Sunday, July 1, 2012

RBTH - Folk band breathes new life into peasant ritual music

© 2007-2012 Russia Beyond The Headlines
published by:
ENGLISH
PORTUGUÊS
Russia Beyond The Headlines
Rússia Além dos Títulos de Jornal
Folk band breathes new life into peasant ritual music
Grupo folclórico insufla vida nova em música ritual camponesa
May 14, 2012
14 de maio de 2012
[For the TWO musical podcasts, please click on the link to the original article above]
[Para os DOIS podcasts musicais, por favor clique no link acima, do artigo original]
Six young Muscovites have teamed up to form White Light, a folk band that is attempting to resurrect a musical tradition that is now nearly extinct – the ritual chants of Russian peasants.
Seis jovens moscovitas uniram-se para formar o Luz Branca, conjunto folclórico que tenta ressuscitar uma tradição musical hoje quase extinta – a cantoria ritual dos camponeses russos.
Photo and musical podcast: White Light, Russia's folk group founded by six young Muscovites. Source: Yelena Potapova / Elena Rets
Foto e podcast musical: Luz Branca, grupo folclórico russo fundado por seis jovens moscovitas. Fonte: Yelena Potapova / Elena Rets
Yekaterina Rets, one of the founders of White Light, spoke with RBTH about the magic of Russian folk singing and the cultural revolution taking place in Russian villages.
Yekaterina Rets, uma das fundadoras do Luz Branca, falou com o RBTH acerca da magia dos cantos folclóricos russos e da revolução cultural que ocorre nas vilas da Rússia.
Russia Beyond the Headlines: What kinds of songs do you sing?
Rússia Além dos Títulos de Jornal: Que tipos de canções vocês cantam?
Yekaterina Rets: We are trying to embrace central Russian traditional peasant music. The old ritual songs are genuinely interesting. Such music has a large number of harmonies. This actually makes it closer to ancient Greek music and sets it apart from classical music, which is based on a single modal system. The sound of the songs is old, and they are permeated with old imagery. They are absolutely strange to the ear of contemporary people and difficult to comprehend.
Yekaterina Rets: Estamos tentando abarcar a música camponesa tradicional mais importante da Rússia. As antigas canções rituais são realmente interessantes. Essa música tem grande número de harmonias. O que na verdade a torna mais próxima da antiga música grega e distancia-a da música clássica, baseada num único sistema modal. O som das canções é antigo, e as canções são permeadas de imagens antigas. Elas são absolutamente estranhas aos ouvidos das pessoas contemporâneas e difíceis de entender.
At first, I listened to them, but could not reproduce any. I simply could not remember the tune: it seemed to me that there was absolutely no logic to this music, only a subtle vague harmony. Now, after five or six years of studying them, I cannot imagine how one could not be moved by these sounds, and not follow them.
De início as escutei, mas não conseguia reproduzir nenhuma delas. Simplesmente não conseguia lembrar-me da melodia: parecia-me não haver absolutamente nenhuma lógica nessa música, apenas uma sutil harmonia vaga. Agora, depois de cinco ou seis anos estudando-as, não consigo imaginar como alguém não se comova com esses sons, e não os acompanhe.
RBTH: Is there a similar singing tradition in the modern culture?
RBTH: Há alguma tradição de canto similar na cultura moderna?
Y.R.: Russian folk music was related to the pan-European tradition, but a very old one. The music we now call classical actually originated from such tunes. With time, this music was dropped from everyday use, and ritual songs were forgotten nearly everywhere in Europe. Russia, conversely, largely due to its inertia, maintained its ancient way of life for a long time, which is why, possibly, the old Russian singing tradition has been preserved. Russian ritual songs can be compared to the tunes of wild African tribes, or ancient Indian chants. These traditions are of the same magnitude – absolutely ancient.
