Thursday, August 23, 2012

C4SS - Communal Property: A Libertarian Analysis [III.5]


ENGLISH
PORTUGUÊS
Center for a Stateless Society
Centro por uma Sociedade Sem Estado
building awareness of the market anarchist alternative
na construção da consciência da alternativa anarquista de mercado
Communal Property: A Libertarian Analysis
Propriedade Comunal: Análise Libertária
By Kevin A. Carson
Por Kevin A. Carson
England is not a free people, till the poor that have no land, have a free allowance to dig and labour the commons... – Gerrard Winstanley, 1649
A Inglaterra não é povo livre, porém os pobres que não têm terra têm livre permissão para amanhar e trabalhar as [terras] comuns... – Gerrard Winstanley, 1649
Center for a Stateless Society Paper No. 13 (Summer/Fall 2011)
Centro por uma Sociedade sem Estado Paper Nº 13 (Verão/Outono de 2011)
II. Destruction of the Peasant Commune by the State.
II. Destruição da Comuna Camponesa pelo Estado.
The Destruction of the Mir in Russia.
A Destruição da Mir na Rússia.
In Russia the mir was subjected to a one-two punch, first under Stolypin and then under Stalin.
Na Rússia a mir levou dois golpes sucessivos; primeiro, no governo de Stolypin e, depois, no de Stalin.
Stolypin's so-called “reforms” were aimed at rendering the peasantry more legible and taxable, as well as making it possible to permanently alienate individual holdings by sale or as debt collateral, by imposing fee simple private ownership on them—with the additional benefit, from his perspective, of
turning the rural population into conservative property owners.
As assim chamadas “reformas” de Stolypin estavam assestadas para tornar os camponeses mais legíveis e tributáveis, bem como para tornar possível alienar permanentemente propriedades individuais por venda ou como garantia de dívida, mediante imposição de propriedade privada fee simple a elas — com o benefício adicional, da perspectiva dele, de transformar a população rural em donos de propriedade conservadores.
The dream of state officials and agrarian reformers, at least since emancipation, was to transform the open-field system into a series of consolidated, independent farmsteads on what they took to be the western European model. They were driven by the desire to break the hold of the community over the individual household and to move from collective taxation of the whole community to a tax on individual landholders....
O sonho das autoridades do estado e dos reformadores agrários, pelo menos desde a emancipação, era transformar o sistema de campo aberto numa série de fazendas consolidadas e independentes, segundo o que acreditavam ser o modelo ocidental europeu. Eram impelidos pelo desejo de emancipar da comunidade a família individual e de deslocar a tributação coletiva da comunidade inteira para tributo sobre o dono individual da terra....
...It was abundantly clear that the prejudicial attitude toward interstripping was based as much on the autonomy of the Russian village, its illegibility to outsiders, and prevailing dogma about scientific agriculture as it was on hard evidence.84
...Estava abundantemente claro que a atitude preconceituosa em relação ao rodízio de glebas estava baseada igualmente na autonomia da vila russa, em sua ilegibilidade por pessoas de fora, e no dogma prevalecente acerca da agricultura científica, como se alicerçada em evidência sólida.84
Stolypin's attempted revolution from above met with incomplete success. In most villages a majority of peasants ignored the new property lines laid out from St. Petersburg and continued to practice interstripping and allot their land within the mir.85 And even in the new villages, composed of the “surplus rural population” which Stolypin settled in Siberia, the colonists frequently disregarded
Stolypin's plan for new model villages with independent family farmsteads in freehold and instead settled the land as a group, with common property.86
A revolução tentada por Stolypin a partir de cima teve sucesso incompleto. Na maioria das vilas a maioria dos camponeses ignorou as novas linhas de propriedade traçadas por São Petersburgo e continuou a praticar o rodízio e a compartilhar sua terra dentro da mir.85 E mesmo nas novas vilas, compostas do “excedente da população rural,” que Stolypin assentou na Sibéria, os colonos amiúde desobedeciam ao plano de Stolypin para novas vilas-modelos com fazendas familiares independentes com posse definitiva e, em vez disso, assentavam a terra como grupo, com propriedade comum.86
After the Revolution, the peasantry initiated a unilateral land reform that included fully restoring the mir as it had existed before the Stolypin program.
