Thursday, May 3, 2012

Christine Smith’s Blog - Government: The Enforcers (What’s the Lesson of the Davidian Massacre?)

http://christinesmith.us/wordpress/2012/04/16/government-the-enforcers-whats-the-lesson-of-the-davidian-massacre/
ENGLISH
PORTUGUÊS
Christine Smith’s Blog
O Blog de Christine Smith
Government: The Enforcers (What’s the Lesson of the Davidian Massacre?)
Governo: Os Compelidores (Qual é a Lição do Massacre dos Davidianos?)
April 16, 2012 on 4:24 pm | In Politics | Comments Off
16 de abril de 2012 às 16:24 hs | Em Politics | Comentários desligados
It is our choice whether to enforce what government has decreed
É escolha nossa compelir observância ou obediência ao que o governo tenha decretado
“I don’t make the laws, I just enforce them,” is the rationale law enforcement officers claim when they wish to apologetically acknowledge perhaps something they’re doing is not right or just, but nonetheless it’s what they must do because it’s their job.
“Não faço as leis, apenas faço com que sejam cumpridas” é a explicação à qual recorrem as autoridades compelidoras quando desejam desculpar-se por talvez algo que estejam fazendo não ser correto ou justo, embora precisem fazê-lo por ser seu ofício.
Those who value freedom realize government is force – a coercive authority which backs up its dictates with threat of violence. Don’t believe that? Consider what may happen if one doesn’t stop for a minor traffic offense or consider what happens upon non-payment of a tax and you’ll see just how much brutality will be used against you. Failure to comply with a dictate from government places one in a vulnerable position of being victimized one way or another, from loss of property, loss of liberty, to sometimes the very loss of life. It matters not what one is cited for, as the measure of violence which might be used against one is not necessarily proportionate to the crime of which one is accused. A gun literally is behind every order given you by anyone in government.
Aqueles que prezam a liberdade entendem que o governo é força – autoridade coercitiva que escora seus ditames com ameaça de violência. Não acredita? Considere o que pode acontecer se alguém não parar o carro por causa de uma ofensa menor de tráfego ou considere o que acontece caso deixe de haver pagamento de um imposto e verá com precisão quanta brutalidade será usada contra você. O não cumprimento de um ditame do governo coloca a pessoa numa posição vulnerável tornando-a passível de ser vitimada de um modo ou de outro, desde perda de patrimônio a perda de liberdade a por vezs perda da vida. Não importa a respeito do que alguém seja citado, visto que a medida de violência que pode ser usada contra a pessoa não é necessariamente proporcional ao crime de que seja acusada. Uma arma de fogo está literalmente atrás de toda ordem dada a você por qualquer pessoa do governo.
Many think the law put down by government these days to be the law of the land, but they are grossly mistaken. No longer is the law of the land, the Constitution (itself not the true natural law of man, but nevertheless the law most accept), a matter of consult before formation of the majority of laws/regulations in this nation. The exception are those laws which even get challenged as the process is an expensive one in time and money for an individual to take issue with, thus law makers get away literally with sanctioning murder these days. (I define ‘murder’ as unjustified killing, and it is that which occurs frequently domestically and internationally by this government.)
Muitas pessoas pensam que a lei baixada pelo governo nos dias que correm é o 'direito comum aplicável igualmente a todos', mas estão crassamente equivocadas. Não mais é ela a lei voltada para todos, a Constituição (ela própria não a verdadeira lei natural do ser humano mas, todavia, a lei que a maioria aceita), tema de consulta antes da formação da maioria das leis/normas neste país. À margem estão essas leis que sequer são questionadas porque o processo é demasiado dispendioso em tempo e dinheiro para que um único indivíduo se disponha a encetá-lo, e portanto os legisladores literalmente conseguem impunemente sancionar o assassínio nos dias de hoje. (Defino ‘assassínio’ como matar injustificadamente, e é isso o que este governo amiúde perpetra doméstica e internacionalmente.)
