Wednesday, September 26, 2012

C4SS - Energy and Transportation Issues: A Libertarian Analysis [V.2]


ENGLISH
PORTUGUÊS
Center for a Stateless Society
Centro por uma Sociedade sem Estado
building public awareness of left-wing market anarchism
na construção da consciência pública do anarquismo esquerdista de mercado
Energy and Transportation Issues: A Libertarian Analysis
Questões de Energia e de Transporte: Análise Libertária
by Kevin Carson
por Kevin Carson
Center for a Stateless Society Paper No. 14 (Winter-Spring 2012)
Paper No. 14 do Centro por uma Sociedade sem Estado (Inverno-Primavera de 2012)
Continued
Continuação
IV. The Solution
IV. A Solução
Peak Oil
Pico do Petróleo
And given the prospect of fixed supplies of oil, the greater the anticipated future scarcity value of oil, the greater will be the rational incentive for terrorists to leverage their power by disrupting supply. The infrastructure for extracting and distributing oil is unprecedentedly fragile, precisely because of a decline in productive capacity. Between 1985 and 2001, OPEC's excess production capacity fell from 25% of global demand to 2%. In 2003, the International Energy Agency estimated available excess capacity was at its lowest level in thirty years.47
E dada a perspectiva de suprimentos fixos de petróleo, quando maior for o valor de escassez futuro previsto, maior será o incentivo racional para os terroristas alavancarem seu poder mediante causarem estragos no suprimento. A infraestrutura para extrair e distribuir petróleo é de fragilidade sem precedentes, precisamente por causa de declínio da capacidade produtiva. Entre 1985 e 2001, a capacidade de produção excedente da OPEP caiu de 25% da demanda global para 2%. Em 2003, a Agência Internacional de Energia avaliou que a capacidade de excedente disponível estava em seu nível mais baixo em trinta anos.47
According to Jeff Vail, speculative hoarding of petroleum and terrorist actions against oil pipelines are not alternative explanations in place of Peak Oil, but the results of a positive feedback process created by Peak Oil itself.
De acordo com Jeff Vail, o amealhamento especulativo de petróleo e ações terroristas contra tubulações de petróleo não são explicações alternativas em lugar do Pico do Petróleo, e sim o resultado de processo de feedback positivo/realimentação positiva criado pelo próprio Pico do Petróleo.
It is quite common to hear “experts” explain that the current tight oil markets are due to “above-ground factors,” and not a result of a global peaking in oil production. It seems more likely that it is geological peaking that is driving the geopolitical events that constitute the most significant “above-ground factors” such as the chaos in Iraq and Nigeria, the nationalization in Venezuela and Bolivia, etc. Geological peaking spawns positive feedback loops within the geopolitical system. Critically, these loops are not separable from the geological events—they are part of the broader “system” of Peak Oil.
É muito comum ouvir “especialistas” explicarem que os atuais mercados de petróleo, com mais procura do que oferta, apresentam essa característica por causa de “fatores acima do solo,” e não resultado de pico global da produção de petróleo. Parece mais provável que o pico geológico esteja causando os eventos geopolítocos que constituem os mais significativos “fatores acima do solo” tais como o caos no Iraque e na Nigéria, a nacionalização em Venezuela e Bolívia etc. Picos geológicos deflagram loops/laços de feedback positivo dentro do sistema geopolítico. Criticamente, esses loops/laços não são separáveis dos eventos geológicos — eles são parte do mais amplo “sistema” do Pico do Petróleo.
Existing peaking models are based on the logistics curves demonstrated by past peaking in individual fields or oil producing regions. Global peaking is an entirely different phenomenon—the geology behind the logistics curves is the same, but global peaking will create far greater geopolitical side-effects, even in regions with stable or rising oil production. As a result, these geopolitical side-effects of peaking global production will accelerate the rate of production decline, as well as increase the impact of that production decline by simultaneously increasing marginal demand pressures. The result: the right side of the global oil production curve will not look like the left…whatever logistics curve is fit to the left side of the curve (where historical production increased), actual declines in the future will be sharper than that curve would predict.