Depois da Revolução, os camponeses deram início a reforma unilateral da terra que incluía restauração plena da mir tal como houvera existido antes do programa de Stolypin.
In fact, after the collapse of the offensive into Austria during the war and the subsequent mass desertions, much of the land of the gentry and church, as well as “crown land,” had been absorbed by the peasantry. Rich peasants cultivating independent farmsteads (the “separators” of the Stolypin reforms) were typically forced back into the village allotments, and rural society was in effect radically compressed. The very rich had been dispossessed, and many of the very poor became smallholders for the first time in their lives. According to one set of figures, the number of landless rural laborers in Russia dropped by half, and the average peasant holding increased by 20 percent (in the Ukraine, by 100 percent). A total of 248 million acres was confiscated, almost always by local initiative, from large and small landlords and added to peasant holdings, which now averaged about 70 acres per household.87
Na verdade, depois do colapso da ofensiva invasora da Áustria durante a guerra e as subsequentes deserções em massa, muito da terra da aristocracia rural e da igreja, bem como de “terra da coroa,” havia sido absorvido pelos camponeses. Ricos camponeses cultivando fazendas independentes (os “separadores” das reformas de Stolypin) foram tipicamente impostos à distribuição de terras da vila, e a sociedade rural foi com efeito radicalmente comprimida. Os muito ricos haviam sido destituídos, e muitos dos muito pobres tornaram-se pequenos proprietários pela primeira vez na vida. De acordo com um conjunto de cifras, o número de trabalhadores rurais sem terra na Rússia caiu pela metade, e a terra média ocupada por camponeses aumentou em 20 por cento (na Ucrânia, 100 por cento). Um total de 248 milhões de acres foi confiscado, quase sempre por iniciativa local, de grandes e pequenos donos de terras e acrescentados à terra ocupada por camponeses, que agora tinha cerca de 70 acres por família.87
Although many libertarians will no doubt regard the seizure of the separators' land as theft, it should be considered at the very least a contested issue. If the mir's collective property in the land, dating time out of mind, is regarded as a legitimate property right, then it follows that Stolypin's imposed division and alienation of parts of the mir's property through fee-simple ownership was theft from the mir, and that reincorporating the separators' farmsteads was a simple act of restoration.
Se muitos libertários sem dúvida verão o confisco da terra dos separadores como furto, esse confisco deveria ser considerado no mínimo questão muito contestável. Se a propriedade coletiva da terra da mir, desde tempo imemorial, for vista como direito legítimo de propriedade, seguir-se-á que a divisão imposta por Stolypin e a alienação de partes da propriedade da mir por meio de propriedade fee-simple constituiu furto do que era da mir, e a reincorporação das fazendas dos separadores foi simples ato de restauração.
The newly reinvigorated village communes which the Soviet state confronted were almost entirely
opaque to it, and their output far less appropriable.
As recentemente revigoradas comunas de vila que o estado soviético confrontava eram quase inteiramente opacas para ele, e a produção delas muito menos apropriável.
From the perspective of a tax official or a military procurement unit, the situation was nearly unfathomable. The land-tenure status in each village had changed dramatically. Prior landholding records, if they existed at all, were entirely unreliable as a guide to current land claims. Each village was unique in many respects, and, even if it could in principle have been “mapped,” the population's mobility and military turmoil of the period all but guaranteed that the map would have been made obsolete in six months or sooner. The combination, then, of smallholdings, communal tenure, and constant change, both spatial and temporal, operated as an impenetrable barrier to any finely attuned tax system.
Da perspectiva de uma autoridade tributária ou de uma unidade militar de compras, a situação era quase impensável. A condição da ocupação da terra em cada vila havia mudado drasticamente. Registros anteriores de propriedade da terra, se é que existiam, eram completamente indignos de confiança como guia para atuais demandas de terras. Cada vila era única sob vários aspectos e, mesmo se em princípio pudesse haver sido “mapeada,” a mobilidade da população e a turbulência militar do período praticamente garantiam que o mapa se tornaria obsoleto em seis meses ou antes. A conjugação, pois, de pequenas propriedades, ocupação comunal e mudança constante, tanto espacial quanto temporal, funcionava como barreira impenetrável a qualquer sistema tributário finamente perceptivo.