The Massacre at Waco
O Massacre de Waco
We are nearing the remembrance day, April 19, of the 1993 massacre at Waco, Texas when after 50 days of siege the government opted to take greater violent action resulting in the deaths of approximately 80 men, women, and children. But when all was finished it was deemed “legal.” An atrocity, a tragedy, a wanton massacre, but since it was legal so the killers walked away scot-free.
Aproximamo-nos do dia da lembrança, 19 de abril, do massacre de Waco, no Texas, em 1993 quando, depois de 50 dias de sítio, o governo optou por desencadear ação mais violenta a qual resultou na morte de aproximadamente 80 homens, mulheres e crianças. Quando, porém, tudo terminou, foi considerado ter sido algo “legal.” Atrocidade, tragédia, massacre desnecessário mas, por ser legal, os assassinos saíram de cena plácidos e lampeiros.
I ask those who rationalize or defend such a raid this simple question: Who used or threatened violence first? A religious sect who were simply going about minding their own business and lives on that day or the Bureau of Alcohol, Tobacco, and Firearms armed with guns and the firepower of military combat weaponry who showed up at their private residence?
Faço àqueles que racionalizam ou defendem tal incursão uma pergunta simples: Quem usou ou ameaçou violência primeiro? Uma seita religiosa que simplesmente cuidava de suas próprias atividades e vidas naquele dia ou o Bureau de Álcool, Tabaco e Armas de Fogo armado com armas de fogo e o poder de fogo de armamentos de combate militar que irrompeu na residência privada dela?
Had the government enforcers never showed up Feb. 28, none would have died.
Não tivessem os compelidores do governo aparecido em 28 de fevereiro, ninguém teria morrido.
But, the argument from many a law-abiding citizen, is that those people were breaking the law and were subject to lawful warrants which they chose to not abide by. Therein is the problem, if you take the dictates of politicians who criminalize all manner of peaceful behavior as breaking the law (be it from ingestion of substances, acquirement of firearms, transactions for personal services such as sexual favors, or travel and hiring practices of undocumented workers, and other peaceful activities which are not allowed to occur or perhaps permitted only with the money for licensure being paid) you will end up defending murder after murder, mistreatment after mistreatment. But if you take the word “criminal” to refer to those who engage in activities which harm another you must admit that the “criminal” in the above examples is the government.
Contudo, argumentam muitos cidadãos cumpridores da lei, aquelas pessoas estavam transgredindo a lei e ficaram consequentemente sujeitas a sanções legais decorrentes da escolha que fizeram de não obedecer a lei. Aí é que está o problema; se você aceitar os ditames dos políticos que criminalizam todo tipo de comportamento pacífico como constituindo violação da lei (seja ingestão de substâncias, compra de armas de fogo, transações de serviços pessoais tais como favores sexuais, ou práticas de viagem e emprego de trabalhadores sem documentos, e outras atividades pacíficas não permitidas ou talvez permitidas apenas mediante pagamento de dinheiro para obtenção de licença) você acabará defendendo assassínio atrás de assassínio, maus tratos atrás de maus tratos. Se porém você aceitar a palavra “criminoso” como referindo-se àqueles que se lançam a atividades que causam dano ao próximo, terá de admitir que o “criminoso” nos exemplos acima é o governo.
Thus, when people claim the Davidians were breaking the “law” as they proceed to regurgitate whatever claims of criminal misconduct were alleged against the community, I respond: Perhaps, but they had not harmed anyone; they had used violence against no other human being – they were simply living their lives peacefully until the fateful day when government decided they had to be assaulted.Therefore by my definition, the criminal in the raid was the government and the victim the Davidians.