Y.R.: A música folclórica russa estava vinculada à tradição pan-europeia, mas muito antiga. A música que hoje chamamos de clássica na verdade originou-se de tais cantigas. Ao longo do tempo, essa música caiu do uso diário, e as canções rituais foram esquecidas praticamente em toda a Europa. A Rússia, pelo contrário, em grande parte devido a sua inércia, manteve seu antigo estilo de vida por muito tempo, e possivelmente por isso a antiga tradição do canto russo foi preservada. As canções rituais russas podem ser comparadas às cantigas das tribos selvagens africanas, ou aos vetustos cânticos indianos. Essas tradições são da mesma magnitude - absolutamente antiquíssimas.
RBTH: How do your friends and acquaintances react to your hobby?
RBTH: Como seus amigos e conhecidos reagem a sua atividade de tempo livre?
Y.R.: For most people – especially those living in Moscow – it’s fairly exotic. For a long time, the old Russian musical tradition was a monument to antiquity and was only studied by linguists and ethnologists. It was not available or known to the broader public.
Y.R.: Para a maioria das pessoas – especialmente as que vivem em Moscou – é algo bastante exótico. Por longo tempo, a antiga tradição musical russa foi um monumento à antiguidade e só era estudada por linguistas e etnólogos. Não ficava ao alcance nem era conhecida do público mais amplo.
The first question I usually get is: “What kind of music is that? Kalinka? Like the Igor Moiseyev ballet?” Unfortunately, contemporary Russians often tend to be as ignorant of the traditional Russian music as foreigners. For many of them, all they know about the origin of the Slavic musical culture is limited to a number of clichés that have little to do with the actual state of things. At our shows, we are trying to close this knowledge gap, at least for our friends and people who are interested in the subject. Luckily, our audience increases with every concert.
A primeira pergunta que em geral me fazem é: “Que tipo de música é essa? Kalinka? É como o ballet de Igor Moiseyev?” Infelizmente, os russos contemporâneos tendem a ser amiúde tão ignorantes da música russa tradicional quanto os estrangeiros. Para muitos deles, tudo o que sabem da origem da cultura musical eslava limita-se a certo número de lugares-comuns que pouco têm a ver com o real estado de coisas. Em nossos espetáculos tentamos fechar essa lacuna de conhecimento, pelo menos para nossos amigos interessados no assunto. Felizmente nossa plateia aumenta a cada concerto.
RBTH: Are you more like an archaeologist searching for artifacts, or a fan trying to revive an old culture?
RBTH: É você mais como um arqueólogo em busca de artefatos ou como um admirador tentando reviver uma antiga cultura?
Y.R.: Well, the old Russian singing tradition is not completely extinct. Its last practitioners, although they are now 70, 80 or even 90 years old, are still alive. You can still come to their villages, talk with them, and listen to them sing the songs. This is actually what we do. We have already traveled far and wide across the Bryansk, Kaluga and Kursk Regions of Russia.
Y.R.: Bem, a antiga tradição de canto russa não está completamente extinta. Seus últimos praticantes, embora estejam hoje com 70, 80 ou até 90 anos de idade, ainda estão vivos. Ainda é possível ir a suas vilas, falar com eles, e ouvi-los cantar as canções. Isso é o que em realidade fazemos. Também já viajamos amplamente pelas regiões da Rússia de Bryansk, Kaluga e Kursk.
When you come to a certain location, the tradition you had been studying from records suddenly springs to life. You are engulfed in serene happiness, and your emotions from singing become much stronger than before. Sometimes, however, when we come to the birthplace of a certain song we realize that the tradition is now gone with its last bearers. Nothing remains of it. In such cases, we feel devastated with a sense of irretrievable loss. So comparing the search for the origin of the singing culture with archaeological excavation is inadequate: songs, unlike fragments of pottery, disappear when the people who sing them die.
Quando chegamos a certo lugar, a tradição que estávamos estudando a partir de registros subitamente adquire vida. Somos envolvidas por serena felicidade, e nossas emoções que nascem do cantar tornam-se muito mais fortes do que antes. Por vezes, contudo, quando chegamos ao local onde nasceu determinada canção, entendemos que a tradição morreu junto com seus últimos mantenedores. Nada resta dela. Em tais casos, sentimo-nos desoladas, com um sentimento de perda irrecuperável. Assim, comparar a procura da origem da cultura do canto com a escavação arqueológica é inadequado: canções, diferentemente de fragmentos de vasos, desaparecem quando as pessoas que as cantam morrem.