Two additional consequences of the revolution in the countryside compounded the difficulties of state officials. Before 1917, large peasant farms and landlord enterprises had produced nearly three-fourths of the grain marketed for domestic use and export. It was this sector of the rural economy that had fed the cities. Now it was gone. The bulk of the remaining cultivators were consuming a much larger share of their own yield. They would not surrender this grain without a fight. The new, more egalitarian distribution of land meant that extracting anything like the czarist “take” in grain would bring the Bolsheviks in conflict with the subsistence needs of small and middle peasants.
Duas consequências adicionais da revolução no campo agravaram as dificuldades das autoridades do estado. Antes de 1917, grandes fazendas de camponeses e projetos de donos de terras haviam produzido praticamente três quartos dos grãos comercializados para uso doméstico e exportação. Era esse setor da economia rural que alimentava as cidades. Agora, isso havia acabado. O grosso dos cultivadores remanescentes estava consumindo parcela muito maior de sua própria produção. Não entregariam os grãos sem luta. A nova e mais igualitária distribuição de terra significava que extrair qualquer coisa tal como a  “tomada” czarista de grãos poria os bolcheviques em conflito com as necessidades de subsistência de pequenos e médios camponeses.
The second and perhaps decisive consequence of the revolution was that it had greatly enhanced the determination and capacity of the peasant communities to resist the state. Every revolution creates a temporary power vacuum when the power of the ancien regime has been destroyed but the revolutionary regime has not yet asserted itself throughout the territory. Inasmuch as the Bolsheviks were largely urban
and found themselves fighting an extended civil war, the power vacuum in much of the countryside was unusually pronounced. It was the first time... that the villages, although in straitened circumstances, were free to organize their own affairs. As we have seen, the villagers typically forced out or burned out the  gentry, seized the land (including rights to common land and forests), and forced the separators back into the communes. The villages tended to behave as autonomous republics, well disposed to the Reds as long as they confirmed the local “revolution,” but strongly resistant to forced levies of grain, livestock, or men from any quarter.88
A segunda e talvez decisiva consequência da revolução foi que ela havia intensificado grandemente a determinação e a capacidade das comunidades camponesas de resistir ao estado. Toda revolução cria vácuo temporário de poder quando o poder do antigo regime foi destruído mas o regime revolucionário ainda não se afirmou em todo o território. Na medida em que os bolcheviques eram em grande parte urbanos e se viram combatendo numa longa guerra civil, o vácuo de poder em grande parte do campo era inusitadamente pronunciado. Era a primeira vez... que as vilas, embora em circunstâncias aflitivas, estavam livres para organizarem seus próprios assuntos. Como já vimos, os habitantes das vilas geralmente expulsaram ou queimaram a aristocracia rural, apossaram-se da terra (inclusive de direitos a terra e a florestas comuns), e forçaram a volta dos separadores às comunas. As vilas tenderam a atuar como repúblicas autônomas, com atitude simpática aos Vermelhos enquanto estes confirmassem a “revolução” local, mas fortemente resistentes a impostos sobre os grãos, os animais, ou os homens, de qualquer tipo.88
The problem of opacity was intensified by the destruction of even the limited knowledge of the local terrain possessed by the tsarist network of local officials and gentry, who had managed tax collection before the Revolution. The village soviets, which were supposed to carry out this function, were typically made up of people whose first loyalty was to the village rather than the Soviet state.89
As it had done to the tsarist state before the Stolypin program, the village commune deliberately set out to obfuscate the internal economic conditions of the village and render it opaque to the Soviet state. Even before the Revolution, the peasant communes had been able to underreport the amount of arable
land by about 15 percent. After the Revolution, they concealed the extent of land seized from the gentry and landlords.