Assim, pois, a pessoas que, vomitando esta ou aquela alegação de conduta criminosa contra a comunidade, alegam que os Davidianos estavam quebrando a “lei,” respondo: Talvez, mas eles não causaram dano a ninguém; não haviam usado de violência contra qualquer outro ser humano – simplesmente viviam suas vidas pacificamente, até o dia fatídico quando o governo decidiu que eles deveriam ser agredidos. Portanto, segundo minha definição, o criminoso, na incursão, foi o governo, e a vítima, os Davidianos.
In the Davidian massacre, the evil commands of then Attorney General Janet Reno are identified, and yes though issuing the orders – and certainly I believe morally guilty for the bloodshed – she could have done nothing if not for the enforcers. No tyrant can do much of anything without his enforcers.
No massacre dos Davidianos os comandos cruéis da então Ministra da Justiça Janet Reno estão identificados e sim, embora ela tenha emitido tais ordens – e certamente a considero moralmente culpada do banho de sangue – nada conseguiria ter feito se não graças aos compelidores. Nenhum tirano consegue fazer muito sem seus compelidores.
Just Following Orders
Apenas Obedecendo a Ordens
Reno was just like all the government officials/politicians throughout our history and today.
Reno agiu da mesma forma que todas as autoridades/políticos do governo ao longo de nossa história e hoje.
Those in power can sit back smugly while dictating to others how and when to use violence. The enforcers do the dirty work.
Quem está no poder pode aboletar-se confortavelmente enquanto determina a outras pessoas como e quando usarem de violência. Os compelidores fazem o trabalho sujo.
In this example, the raid fulfilled the orders from those in power, and those who enforced it were just following orders as they must, right? Wrong.
No exemplo citado, os incursores cumpriram as ordens dos que estavam no poder, e aqueles que fizeram com que as ordens fosse cumpridas estavam apenas cumprindo ordens como era seu dever, certo? Errado.
I reject this, in the same light I reject the Nuremberg Defense.
Rejeito esse modo de pensar, pelos mesmos motivos que rejeito a Defesa de Nuremberg.
Following orders is emulated as necessary to the orderly operation of many a group, but when an individual takes a job in which he must fork over his allegiance to the government, he is making a grave mistake…and for what? A paycheck. To play even the minutest part in apprehension of an individual who has truly harmed no other is to be responsible for every mistreatment and injustice that individual experiences thereon. Anyone who would enforce a law, for which there was truly no actual victim, is committing evil in return for a paycheck.
Seguir ordens é considerado necessário para o funcionamento ordeiro de muitos grupos, mas quando um indivíduo aceita um emprego no qual ele tem de penhorar sua lealdade ao governo, está cometendo grave equívoco … e em troca do quê? De um salário. Desempenhar até a parte mais mínima para apreender uma pessoa que em verdade não causou mal nenhum a outrem é tornar-se responsável por todos os maus tratos e injustiças que aquele indivíduo experimentará em decorrência. Qualquer pessoa que faça cumprir uma lei em casos nos quais não exista nenhuma vítima real está cometendo o mal em troca de um salário.
The job of enforcing of government “laws” and “orders” elicits amongst many a respect; the badge or uniform supposedly represents someone pledged to protect the people or as it’s called “public safety.” The reality, of course as evidenced by numerous tragic needless deaths nation- and word-wide is quite the opposite. Civil suits against the U.S. Federal government or any level of government are not feasible/possible for the majority of those victimized, as they often require much money when you’re up against an entity which uses YOUR money (taxes) in defense to escape whatever accountability should be metered assuming actual moral/ethical guilt in a situation. It seems what is morally wrong when perpetrated by government enforcers is often found to be legal…and what is morally right when exercised by peaceful people is often found to be illegal.