Os modelos de pico existentes estão baseados nas curvas logísticas reveladas por picos passados em campos individuais ou em regiões produtoras de petróleo. O pico global é fenômeno inteiramente diferente — a geologia por trás das curvas logísticas é a mesma, porém o pico global criará efeitos colaterais geopolíticos muito maiores, mesmo em regiões com produção estável ou em ascensão. Em decorrência, esses efeitos colaterais geopolíticos do pico da produção global acelerarão a taxa de declínio da produção, bem como aumentarão o impacto daquele declínio da produção ao simultaneamente aumentar as pressões de demanda marginal. O resultado: o lado direito da curva de produção global de petróleo não se parecerá com o esquerdo.. qual seja a curva logística adequada para o lado esquerdo da curva (onde a produção histórica aumentou), declínios reais no futuro serão mais agudos do que aquela curva preveja.
Here are five geopolitical processes, each a positive-feedback loop, and each an accelerant of declining oil production:
Eis aqui cinco processos geopolíticos, cada um um loop/laço de feedback positivo, e cada um um acelerador do declínio da produção de petróleo:
1. Return on Investment: Increased scarcity of energy, as well as increased prices, increase the return on investment for attacks that target energy infrastructure....
1. Retorno sobre Investimento: Aumento da escassez de energia, bem como preços mais altos, aumentam o retorno sobre o investimento de ataques tendo como alvo a infraestrutura de energia....
2. Mercantilism: To avoid the dawning “bidding cycles” between crude oil price increases and demand destruction, Nation-States are increasingly returning to a mercantilist paradigm on energy. This is the attitude of “there isn’t enough of it to go around, and we can’t afford to pay the market price, so we need to lock up our own supply....
2. Mercantilismo: Para evitar os nascentes “ciclos de lances” entre aumentos do preço do petróleo cru e a destruição da demanda, as Nações-Estados estão cada vez mais voltando a um paradigma mercantilista no tocante a energia. Essa é a atitude de “não há bastante para todo mundo, e não podemos pagar o preço de mercado, portanto temos de garantir/proteger nosso próprio suprimento....
3. “Export-Land” Model: Jeffrey Brown, a commentator at The Oil Drum, has proposed a geopolitical feedback loop that he calls the “export-land” model. In a regime of high or rising prices, a state’s existing oil exports brings in great revenues, which trickles into the state’s economy, and leads to increasing domestic oil consumption. This is exactly what is happening in most oil exporting states. The result, however, is that growth in domestic consumption reduces oil available for export....
3. Modelo “Exportação-Terra:” Jeffrey Brown, comentador de O Barril de Petróleo, propôs um loop/laço de feedback geopolítico que ele chama de modelo “exportação-terra.” Num regime de preços altos ou em ascensão, as exportações de petróleo já existentes de um estado aportam grande receita, a qual vaza para a economia do estado, e leva a crescente consumo doméstico de petróleo. Isso é exatamente o que está acontecendo na maioria dos estados exportadores de petróleo. O resultado, porém, é que o aumento do consumo doméstico reduz o petróleo disponível para exportação....
4. Nationalism: Because our Westphalian system is fundamentally broken, the territories of nations and states are rarely contiguous. As a result, it is often the case that a nation is cut out of the benefits from its host state’s oil exports.... As a result, nations or sectarian groups within states will increasingly agitate for a larger share of the pie.... This process will develop local variants on the tactics of infrastructure disruption, as well as desensitize energy firms to ever greater rents for the security of their facilities and personnel—both of which will drive the next loop….
4. Nacionalismo: Pelo fato de nosso sistema westfaliano estar fundamentalmente partido, os territórios de nações e estados raramente são contíguos. Em decorrência, acontece amiúde uma nação ficar excluída dos benefícios das exportações de petróleo de seu estado fornecedor.... Em decorrência, nações ou grupos sectários dentro de estados se movimentarão para conseguir fatia maior do bolo.... Esse processo desenvolverá variantes locais de táticas de estrago da infraestrutura, bem como tornará as firmas de energia mais frias na coleta de rentismo cada vez maior para segurança de suas instalações e de seu pessoal — fatores que, ambos, levarão ao próximo loop/laço….