O problema da opacidade foi intensificado pela destruição de até mesmo o conhecimento limitado do terreno local detido pela rede tzarista de autoridades e aristocracias locais, que haviam gerido a coleta de tributos antes da Revolução. Os sovietes de vilas, que em tese deveriam exercer essa função, eram compostos geralmente por pessoas cuja primeira lealdade era à vila em vez de ao estado soviético.89 Como havia feito ao estado tsarista antes do programa de Stolypin, a comuna de vila deliberadamente lançou-se a ofuscar as condições econômicas internas da vila e a torná-las opacas para o estado soviético. Mesmo antes da Revolução, as comunas de camponeses haviam conseguido relatar a menos a quantidade de terra arável em cerca de 15 por cento. Depois da Revolução, ocultaram a extensão de terra tomada da aristocracia e dos donos de terras.
The amount and distribution of land, of course, was quite legible horizontally, to the peasants within the village commune. “Village committees did... keep records for allocating allotment land,organizing communal plow teams, fixing grazing schedules, and so on, but none of these records was made available... to officials....”90 Under the reinvigorated communes after the Revolution, the village mir supervised something like the interstripping and periodic redivisions which had prevailed under the full-blown open field system.
A quantidade e a distribuição da terra, obviamente, eram bastante legíveis horizontalmente, para os camponeses dentro da comuna de vila. “Comissões de vila... mantinham registros para alocação de terra aquinhoável, para organizar equipes comunais de lavra, para estabelecer cronogramas de pastagem de animais e assim por diante, mas nenhum desses registros era tornado disponível... para autoridades....”90 Nas comunas revigoradas depois da Revolução, a vila mir supervisava algo como o rodízio e as redivisões periódicas que haviam prevalecido no sistema pleno de campo aberto.
Stalin's industrial program, with its need for increased delivery of food from the countryside, ran up against the reduced appropriability of agricultural ouput as a serious obstacle. The state's official procurement prices for grain were one-fifth the market price, which meant the peasants were hardly eager to part with it on such terms. The state resorted to forced seizure, along the lines of military requisitions during the Civil War, but its seizures were generally as ineffective as during the war for the
same reason: the village communes were pretty effective at concealing how much grain there actually was. It was primarily the desire to overcome this peasant withholding of grain that motivated Stalin's program for forced, total collectivization.
O programa oficial de Stalin, com sua necessidade de aumento da oferta de alimento oriundo do campo, enfrentou, como obstáculo sério, o problema da reduzida apropriabilidade da produção agrícola. Os preços oficiais oferecidos pelo estado para grãos eram um quinto do preço de mercado, o que significava que os camponeses não estavam exatamente entusiasmados em vendê-los nessas condições. O estado recorreu a obtenção pela força, nos moldes das requisições militares durante a Guerra Civil, mas seus confiscos foram geralmente tão ineficazes quanto durante a guerra, pelo mesmo motivo: as comunas de vila eram muito eficazes em ocultar quanto grão que realmente existia. Foi precipuamente o desejo de superar essa sonegação de grãos pelos camponeses que motivou o programa de Stalin de coletivização forçada total.
It was in the context of this war over grain, and not as a carefully planned policy initiative, that the decision to force “total” (sploshnaia) collectivization in 1929. Scholars who agree on little else are in accord on this
point: the overriding purpose of collectivization was to ensure the seizure of grain.91
Foi no contexto dessa guerra a propósito dos grãos, e não como iniciativa de política cuidadosamente planejada, que ocorreu a decisão de forçar coletivização “total” (sploshnaia) em 1929. Especialistas que pouco concordam quanto a outros pontos estão de acordo quanto a este: o propósito supremo da coletivização era assegurar o confisco de grãos.91
In the debates leading up to forced collectivization, its advocates (e.g. Yevgeny Preobrazhensky) explicitly promoted it as a form of “primitive socialist accumulation” directly to the primitive accumulation Marx described as a prerequisite for the industrial revolution. As large a surplus as possible was to be extracted from the countryside in order to support industrialization in the cities.
Nos debates conducentes à coletivização forçada, seus defensores (por exemplo Yevgeny Preobrazhensky) preconizaram-na como forma de “acumulação socialista primitiva” nos moldes da acumulação primitiva que Marx descrevera como pré-requisito da revolução industrial. Excedente tão grande quanto possível deveria ser extraído do campo a fim de apoiar a industrialização nas cidades.