O trabalho de fazer cumprir “leis” e “ordens” do governo desperta sentimento de respeito em muitas pessoas; o distintivo ou uniforme representaria alguém que jurou proteger as pessoas ou, como se diz, a “segurança pública.” A realidade, obviamente, como evidenciado por numerosas mortes trágicas e sem necessidade, no país e no mundo, é exatamente o oposto. Processos civis contra o governo federal dos Estados Unidos ou qualquer nível do governo não são factíveis/possíveis para a maioria dos vitimados, visto amiúde exigirem muito dinheiro ao você se levantar contra uma entidade que usa o SEU dinheiro (impostos) para defender-se a fim de escapar de qualquer prestação de contas a ser aplicada mediante assunção de culpa moral/ética real em determinada situação. Parece que o que é moralmente errado é amiúde considerado legal, quando perpetrado por compelidores do governo... e o que é moralmente correto é amiúde considerado ilegal quando exercido por pessoas pacíficas.
Position and wealth have far more to do with accountability than guilt or innocence. Unequal application of law for any number of reasons appears to be frequent. And the law itself is no longer a means to protect but to persecute (a profitable process for those working in the system) by prosecution, or by occupation when its for the imperialism of the United States.
Cargo e riqueza têm muito mais a ver com prestação de contas do que com culpa e inocência. Aplicação desigual da lei por qualquer número de motivos parece ser frequente. E a lei ela própria não mais é meio de proteger e sim de perseguir (processo lucrativo para aqueles que trabalham no sistema) por meio de processo, ou por ocupação quando pelo imperialismo dos Estados Unidos.
Every enforcement job, from the federal agencies and military to your local police, men and women for the sake of a job pledge to uphold the dictates of the politicians. I can think of no other such dis-respectable cowardly job than that of an enforcer. When “law” ceases to be a manner in which consenting citizens agree to not aggress against one another and who use force in self-defense and instead becomes a means by which those in power benefit at the expense of the suffering of others one can not, in good conscience, be an enforcer of said law without they themselves becoming guilty of the evil perpetrated by those who issue the orders when they enforce them. To abet any wrong-doing is to become responsible as well.
Em todo cargo voltado para a função de compelir, desde órgãos federais e militares até a polícia local, homens e mulheres, em troca de um emprego, juram fazer cumprir os ditames dos políticos. Não consigo imaginar cargo mais covardemente indigno de respeito do que o de um compelidor. Quando a “lei” cessa de ser maneira pela qual cidadãos consensualmente concordam em não se agredirem mutuamente e em só usar a força em defesa própria e se torna, em vez disso, meio pelo qual aqueles no poder beneficiam-se a expensas do sofrimento de outros uma pessoa não pode, em boa consciência, ser compelidora ao cumprimento de tal lei sem tornar-se culpada do mal perpetrado por aqueles que emitem as ordens que ela faz cumprir. Apoiar qualquer coisa errada é tornar-se igualmente responsável.
Hitler, Stalin or Mao, for example, could never have accomplished such evil if not for all those people who decided for the benefit to themselves to become an enforcer of the decrees of those above them. Likewise, the evil perpetrated by the U.S. military and by federal, state and local law enforcement across the United States would not happen if not for the enforcers.
Hitler, Stalin ou Mao, por exemplo, nunca poderiam ter feito tanto mal se não contassem com todas aquelas pessoas que, para benefício próprio, resolveram tornar-se compelidoras do cumprimento dos decretos dos que estavam acima delas. Do mesmo modo, o mal perpetrado pela instituição militar dos Estados Unidos e pelos compelidores nos níveis federal, estadual e local em todos os Estados Unidos não aconteceria não fossem esses compelidores.