5. Privateering: Nationalist insurgencies and economies ruined by the downslide of the “export-land” effect will leave huge populations with no conventional economic prospects. High oil prices, and the willingness to make high protection payments, will drive those people to become energy privateers. We are seeing exactly this effect in Nigeria, where a substantial portion of the infrastructure disruption is no longer carried out by politically-motivated insurgents, but by profit-motivated gangs....48
5. Corsarização: Insurgências nacionalistas e economias arruinadas pela piora do efeito “exportação-terra” deixarão enormes populações sem perspectivas econômicas convencionais. Alto preço do petróleo, e a disposição de pagar elevadas somas por proteção, impelirão essas pessoas para se tornarem corsárias de energia. Estamos vendo exatamente esse efeito na Nigéria, onde substancial porção da inflicção de estragos à infraestrutura não mais é levada a efeito por insurgentes politicamente motivados, e sim por quadrilhas motivadas por lucro....48
Mercantilism, in particular, probably goes a long way toward explaining America's invasion of Iraq and the Russian-American “Great Game” in Central Asia in recent years. The United States' post-9/11 drive for basing rights in the former Central Asian republics of the old USSR, and the rise of the Shanghai Cooperation Organization as a counterweight to American power, are clearly more meaningful in the light of the Caspian Sea basin oil reserves.
O mercantilismo, em particular, provavelmente explica em grande parte a invasão do Iraque pelos Estados Unidos e o “Grande Jogo” russo-estadunidense na Ásia Central em anos recentes. O impulso dos Estados Unidos posteriores ao 11/9 em busca de direitos de bases nas antigas repúblicas da Ásia Central da antiga URSS, e a ascensão da Organização de Cooperação de Xangai como contrapeso ao poderio estadunidense, são claramente mais inteligíveis à luz das reservas da bacia de petróleo do Mar Cáspio.
And the evidence is clear that price really is governed entirely by the fluctuation of demand, and that supply—at least on the upward side—is extremely inelastic. Just consider the movement of oil supplies after the price shock of the late '70s and early eighties to that of the past few years. As “transition town” movement founder Rob Hopkins points out, the supply of oil has increased little if any since 2005—fluctuating between 84 and 87 mbd—despite record price levels.49
E a evidência é clara de que o preço realmente é governado inteiramente pela flutuação da demanda, e a oferta — pelo menos no lado superior — é extremamente inelástica. Apenas considerem o movimento dos suprimentos de petróleo depois do choque de preços do final dos anos 1970 e início dos 1980 em comparação com o dos últimos anos. Como o fundador do movimento “cidadezinha de transição” Rob Hopkins destaca, o suprimento de petróleo aumentou pouco, se tanto, desde 2005 — flutuando entre 84 e 87 milhões de barris diários — a despeito de níveis recordes de preços.49
End of [V.2]
Fim de [V.2]
To be continued
Continua
47 Richard Heinberg, Powerdown (Gabriola Island, British Columbia: New Society Publishers, 2004), pp. 27-28.  
47 Richard Heinberg, Desligamento (Gabriola Island, British Columbia: New Society Publishers, 2004), pp. 27-28.  
48 Jeff Vail, “Five Geopolitical Feedback-Loops in Peak Oil,” JeffVail.Net, April 23, 2007  [Please see link in the original]
48 Jeff Vail, “Cinco Loops de Feedback Geopolítico no Pico do Petróleo,” JeffVail.Net, 23 de abril de 2007  [Por favor veja link no original]
49 Hopkins, The Transition Handbook, p. 22.  
49 Hopkins, O Manual de Transição, p. 22.  
C4SS (c4ss.org) Research Associate Kevin Carson is a contemporary mutualist author and individualist anarchist whose written work includes Studies in Mutualist Political EconomyOrganization Theory: A Libertarian Perspective, and The Homebrew Industrial Revolution: A Low-Overhead Manifesto, all of which are freely available online. Carson has also written for such print publications as The Freeman: Ideas on Liberty and a variety of internet-based journals and blogs, including Just Things, The Art of the Possible, the P2P Foundation and his own Mutualist Blog.
O Associado de Pesquisa do C4SS (c4ss.org) Kevin Carson é autor mutualista e anarquista individualista contemporâneo cuja obra escrita inclui Estudos em Economia Política MutualistaTeoria da Organização: Uma Perspectiva Libertária, e  A Revolução Industrial Gestada em Casa: Manifesto de Baixo Overhead, todos livremente disponíveis online. Carson também tem escrito para publicações tais como: O Homem Livre: Ideias acerca de Liberdade e diversos periódicos e blogs da internet, inclusive Apenas Coisas, A Arte do Possível, a Fundação P2P e seu próprio Blog Mutualista.

No comments:

Post a Comment