RBTH: Which of your folklore trips across villages left the strongest impression on you?
RBTH: Qual das suas viagens de folclore pelas vilas deixou a mais forte impressão em você?
Y.R.: I was deeply impressed by our trip to the Ostroglyadovo village in the Bryansk Region. We came there searching, as we usually do, for singers of the local traditional songs. It turned out that none of them were still living. We were welcomed by their daughters, who themselves were 70 or 80 years old at that time. One of them asked us to sing a few local songs for the villagers. At first, we were received rather coldly, like strangers. But the songs gradually grew on the people. And, with frustration and desolation, they realized that they had overlooked an enormous part of their culture and wiped out the life of their ancestors when they settled down in front of their TV sets or plunged into their everyday routine. But you cannot really get away from your ancestral memory. As they listened to the songs that they knew from their childhood, they became aware of the magnitude of their loss.
Y.R.: Fiquei muito impressionada com nossa viagem à vila Ostroglyadovo na região de Bryansk. Chegamos lá procurando, como usualmente fazemos, pessoas que cantassem as canções da tradição local. Ocorreu que nenhuma dessas pessoas estava ainda viva. Fomos recebidas pelas filhas delas, que elas próprias tinham 70 ou 80 anos à época. Uma delas nos pediu para cantar algumas canções locais para os habitantes da vila. De início fomos recebidas bem friamente, como estranhas. As canções, contudo, pouco a pouco ganharam as pessoas. E, com frustração e desconsolo, elas perceberam ter negligenciado enorme parte de sua cultura e apagado a vida de seus ancestrais ao se aboletarem diante de seus aparelhos de televisão ou ao mergulharem em sua rotina diária. Por outro lado, nunca é possível livrar-se da memória ancestral. À medida que elas ouviam as canções que conheciam da infância, tornavam-se cônscias do tamanho de sua perda.
RBTH: Why do you think we are so disconnected from the cultural traditions of our ancestors?
RBTH: Por que você acha que estamos tão desvinculados das tradições culturais de nossos antepassados?
Y.R.: After the revolution, peasants were carried away with the promise of a “better future.” According to the communist theory, to achieve this new prosperity, they had to abandon their old way of life and shake off everything that reminded them of their past. So they cast away their old lifestyle together with their entire culture, aggressively and without regard. The complete change in lifestyle led that generation to renounce their ancient cultural traditions together with their old way of life.
Y.R.: Depois da revolução, os camponeses foram engambelados com a promessa de “futuro melhor.” De acordo com a teoria comunista, para atingirem tal nova prosperidade, eles tinham de abandonar seu antigo estilo de vida e livrar-se de tudo o que lembrasse seu passado. Assim eles se livraram de seu antigo estilo de vida juntamente com toda a sua cultura, agressivamente e sem maiores considerações. A mudança completa de estilo de vida levou aquela geração a renegar suas antigas tradições culturais juntamente com seu antigo estilo de vida.
RBTH: Is there a chance that we can preserve the traditional folk culture against the backdrop of rampant mass culture? What do we have to do?
RBTH: Há alguma probabilidade de podermos preservar nossa cultura folclórica tradicional contra o plano de fundo de desenfreada cultura de massa? O que teremos de fazer?
Y.R.: What do you mean by preserve? Digitizing all songs, putting them in an online directory and opening up public access to them? This would be quite easy to do. How to go back to our roots, however, is a different matter; it means keeping the culture of old songs alive as an everyday practice. This is hardly possible. As our lifestyle changed, this tradition was not passed on by an older generation to a younger one. We could try to artificially instill it in our lives today, but that would not be proper preservation. On the other hand, if it could inspire young folk bands out in the countryside to learn and perform the songs of their grandfathers, it is really worth a try.
