Wednesday, September 26, 2012

C4SS - Energy and Transportation Issues: A Libertarian Analysis [I.1]

ENGLISH
PORTUGUÊS
Center for a Stateless Society
Centro por uma Sociedade sem Estado
building public awareness of left-wing market anarchism
na construção da consciência pública do anarquismo esquerdista de mercado
Energy and Transportation Issues: A Libertarian Analysis
Questões de Energia e de Transporte: Análise Libertária
Posted by Kevin Carson on August 10, 2012 in Studies
Afixado por Kevin Carson em 10 de agosto de 2012 em Studies
Kevin Carson’s fourteenth research paper, Energy and Transportation Issues: A Libertarian Analysis, argues that “it is the state’s constraints on market freedom that have created an economy centered on long-distance shipping and the automobile-highway complex, and led to the geometrically snowballing consumption of subsidized energy inputs with declining net benefit. And it is market freedom—simply put, a society in which big business operates on its own nickel instead of the taxpayer teat—that will deliver us from our enslavement to this unholy monoculture.”
O décimo quarto paper de pesquisa de Kevin Carson, Questões de Energia e de Transporte: Análise Libertária argumenta que “são as restrições impostas pelo estado à liberdade do mercado que criaram uma economia centrada em embarques de longa distância e no complexo automóvel-rodovia, e levaram ao consumo de bola de neve em progressão geométrica de insumos de energia subsidiada com benefício líquido declinante. E será a liberdade de mercado — dizendo de modo simples, uma sociedade na qual as grandes empresas funcionem com seus próprios recursos em vez de recorrerem à teta do contribuinte — que nos libertará de nossa escravização a essa monocultura perversa.”
Energy and Transportation Issues: A Libertarian Analysis
Questões de Energia e de Transporte: Análise Libertária
by Kevin Carson
por Kevin Carson
Center for a Stateless Society Paper No. 14 (Winter-Spring 2012)
Paper No. 14 do Centro por uma Sociedade sem Estado (Inverno-Primavera de 2012)
Introduction
Introdução
The energy debate, typically, is framed in terms of state intervention to alter existing behavior, which is taken to be spontaneously arising.
O debate relativo a energia, normalmente, é formulado em termos de intervenção do estado para alterar comportamento existente, o qual é visto como de surgimento espontâneo.
Ivan Illich, in Energy and Equity,1 depicted the pathological overdevelopment of high-energy technologies as an example of the recurring theme of “counter-productivity” which he first elaborated in Tools for Conviviality.
Ivan Illich, em Energia e Equidade,1 retratou o superdesenvolvimento patológico das tecnologias de alta energia como exemplo do tema recorrente da “contraprodutividade” acerca do qual discorrera inicialmente em Ferramentas de Cordialidade.
At its first watershed, the adoption of a technology produces high levels of return. In the case of health, this includes measures like public sanitation, the eradication of rats, anaesthetics, sterile techniques, and basic antibiotics. At the second watershed, the technology is adopted beyond the point of counter-productivity, so that the the total marginal costs associated with its increased use outweigh the benefits.
No seu primeiro ponto de clivagem, a adoção de uma tecnologia produz alto nível de retorno. No caso da saúde, incluem-se aí medidas tais como saneamento público, erradicação de ratos, anestesia, técnicas de esterilização e antibióticos básicos. No segundo ponto de clivagem, a tecnologia é adotada além do ponto de contraprodutividade, de tal maneira que os custos marginais totais associados ao uso aumentado superam os benefícios.
When a technology reaches the second watershed and is adopted beyond the level of counter-productivity, it becomes what Illich called a “radical monopoly.” That is, it becomes a self-supporting social-technological complex that crowds out competing alternatives, and leaves many people in a position of involuntary reliance on it.
Quando uma tecnologia atinge o segundo ponto de clivagem e é adotada além do nível de contraprodutividade, torna-se o que Illich chamava de “monopólio radical.” Isto é, torna-se um complexo social-tecnológico autossustentado que inviabiliza alternativas competidoras, e deixa muitas pessoas em posição de dependência involuntária dele.
Illich's argument in Energy and Equity was that energy and transportation had reached that threshold. So the automobile-highway complex created a pattern of urban design suited to its own needs, based on suburban monoculture and commercial strips. In this environment the private automobile is a necessity, public transportation is impracticable for most people because of low population densities, and alternative methods like walking and bicycling are useless to those who can't afford cars.