The international wars to the domestic wars on drugs, immigrants, terrorism, etc. and so many other violently enforced government laws of the country have resulted in hundreds of thousands of needless deaths and all due to the enforcers. As but one example, the drug war victims whether those involved with drugs or those bystanders. Read of some of the many lives tragically snuffed out by enforcers: http://www.drugwarrant.com/articles/drug-war-victim/ or simply start listening to the accounts of deaths or brutal suffering or deaths of people (including teens, mentally or emotionally disturbed, retarded, or just fearful or confused etc.) taken into custody (or attempted to be taken) for relative trivial “crimes” due to over-reactions, mistreatment, mistakes, disregard, incompetence and sometimes purposeful misconduct of the officers or soldiers charged with enforcing the law upon them. I also refer you to two informative websites: http://www.copblock.org/and http://www.injusticeeverywhere.com/
As guerras internacionais e as guerras domésticas contra drogas, imigrantes, terrorismo etc. e tantas outras leis do país feitas cumprir pelo governo mediante emprego de violência resultaram em centenas de milhares de mortes desnecessárias e tudo graças aos compelidores. Como apenas um exemplo, as vítimas da guerras às drogas, sejam os envolvidos com drogas ou os que estavam por perto. Leia acerca de algumas das muitas vidas tragicamente extintas por compelidores: http://www.drugwarrant.com/articles/drug-war-victim/ ou simplesmente comece a ouvir as descrições de mortes ou brutal sofrimento ou morte de pessoas (inclusive adolescentes, pessoas com distúrbios mentais ou emocionais, retardados, ou apenas pessoas amedrontadas ou confusas etc.) tomadas em custódia (ou às quais tentaram tomar em custódia) por “crimes” relativamente triviais devidos a reações exageradas, maus tratos, equívocos, negligência, incompetência e por vezes má conduta propositada das autoridades ou dos soldados encarregados de fazer cumprir a lei em relação a elas. Também cito para vocês dois websites informativos: http://www.copblock.org/ e http://www.injusticeeverywhere.com/
Tasers that end up killing; medical needs going untreated; raids and shots fired at incorrect residence or persons; collateral damage it’s called…loss of loved ones when it happens to you…such stories are more and more commonplace – not exceptional. Apprehension of those who have harmed no other (but whose peaceful behavior has been deemed criminal) is prevalent, and in the course of doing that, even those the law considers innocents get harmed, and certainly those they take into custody have their lives severely affected when they harmed or stolen from none.
Tasers que acabam matando; necessidades médicas que ficam sem tratamento; incursões e tiros disparados contra residência ou pessoas incorretas; chamados de danos colaterais... quando acontece com você, porém, a expressão é perda de entes queridos... tais histórias são cada vez mais comuns – não excepcionais. Prisão de pessoas que não causaram nenhum mal a outrem (mas cujo comportamento pacífico foi considerado criminoso) é algo disseminado e, ao isso ser feito, até aqueles que a lei considera inocentes sofrem danos, e certamente aqueles levados em custódia têm suas vidas severamente afetadas quando sofrem danos ou são roubados por nada.
Some are “Good Guys”
Alguns são “Gente Boa”
Well, I’m sure many appear likable in their civilian lives: They’re married, have children, watch football, attend church, volunteer, give to charity, help the neighborhood and school, etc. and look like the typical average American “good guy.” By that definition I bet some of those whose actions resulted in the civilian deaths at the Davidian church were “good guys” as were likely some of those those who joined in the deadly siege at Ruby Ridge (where Randy Weaver’s son and wife were killed at their cabin home). Think about all the “good guys” who’ve engaged in those paramilitary police raids in the drug war or the “good guys” who put your sons, daughters, husbands and wives, into prison for nothing more than ingesting a substance the government forbids or for engaging in some other harmless activity. And, even, those “good guys” who ticket you for nothing more than wearing a seat belt – what right do any of these enforcement officers have to violate your liberty when you have hurt no one? They have the “legal” right by the tyrannical government but not the moral or ethical right.