The main goal of state collectivization was to make the terra incognita of customary village
property rules legible from above and enable the state to exact a maximum rate of tribute. As envisioned, it was a classic example of a state attempt to impose legibility: it involved consolidating the rural economy into gigantic, centrally controlled units with clear chains of command, proletarianizing the peasantry, and imposing Taylorist work rules on the production process. Among other things, this included a large-scale rural division of labor with each kolkhoz specializing in some monoculture crop and the individual village ceasing to be a diversified economic unit. The collective farms were envisioned as enormous assembly lines, automatically churning out state orders like one of Henry Ford's auto factories. The collective farms' lines of command cut across village boundaries, with either enormous kolkhozes that incorporated numerous villages, or smaller ones whose boundaries were drawn without regard to existing villages.92 Unlike the village soviets, which had quickly been coopted by the mir, the new “huge collectives” bypassed the traditional village social structures and were governed by “a board consisting of cadres and specialist,” with the separate sections of the kholkoz under the control of its own state-appointed manager.93
A principal meta da coletivização pelo estado era tornar as regras de terra incognita representada propriedade consuetudinária da vila legíveis a partir de cima e capacitar o estado a extrair alíquota máxima de tributo. Como concebida, era exemplo clássico de tentativa do estado de impor legibilidade: envolvia consolidar a economia rural em unidades gigantescas controladas centralmente com cadeias claras de comando, proletariar os camponeses, e impor regras tayloristas de trabalho ao processo de produção. Entre outras coisas, isso incluía uma divisão de trabalho rural em larga escala com cada kolkhoz especializando-se em alguma lavoura de monocultura e a vila individual cessando de ser uma unidade econômica diversificada. As fazendas coletivas foram imaginadas como enormes linhas de montagem, atendendo de modo mecânico e automático encomendas do estado nos moldes de uma das fábricas de automóveis de Henry Ford. As linhas de comando das fazendas coletivas atravessavam divisas de vilas, com kolkhozes ou enormes, que incorporavam numerosas vilas, ou menores, cujas divisas eram traçadas sem levar em consideração vilas existentes.92 Diferentemente dos sovietes de vilas, que haviam sido rapidamente cooptados pela mir, as novas “enormes coletivas” contornavam as estruturas sociais das vilas e eram governadas por “uma diretoria consistente em ativistas e especialistas,” com as secções específicas da kholkoz sob controle de seu próprio gerente nomeado pelo estado.93
And if collectivization was a miserable failure in terms of total output and efficiency of production, it was for the most part a success at achieving its stated goals—even at the cost of mass starvation in the countryside—of increasing the efficiency of extraction and obtaining sufficient food to support Stalin's urban industrialization program
E se a coletivização foi fracasso retumbante em termos de produção total e eficiência de produção, foi, na maioria dos casos, sucesso no atingimento de suas metas enunciadas — mesmo ao preço de inanição em massa no campo — de aumentar a eficiência da extração e de obtenção de apoio alimentar suficiente para o programa de industrialização urbana de Stalin.
