Monday, November 5, 2012

C4SS - Our Present Attitude


Center for a Stateless Society
Centro por uma Sociedade sem Estado
building public awareness of left-wing market anarchism
na construção da consciência pública do anarquismo esquerdista de mercado
Our Present Attitude
Nossa Presente Atitude
Posted by James Tuttle on Sep 1, 2012 in Left-Libertarian - Classics
Afixado por James Tuttle em 1o. de setembro de 2012 em Libertário de Esquerda - Clássicos
The following article was written by Voltairine de Cleyre and published in Mother Earth, 1908.
O artigo a seguir foi escrito por Voltairine de Cleyre e publicado em Mãe Terra, 1908.
[o primeiro link citado leva à biografia de Voltairine de Cleyre em inglês, na Wikipedia; na página, à esquerda, há uma lista de línguas, inclusive Português]
The present organization of society, working logically and inexorably, has brought about a situation which both Socialists and Anarchists have all along foreseen and foretold. It was no more to be avoided than the leap of Niagara is to be avoided, when once the headwaters start on their outward course to the sea.
A presente organização da sociedade, funcionando lógica e inexoravelmente, levou a situação que tanto socialistas quanto anarquistas haviam desde o começo antevisto e vaticinado. Não era mais evitável do que o salto do Niagara poderia sê-lo ao seus tributários iniciarem curso rumo ao mar.
Those who imagine that industrial conditions can be made or unmade by this or that inadequate legal patchwork, find themselves in the midst of a frightful boiling of irreconcilable elements, which they weakly and childishly try to explain by some trivial reason, such as the attitude of this or that politician, or this or that capitalist, or by some single political move (such as protection without restriction of immigration), or by the wickedness of human nature, or by blaming the “calamity press,” or by the will of God, and so on. The condition is so terrible that somehow they are compelled  to “sit up and take notice”; but they do not perceive that it is the inevitable result of the whole politico-economic lie that man can be free and the institution of property continue to exist.
Aqueles que imaginam que as condições industriais podem ser feitas ou desfeitas por esta ou aquela colcha de retalhos jurídica inadequada flagram-se no meio de assustadora ebulição de elementos irreconciliáveis, que débil e infantilmente tentam explicar por meio de algum raciocínio trivial tal como a atitude deste ou daquele político, ou deste ou daquele capitalista, ou de alguma manobra política isolada (por exemplo a proteção sem restrições à imigração), ou da maldade da natureza humana, ou mediante responsabilizarem a  “imprensa sensacionalista,” ou a vontade de Deus, e assim por diante. As condições são tão terríveis que de algum modo eles são compelidos a ter sua atenção chamada para o fato; não percebem, porém, que esse é o inevitável resultado da rematada mentira política-econômica de que o homem pode ser livre e a instituição da propriedade continuar a existir.
I wish a sharp distinction made between the legal institution of property, and property in the sense that what a man definitely produces by his own labor is his own. It is the legal institution of property which has produced this condition, in which the elemental cries of humanity are swelling up in a frightful discordant chorus, because the elemental needs of humanity are being denied, – and denied to masses of men.
Desejo estabelecer aguda distinção entre a instituição jurídica da propriedade e a propriedade no sentido de que o que um homem claramente produz por meio de seu próprio trabalho pertence a ele. É a instituição jurídica da propriedade que produziu esta condição, na qual os gritos primários da humanidade estão-se agigantando num pavoroso coro discordante, porque as necessidades primárias da humanidade estão-lhe sendo negadas – e negadas a massas de homens.
Now, what has happened and what must continue to happen? The people in whom Christian ethical instincts predominate are starving and dying in corners; the people in whom natural instincts predominate over ordinary rules of action are stealing in preference to starving; the jails, the courts, the prisons, are full of these victims of social injustice, who, under free conditions, would be active, energetic, useful people. And still the streets are full of beggars for the means of life.
Ora bem, o que aconteceu e o que terá de continuar a acontecer? As pessoas nas quais instintos éticos cristãos predominam estão esfomeadas e morrendo nas esquinas; as pessoas nas quais instintos naturais predominam acima das regras ordinárias de ação estão furtando como alternativa a morrer de fome; as celas, os tribunais, as prisões, estão cheios dessas vítimas da injustiça social que, em condições de liberdade, seriam pessoas ativas, enérgicas e úteis. E ademais as ruas estão cheias de pedintes mendigando o essencial à vida.