Y.R.: O que quer dizer você com preservar? Digitalizar todas as canções, colocá-las num diretório online e permitir acesso público a ele? Isso seria muito fácil de fazer. Voltar às raízes, contudo, é outra coisa; significa menter a cultura das velhas canções vivas como prática diária. Isso dificilmente será possível. Como nosso estilo de vida mudou, essa tradição não foi passada para diante de uma geração mais velha para uma geração mais nova. Poderíamos artificialmente tentar instilá-la em nossas vidas hoje em dia, mas isso não seria preservação adequada. Por outro lado, se ela pudesse inspirar jovens grupos folclóricos na zona rural a aprender e executar as canções dos avós, realmente é algo que valeria a pena tentar.
RBTH: Is it possible to popularize this music using contemporary arrangements or ways of presentation?
RBTH: Será possível popularizar essa música usando arranjos ou meios de apresentação contemporâneos?
Y.R.: Personally I am against “embalming” this culture like Lenin in the mausoleum, and keeping it locked behind seven seals. That way of life and that culture are now gone. We can hardly be expected today to hitch up a plow and plow the soil. Changes in traditional culture are inevitable and even necessary. Tradition is not a lifeless thing. A contemporary urban society comes with a new tempo destined to have its own impact on tradition. Even every singer brings in his or her own perception of the songs. In the old days, any woman who sang the songs was permitted to make slight changes in the lyrics or the tune to her own liking. It was a very flexible musical tradition. Certainly, it also had some canons, but on the whole this singing culture was a living tradition, and therefore inconstant.
Y.R.: Pessoalmente sou contra “embalsamar” essa cultura como Lenin no mausoléu, e mantê-la trancada atrás de sete lacres. Esse estilo de vida e essa cultura estão hoje acabados. Dificilmente poder-se-á esperar que recorramos a uma charrua para arar o solo. Mudanças na cultura tradicional são inevitáveis e até necessárias. A tradição não é uma coisa sem vida. Uma sociedade urbana contemporânea advém com um novo ritmo destinado a ter seu próprio impacto sobre a tradiçaõ. Até cada cantora aporta sua percepção própria às canções. Antigamente, qualquer mulher que cantasse as canções tinha permissão para fazer leves mudanças na letra ou na música conforme seu próprio gosto. Era uma tradição musical muito flexível. Certamente, tinha também alguns cânones mas, no todo, essa cultura de canto era uma tradição viva, e portanto inconstante.
As for modern arrangements, they need to be very good. You can even mix them with Bossa Nova, provided that the musician deeply understands their connection with Bossa Nova. The main thing here is to avoid making it sound artificial.
Quanto a arranjos modernos, precisarão ser muito bons. Pode-se até misturá-las com a Bossa Nova, desde que o músico entenda profundamente sua conexão com a Bossa Nova. O principal no caso é evitar deixar que soe artificial.
WHOOPING [musical podcast]
O GRITO  [podcast musical]
Whooping is a very loud sound repeated now and then in ritual chants when the singer hits a very high-pitched note. If repeated at equal intervals, such sounds influence the mind and consciousness immediately and facilitate trance.
O grito é um som muito alto repetido aqui e ali em cantos rituais quando a cantora emite som muito agudo. Se repetidos a intervalos regulares, tais sons influenciam imediatamente a mente e a consciência e facilitam o transe.
Singers of old ritual chants usually define whooping as a way of transcending into the world of ghosts. As old Slavic legends have it, interactions with the ghosts of the ancestors and nature require a certain state of mind, which was helped along by sacral signing. The whooping tradition in singing is characteristic of the Bryansk Region.
Cantores de antigos cantos rituais definem o grito como forma de transcendência para ir ao mundo dos espíritos. Como contam antigas lendas eslavas, interações com os espíritos dos ancestrais e da natureza requerem certo estado da mente, auxiliado por cantos sacros. A tradição do grito no canto é característica da Região de Bryansk.



No comments:

Post a Comment