externas dos Estados Unidos, 1958-1960, Volume VI, Cuba (1991), p.885
William Blum left the State Department in 1967, abandoning his aspiration of becoming a Foreign Service Officer, because of his opposition to what the United States was doing in Vietnam. He then became one of the founders and editors of the Washington Free Press Mr.  Blum has been a freelance journalist in the United States, Europe, and South America and was one of the recipients   of Project Censored’s awards for “exemplary journalism” in 1999. He is the author of numerous books, including: Freeing the World to Death: essays on the American EmpireKilling Hope: U.S. Military and C.I.A. Interventions Since World War II, and Rogue State: A Guide to the World’s Only Superpower. Mr. Blum writes a free monthly newsletter, the Anti-Empire Report, which you may subscribe to by contacting him at via e-mail. Visit his website at: www.killinghope.org. Contact him at: bblum@aol.com. Read articles by William Blum.
www.foreignpolicyjournal.com
William Blum deixou o Departamento de Estado em 1967, abandonando sua aspiração   de tornar-se Autoridade de Serviço Exterior por causa de sua oposição ao que os Estados Unidos estavam fazendo no Vietnã. Tornou-se então um dos fundadores e editores do Imprensa Livre de Washington. O Sr. Blum atuado como jornalista autônomo em Estados Unidos, Europa e América do Sul e foi um dos recebedores dos prêmios de Projetos Censurados de “jornalismo exemplar” em 1999. É autor de numerosos livros, incluindo: 
A Libertação do Mundo para a Morte: ensaios acerca do Império EstadunidenseAssassínio da Esperança: Intervenções da Instituição Militar dos Estados Unidos e da C.I.A. desde a Segunda Guerra Mundial, e Estado Sem Escrúpulos: Guia Referente à Única Superpotência do Mundo. O Sr. Blum escreve um boletim mensal grátis, o Relatório Anti-Império, que você pode subscrever entrando em contato com ele via email. Visite o website dele em: www.killinghope.org. Entre em contato com ele via: bblum@aol.com. Leia artigos de William Blum
William Blum is the author of:
William Blum é autor de:
- Killing Hope: US Military and CIA Interventions Since World War 2
- A Morte da Esperança: A Instituição Militar dos Estados Unidos e as Intervenções da CIA Desde a Segunda Guerra Mundial
- Rogue State: A Guide to the World's Only Superpower
- Estado Sem Escrúpulos: Guia Para a Única Superpotência do Mundo
- West-Bloc Dissident: A Cold War Memoir
- Dissidente do Bloco Ocidental: Uma Memória da Guerra Fria
Freeing the World to Death: Essays on the American Empire
- Libertação do Mundo para a Morte: Ensaios Acerca do Império Estadunidense
Portions of the books can be read, and signed copies purchased, at www.killinghope.org
Porções dos livros podem ser lidas, e comprados exemplares assinados, em www.killinghope.org
To add yourself to this mailing list simply send an email to bblum6 [at] aol.com with "add" in the subject line. I'd like your name and city in the message, but that's optional. I ask for your city only in case I'll be speaking in your area.
Para entrar nesta lista de destinatários simplesmente mande email pra bblum6 [at] aol.com com "add" na linha de assunto. Gostaria de seu nome e cidade na mensagem, mas isso é opcional. Peço sua cidade apenas caso esteja fazendo palestras em sua área.
(Or put "remove" in the subject line to do the opposite.)
(Ou escreva "remove" na linha de assunto para fazer o contrário.)
Any part of this report may be disseminated without permission. I'd appreciate it if the website were mentioned.
Qualquer parte deste relatório pode ser disseminada sem permissão. Ficarei agradecido se o website for mencionado.







No comments:

Post a Comment