Ora bem, estou certa de que muitos parecem palatáveis em suas vidas civis: São casados, têm filhos, veem futebol, frequentam a igreja, fazem serviços voluntários, doam para caridade, ajudam o bairro e a escola e têm a aparência do típico “bom sujeito” estadunidense. A partir dessa definição, aposto que alguns daqueles cujas ações resultaram na morte de civis na igreja Davidiana eram “gente boa” como eram provavelmente alguns daqueles que se juntaram ao letal sítio a Ruby Ridge (onde o filho e a mulher de Randy Weaver foram mortos em seu lar na cabana). Pense em todos os “bons sujeitos” que se engajaram naquelas incursões de polícia paramilitar na guerra às drogas ou nos “bons sujeitos” que põem seus filhos, filhas, maridos e mulheres na prisão por nada mais do que ingerirem uma substância que o governo proíbe ou por envolverem-se em alguma outra atividade inofensiva. E no entanto essa “gente boa” que multa você por nada mais do que o uso de um cinto de segurança – que direito tem qualquer desses agentes compelidores de violar sua liberdade quando você não causou mal a ninguém? Eles têm o direito “legal” concedido pelo governo tirânico, mas não o direito moral ou ético.
So the “good guy” argument falls short. Good guys wouldn’t want to cause an injustice in your life when you have harmed no other.
Portanto o argumento do “bom sujeito” não se sustenta. Bons sujeitos não se prestariam a causar uma injustiça na sua vida quando você não tenha causado nenhum mal a outrem.
I’ve met what seem to be relatively good men who have joined law enforcement or the military with apparently the best of intentions. But prohibitions upon peaceful activities and the greed to legally steal the property of others (which is the mainstay of government) is dependent on these enforcers. This is why I consider anyone who chooses to enter any enforcement agency suspect morally and ethically.
Tenho encontrado homens aparentemente boas pessoas que entraram na carreira de fazer cumprir a lei ou na instituição militar com aparentemente a melhor das intenções. Nada obstante, proibições de atividades pacíficas e a ganância de furtar legalmente a propriedade de outrem (que é o principal cabo de sustentação do governo) dependem desses compelidores. Eis porque considero qualquer pessoa que opte por ingressar em qualquer órgão compelidor suspeita moral e eticamente.
If providing safety for people is your goal, you’re choosing wrongly to become an agent of the government. In a free society, safety/security entities would respond when called upon -that is, when someone asks for their help. They would not go out looking for “criminals,” and neither would they criminalize peaceful behavior of any sort.
Se proporcionar segurança para as pessoas é seu objetivo, você estará escolhendo errado ao optar por tornar-se agente do governo. Numa sociedade livre, entidades de proteção/segurança reagem quando são acionadas - isto é, quando alguém pede o auxílio delas. Não sairão à caça de  “criminosos,” nem criminarão comportamento pacífico de qualquer tipo.
The enforcers of government take many forms: this includes police officers, sheriff deputies, troopers, marshals, immigration/customs/border agents, or any member government agencies such as the FBI, DEA, ATF, TSA, Homeland Security, etc. or anyone in the military, and all must be rejected as a career path for a man of conscience considering what is now deemed “lawful” by government.
Os compelidores do governo assumem muitas formas: entre elas, a de autoridades policiais, assistentes de xerifes, policiais montados, delegados, agentes de imigração/alfândega/fronteira, ou qualquer membro de órgãos do governo como FBI, DEA, ATF, TSA, Segurança da Pátria etc. ou qualquer pessoa da instituição militar, e todas essas formas têm de ser rejeitadas como carreira por homem de consciência que medite acerca do que hoje é considerado “dentro da lei” pelo governo.
One must never willingly enter into a career which requires the setting aside of one’s values, one’s conscience, in order to fulfill the job obligations. Anyone who participates in the apprehension of those who violate government’s rules falls into this category; None can in good (job) standing say no to a legal order…therein is the problem. To remain true to conscience may most likely mean refusal to obey at times, is that a job one should be willingly taking at this time?