The great achievement, if one can call it that, of the Soviet state in the agricultural sector was to take a social and economic terrain singularly unfavorable to appropriation and control and to create institutional forms and production units far better adapted to monitoring, managing, appropriating, and controlling from
above.... Confronting a tumultuous, footloose and “headless” (acephalous) rural society which was hard to control and which had few political assets, the Bolsheviks, like the scientific foresters, set about redesigning their environment with a few simple goals in mind. They created, in place of what they had inherited, a new landscape of large, hierarchical, state-managed farms whose cropping patterns and procurement quotas were centrally mandated and whose population was, by law, immobile. The system thus devised served for nearly sixty years as a mechanism for procurement and control at a massive cost in stagnation, waste, demoralization, and ecological failure.94
A grande realização, se alguém pode usar essa expressão, do estado soviético no setor agrícola foi tomar um terreno social e econômico singularmente desfavorável a apropriação e controle e criar formas institucionais e unidades de produção muito melhor adaptadas a monitorar, gerir, apropriar e controlar a partir de cima.... Confrontando uma sociedade rural desorganizada, solta e “sem cabeça” (acéfala) difícil de controlar e com poucos haveres políticos, os bolcheviques, como os silvicultores científicos, lançaram-se a reprojetar seu ambiente com uns poucos objetivos simples em mente. Criaram, em lugar do que haviam herdado, um novo panorama de grandes fazendas hierárquicas geridas pelo estado cujos padrões de plantação e quotas de produção eram ditados centralmente e cuja população era, por lei, imutável. O sistema assim concebido serviu por cerca de sessenta anos como mecanismo para obtenção e controle a preço maciço de estagnação, desperdício, desmoralização e fracasso ecológico.94
The Soviet state collectivization program amounted to a reimposition of serfdom. From the peasant perspective, during the previous Civil War, “the fledgling Bolshevik state, arriving as it often did in the form of military plunder, must have been experienced... as a reconquest of the countryside by the state
—as a brand of colonization that threatened their newly won autonomy.”95 But after the brief lull of the New Economic Policy, the peasants experienced reconquest and plunder in earnest. The peasants commonly compared the new collective farm regime to serfdom, with the obligation to work the kolkhoz's fields at nominal wages under the orders of a state manager as a revived form of barschina (feudal labor dues). Like their enserfed great-grandparents, the peasants were required to perform annual draft labor repairing roads. Kolkhoz officials, like the old landlords, used peasant labor for their
own private purposes, and had the power—in fact if not in law—“to insult, beat, or deport” peasants for disobedience. The internal passport system effectively made it illegal, as under serfdom, for the
peasant to flee the countryside.96 Naturally, the peasants saw their work for the kolkhoz—like their labor obligations to the old landlord—as something to be done as perfunctorily as possible so they could get back to working their own kitchen gardens.
O programa de coletivização soviética do estado equivaleu a uma reimposição da servidão. Da perspectiva dos camponeses, durante a prévia Guerra Civil, “o inexperiente estado bolchevique, chegando, como amiúde o fez, na forma de pilhagem militar, terá de ter sido experimentado... como uma reconquista do campo pelo estado — como tipo de colonização que ameaçava sua autonomia recentemente conquistada.”95 Contudo, após a calmaria da Nova Política Econômica, os camponeses experimentaram reconquista e pilhagem mais intensas do que antes. Os camponeses comumente comparavam o novo regime de fazenda coletiva com a servidão, com a obrigação de trabalhar os campos da kolkhoz ganhando remuneração nominal sob as ordens de um gerente do estado como forma revivescida de barschina (tributos feudais sob forma de trabalho). Como seus bisavós tornados servos, os camponeses eram obrigados a efetuar trabalho anual compulsório consertando estradas. Autoridades da kolkhoz, como os antigos senhores de terras, usavam o trabalho dos camponeses para seus próprios objetivos privados, e tinham o poder — de fato se não pela lei — “de insultar, espancar ou deportar” camponeses por desobediência. O sistema de passaporte interno tornava, na prática, ilegal, como no tempo da servidão, o camponês deixar o campo.96 Naturalmente, os camponeses viam seu trabalho para a kolkhoz — como suas obrigações de trabalho para o antigo dono de terras — como algo a ser feito tão perfunctoriamente quanto possível a fim de poderem voltar para trabalhar em suas próprias hortas domésticas.
In sum, Scott writes, “collectivization was at least as notable for what it destroyed as for what it built.”
Em suma, escreve Scott, “a coletivização foi pelo menos tão notável pelo que destruiu quanto pelo que construiu.”
The initial intent of collectivization was not just to crush the resistance of well-to-do peasants and grab their land; it was also to dismantle the social unit through which that resistance was expressed: the mir. The
peasant commune had typically been the vehicle for organizing land seizures during the revolution, for orchestrating land use and grazing, for managing local affairs generally, and for opposing procurements.
O intento inicial da coletivização não foi apenas esmagar a resistência dos camponeses prósperos e subtrair a terra deles; foi também desmantelar a unidade social por meio da qual aquela resistência se expressava: a mir. A comuna camponesa havia tipicamente sido o veículo para organização de confiscos de terra durante a revolução, para orquestrar o uso e a pastagem da terra, para gerir de modo geral assuntos locais, e para oposição a aquisições.