A argumentgação de Illich em Energia e Equidade foi a de que energia e transporte haviam atingido aquele limiar. Assim, o complexo automóvel-rodovia criou um padrão de planejamento urbano adequado a suas próprias necessidades, baseado em monocultura suburbana e faixas comerciais. Nesse ambiente, o automóvel privado é uma necessidade, o transporte público é impraticável para a maioria das pessoas por causa de baixa densidade populacional, e métodos alternativos tais como andar e pedalar bicicleta não podem ser usados por aqueles que não possam ter carro.
Illich wrote from the implicit assumption that such high-energy technologies would inevitably crowd out the vernacular alternatives just by the nature of things, and leave ordinary people who previously relied on those vernacular technologies at the mercy of the new technologies.
Illich escreveu partindo da assunção implícita de que tais tecnologias de alta energia inevitavelmente inviabilizariam as alternativas vernáculas por causa da própria natureza das coisas, e colocariam pessoas que anteriormente dependiam dessas tecnologias vernáculas à mercê das novas tecnologias.
He called, consequently, for a socially imposed ceiling on energy use and tight legal controls on the adoption of high-energy technologies.
Em decorrência disso, ele preconizava teto socialmente imposto ao uso da energia e controles legais rigorosos no tocante à adoção de tecnologias de alta energia.
What is generally overlooked is that equity and energy can grow concurrently only to a point. Below a threshold of per capita wattage, motors improve the conditions for social progress. Above this threshold, energy grows at the expense of equity. Further energy affluence then means decreased distribution of control over that energy.
O que em geral é negligenciado é que igualdade e energia podem aumentar paralelamente apenas até certo ponto. Abaixo de um limiar de consumo em watts per capita, os motores melhoram as condições favoráveis a progresso social. Acima desse limiar, a energia aumenta a expensas da equidade. Mais afluência energética significará então decréscimo de distribuição de controle em relação a essa energia.
...This is the fact which must be theoretically recognized before a political issue can be made of the per capita wattage to which a society will limit its members....
... Esse é o fato que precisará ser reconhecido teoricamente antes de ser elaborada a questão política do consumo em watts per capita ao qual uma sociedade limitará seus membros....
...I argue that beyond a certain median per capita energy level, the political system and cultural context of any society must decay. Once the critical quantum of per capita energy is surpassed, education for the abstract goals of a bureaucracy must supplant the legal guarantees of personal and concrete initiative. This quantum is the limit of social order.
... Argumento que, além de certo nível mediano de energia per capita, o sistema político e o contexto cultural de qualquer sociedade necessariamente se deteriorarão. Uma vez ultrapassado o quantum crítico de energia per capita, a educação voltada para objetivos abstratos de uma burocracia necessariamente suplantará as garantias legais da iniciativa pessoal e concreta. Esse quantum é o limite da ordem social.
I will argue here that technocracy must prevail as soon as the ratio of mechanical power to metabolic energy oversteps a definite, identifiable threshold.
Argumentarei aqui que, no momento em que a proporção de poder mecânico em relação a energia metabólica exceda limiar definido identificável, a tenocracia necessariamente passará a prevalecer.
End of [I.1]
Fim de [I.1]
To be continued
Continua
1 Ivan Illich, Energy and Equity (1973) .  
1 Ivan Illich, Energia e Igualdade (1973) .  
C4SS (c4ss.org) Research Associate Kevin Carson is a contemporary mutualist author and individualist anarchist whose written work includes Studies in Mutualist Political EconomyOrganization Theory: A Libertarian Perspective, and The Homebrew Industrial Revolution: A Low-Overhead Manifesto, all of which are freely available online. Carson has also written for such print publications as The Freeman: Ideas on Liberty and a variety of internet-based journals and blogs, including Just Things, The Art of the Possible, the P2P Foundation and his own Mutualist Blog.
O Associado de Pesquisa do C4SS (c4ss.org) Kevin Carson é autor mutualista e anarquista individualista contemporâneo cuja obra escrita inclui Estudos em Economia Política MutualistaTeoria da Organização: Uma Perspectiva Libertária, e  A Revolução Industrial Gestada em Casa: Manifesto de Baixo Overhead, todos livremente disponíveis online. Carson também tem escrito para publicações tais como: O Homem Livre: Ideias acerca de Liberdade e diversos periódicos e blogs da internet, inclusive Apenas Coisas, A Arte do Possível, a Fundação P2P e seu próprio Blog Mutualista.





No comments:

Post a Comment