É preciso nunca ingressar deliberadamente numa carreira que requeira da pessoa deixar de lado seus valores, sua consciência, para cumprir suas obrigações de trabalho. Qualquer pessoa que participe da detenção daqueles que violam as regras do governo recai nessa categoria; ninguém pode em sã consciência (profissional) dizer não a uma ordem legal... e aí está o problema. Permanecer fiel à própria consciência poderá muito provavelmente significar recusar-se a obedecer por vezes, e pois será esse um trabalho que alguém deva intencionalmente nos tempos que correm?
I reject taking stolen money which is what “taxation” is as one’s paycheck, thus I view all public-sector employees as thieves, although I recognize most people do not share this awareness, so aside from what to me seems an obvious dishonorable way to make a living by working for the government in any capacity, I particularly regard anyone who is willing to sell their soul literally by pledging to uphold unjust laws as cowardly and despicable, for it is they who make all manner of the evils we now see before us daily possible.
Rejeito a tomada de dinheiro furtado, que é o que a “tributação” é contra a remuneração da pessoa, portanto vejo os empregados do setor público como ladrões, embora reconheça que a maioria das pessoas não compartilha dessa consciência; e pois além do que para mim parece modo obviamente desrespeitoso de ganhar a vida mediante trabalhar para o governo a qualquer título; vejo particularmente qualquer pessoa disposta a vender a alma literalmente mediante prometer fazer cumprir leis injustas como covarde e desprezível, pois é gente assim que torna possível todo tipo de mal que hoje vemos diante de nós diariamente.
If you’re truly drawn to careers to protect others, it is an admirable pursuit. The good intentions are misplaced if one regards use of force in service to government as equated with service to humanity.You must in good conscience seek employment in the private sector (which in a free society is where all safety/security services should be obtained).
Se você realmente tem vocação para carreiras voltadas para proteger outrem, que persecução admirável. As boas intenções estarão fora de lugar se alguém considerar o uso da força no serviço do governo como igual a serviço para a humanidade. Você precisará, em sã consciência, buscar emprego no setor privado (o qual, numa sociedade livre, é onde todos os serviços de proteção/segurança deveriam ser obtidos).
To ignore what you already know is to set oneself up to be forced one day to decide upon enforcing a law or order or being charged with insubordination. You can’t earn an honest living and live peacefully if you enforce all the laws/orders expected of you when working for the government because government itself is force. To arrogantly think one can pick and choose what they will do under pressure is to foolishly put oneself into an unnecessary confrontation between good and evil when the situation arises – knowing full well that they’ve sworn to uphold their orders in exchange for that paycheck…no wise individual would choose to enter a career where such stressful situations are nearly inevitable. As an enforcement officer, you’re expected to obey, not choose which orders/laws you will enforce. There is a huge difference between self defense and becoming an agent of force – self defense is only defensive against someone who has or is hurting another; becoming an enforcement officer means threatening to use force against anyone the government says you must. That cannot be consistent with a man of conscience.
Ignorar o que você já sabe é colocar-se numa situação de ser forçado, um dia, a decidir quanto a fazer cumprir uma lei ou ordem ou ser acusado de insubordinação. Você não poderá ganhar honestamente seu salário e viver em paz se fizer cumprir todas as leis/ordens conforme esperado de você quando trabalhando para o governo, porque o governo é, ele próprio, força. Pensar arrogantemente que alguém poderá selecionar e escolher o que fará sob pressão é insensatamente colocar-se num confronto desnecessário entre bem e mal quando a situação surgir – sabendo muito bem ter jurado fazer cumprir as ordens superiores em troca do salário... nenhum indivíduo sensato escolherá entrar numa carreira onde tais situações estressantes sejam praticamente inevitáveis. Como autoridade compelidora, a expectativa será a de que você obedeça, não a de que escolha que ordens/leis fará cumprir. Há enorme diferença entre autodefesa e tornar-se agente da força – autodefesa é apenas a defesa de alguém que feriu ou está ferindo outra pessoa; tornar-se autoridade compelidora significa ameaçar usar a força contra qualquer pessoa que o governo diga você deva. Isso não pode ser coerente com um homem de consciência.