Now, in times like these, wild outbursts of desperation must be expected. It is not the business of Anarchists to preach wild and foolish acts, – acts of violence. For, truly, Anarchism has nothing in common with violence, and can never come about save through the conquest of men’s minds. But when some desperate and life-denied victim of the present system does strike back at it, by violence, it is not our business to heap infamies upon his name, but to explain him as we explain others, whether our enemies or our friends, as the fated fruit of the existing “order.”
Pois bem, em tempos como estes, são de esperar acessos violentos de desespero. Não cabe aos anarquistas pregar atos desatinados e insensatos – atos de violência. Pois, verdadeiramente, o anarquismo nada tem em comum com a violência, e só conseguirá prevalecer a partir da conquista das mentes dos homens. Quando porém alguma vítima do presente sistema, desesperada e com a vida arruinada, reage a ele, com violência, não nos compete amontoar infâmias sobre o nome dela, e sim explicar essa pessoa, assim com explicamos outras, quer nossas inimigas ou amigas, como fruto inevitável da “ordem” existente.
We must expect that such people will be called Anarchists, in advance. No matter what they themselves say, no matter what we say, the majority of people will believe they acted not as desperate men, but as theoretical Anarchists. Such has been the fate of every new idea which sought to penetrate the human mind and to uplift it; the sins of the existing order were blamed at its door, and every calumny that rage and fear could invent was heaped upon it. This is an old, old story.
Temos de esperar, desde já, que essas pessoas venham a ser rotuladas de anarquistas. Não importa o que elas próprias digam, não importa o que nós digamos, a maioria das pessoas acreditará que elas agiram não como homens desesperados, e sim como anarquistas teóricos. Tal tem sido o destino de toda nova ideia que buscou penetrar a mente humana e elevá-la; os pecados da ordem existente foram atribuídos à sua chegada, e toda calúnia que fúria e medo podem inventar foi amontoada sobre ela. Essa é uma história muito, muito antiga.
Well, what of it? If this is the price to be paid for an idea, then let us pay. There is no need of being troubled about it, afraid, or ashamed. This is the time to stand up boldly and say, “Yes, I believe in the displacement of this system of injustice by a just one; I believe in the end of starvation, exposure, and the crimes caused by them; I believe in the human soul regnant over all laws which man has made or will make; I believe there is no peace now, and there never will be peace, so long as man rules over man; I believe in the total disintegration and dissolution of the principle and practice of authority; I am an Anarchist, and if for this you condemn me, I stand ready to receive your condemnation.”
Bem, e daí? Se esse é o preço a ser pago por uma ideia, paguemo-lo. Não há necessidade de ficarmos ansiosos com isso, ou com medo, ou envergonhados. Esta é a época de levantar-se de modo intrépido e dizer:  “Sim, eu acredito na substituição desse sistema de injustiça por um sistema justo; acredito no fim da inanição, do ficar ao relento, e dos crimes causados por essas coisas; acredito na alma humana pontificando acima de todas as leis que o homem fez ou fará; acredito não haver paz hoje, e que nunca haverá paz, enquanto o homem governar o homem; acredito na total desintegração e dissolução do princípio e da prática da autoridade; sou anarquista, e se vocês me condenarem por isso, estou pronto para receber a condenação.”
It has been my experience that when you face an enemy and look him in the eyes, he will accord you far more respect than when you shuffle and shirk. And, moreover, you stand far more chance of convincing him, or the indifferent man at the side, by an open-eyed declaration than by any indirection. I say these things because I have been pained to see that in the present period of repression many of our comrades think and act otherwise. I am sure that most who thus act Peter and deny their Master, do it out of reasoned conviction, and not cowardice; but I am also sure that it is a very mistaken policy, and can have only wretched results.
Tem sido minha experiência que, quando encaramos um inimigo e o olhamos dentro dos olhos, ele nos respeita muito mais do que quando nos movemos nervosamente e nos esquivamos.  E, ademais, há muito maior probabilidade de convencê-lo, ou ao homem indiferente ao lado, com uma declaração de olhos abertos do que falando de maneira indireta. Digo essas coisas porque tenho tido a dor de ver no presente período de repressão muitos de nossos camaradas pensarem e agirem de maneira diferente. Estou certa de que a maioria daqueles que agem como Pedro e negam seu Mestre fazem-no a partir de convicção de bom senso, e não por covardia; mas também estou certa de que essa é uma política muito equivocada, que só pode trazer resultados infelizes.
Face and outface – for these are times when “valor is discretion.”
Encare e confronte  – pois estes são tempos nos quais “bravura é circunspecção.”



No comments:

Post a Comment