The kolkhoz was not... just window dressing hiding a traditional commune. Almost everything had changed. All the focal points for an autonomous public life had been eliminated. The tavern, rural fairs and markets, the church, and the local mill disappeared; in their places stood the kolkhoz office, the public meeting room, and the school.97
A kolkhoz não era... apenas fachada a ocultar uma comuna tradicional. Quase tudo mudara. Todos os pontos focais de uma vida pública autônoma haviam sido eliminados. A taverna, feiras e mercados rurais, a igreja, e o moinho local desapareceram; em seu lugar havia o escritório da kolkhoz, a sala pública de reuniões, e a escola.97
...In place of a peasant economy whose harvests, income, and profits were well-nigh indecipherable, it had created units that were ideal for simple and direct appropriation. In place of a variety of social units with their own unique histories and practices, it had created homologous units of accounting that could all be fitted into a national administrative grid.98
...Em lugar de uma economia camponesa cujas colheitas, renda, e lucros eram quase indecifráveis, ela havia criado unidades ideais para apropriação simples e direta. Em lugar de uma variedade de unidades sociais com suas próprias histórias e práticas exclusivas, ela criou unidades homólogas de contabilidade que podiam todas ser inseridas numa rede administrativa nacional.98
If anything, collectivization can be compared to Enclosure insofar as a landed peasantry working its own allotments and appropriating a significant share of its full product was transformed into a rural proletariat working the land under the supervision of a hired overseer representing an absentee owner.
A coletivização pode talvez ser comparada ao Cerco na medida em que um campesinato trabalhando suas próprias glebas e apropriando-se de significativa parcela de seu produto total foi transformado num proletariado rural trabalhando sob a supervisão de um supervisor contratado representando um proprietário ausente.
End of [III.5]
Fim de [III.5]
84 Scott, Seeing Like a State, pp. 41-43.
84 Scott, Vendo como um Estado, pp. 41-43.
85 Ibid., p. 44.
85 Ibid., p. 44.
86 Ibid., p. 366 n. 78.
86 Ibid., p. 366 n. 78.
87 Ibid., p. 205.
87 Ibid., p. 205.
88 Ibid., pp. 205-206.
88 Ibid., pp. 205-206.
89 Ibid., p. 207.
89 Ibid., p. 207.
90 Ibid., p. 207
90 Ibid., p. 207
91 Ibid., p. 210.
91 Ibid., p. 210.
92 Ibid., pp. 211-212.
92 Ibid., pp. 211-212.
93 Ibid, p. 214.
93 Ibid, p. 214.
94 Ibid., p. 203.
94 Ibid., p. 203.
95 Ibid., p. 206.
95 Ibid., p. 206.
96 Ibid., p. 213.
96 Ibid., p. 213.
97 Ibid., pp. 213-214.
97 Ibid., pp. 213-214.
98 Ibid., p. 217.
98 Ibid., p. 217.
C4SS (c4ss.org) Research Associate Kevin Carson is a contemporary mutualist author and individualist anarchist whose written work includes Studies in Mutualist Political Economy, Organization Theory: A Libertarian Perspective, and The Homebrew Industrial Revolution: A Low-Overhead Manifesto, all of which are freely available online. Carson has also written for such print publications as The Freeman: Ideas on Liberty and a variety of internet-based journals and blogs, including Just Things, The Art of the Possible, the P2P Foundation and his own Mutualist Blog.
O Associado de Pesquisa do C4SS (c4ss.org) Kevin Carson é autor mutualista e anarquista individualista contemporâneo cuja obra escrita inclui Estudos em Economia Política Mutualista, Teoria da Organização: Uma Perspectiva Libertária, e  A Revolução Industrial Gestada em Casa: Manifesto de Baixo Overhead, todos livremente disponíveis online. Carson também tem escrito para publicações tais como: O Homem Livre: Ideias acerca de Liberdade e diversos periódicos e blogs da internet, inclusive Apenas Coisas, A Arte do Possível, a Fundação P2P e seu próprio Blog Mutualista.

No comments:

Post a Comment