The entire process of making enemies (internationally) and making criminals (domestically) is to make money for the few in power. Do not become part of it. War and crime is a profitable business which is not practiced with regret in this country, but with glee…no man who values the truth should participate. It is time the American people end their common social acceptance and approval and thus defense of the enforcers, and make them socially (if not legally when possible) accountable for the evil they commit. Choosing to enter an enforcement career should not be praised but belittled.
O processo inteiro de criar inimigos (internacionalmente) e criar criminosos (domesticamente) é ganhar dinheiro para os poucos que estão no poder. Não se torne parte disso. Guerra e crime são atividades lucrativas não praticadas com remorso neste país, e sim com satisfação... nenhum homem que valoriza a verdade deveria participar. É hora de o povo estadunidense acabar com sua aceitação social e aprovação comuns e pois com a defesa dos compelidores, e torná-los socialmente (se não legalmente sempre que possível) responsabilizáveis pelo mal que cometam. Escolher carreira de compelir deveria não ser elogiado, e sim apoucado.
Making matters worse, not every individual who joins these enforcement agencies even has good intentions, some are attracted for the power and the arrogantly assumed lack of accountability they think they have.
Para tornar as coisas piores, nem todo indivíduo que se junta aos órgãos compelidores tem boas intenções, alguns deles sentem-se atraídos pelo poder e pela arrogantemente assumida falta de responsabilização da qual entendem gozar.
People are Dying and Hurting
Pessoas estão Morrendo e Sofrendo
People are hurting and dying due to so many injustices from government. The enforcers do the hurting.
Pessoas estão sofrendo e morrendo por causa de tantas injustiças do governo. Os compelidores são os que provocam a dor.
The police are not your friend The troops are not your friend. No enforcement officer is your friend. They are those who may have good intentions but have pledged allegiance not to your safety but to the government. View them with suspicion and caution wherever you encounter them.
Os policiais não são seus amigos. Os soldados não são seus amigos. Nenhuma compelidora é sua amiga. Essas são aquelas pessoas que podem ter boas intenções mas juraram lealdade não à sua proteção, e sim ao governo. Veja-as com suspeita e cautela sempre que as encontrar.
Their loyalty has been pledged to upholding the will of a government entity/will of politicians rather than to upholding their conscience when it comes to the righteous, just, moral, ethical treatment of fellow human beings. Humanity is not their guide; but government. For a job, they’ve sworn over allegiance to perform the legal dictates of their superiors, and as we’ve seen “legal” doesn’t often mean accountability as it would in a natural law freedom-based society. Legal and illegal often has little to do with what is right or wrong.
A lealdade delas foi comprometida com a manutenção da vontade de entidade governamental/desejo de políticos e não com a manutenção de sua consciência ao se tratar de tratamento probo, justo, moral e ético de seus semelhantes seres humanos. A humanidade não é o guia delas: é-o o governo. Em troca de um emprego, elas juraram lealdade ao desempenho dos ditames de seus superiores, e já vimos que “legal” não significa, amiúde, responsabilização, como significaria numa sociedade de lei natural baseada na liberdade. O legal e o ilegal amiúde têm pouco a ver com o que é certo ou errado.
There will be, as we’ve seen, a few who choose their conscience even in the midst of the wrong-doing they are expected to partake in or overlook – they are heroes – as they have chosen to refuse the evil (even though they unknowingly or without enough thought previously joined such a law enforcement agency).
Haverá, como já vimos, uns poucos que escolhem sua consciência mesmo no meio do ilícito que deles se espera participem ou deixem de enxergar - eles são os heróis - pois optaram por recusar o mal (embora por ignorância ou por não terem pensado o suficiente tenham ingressado anteriormente em tal órgão compelidor ao cumprimento da lei).
I commend those enforcement officers and soldiers with the courage to defy doing that which is expected of them when they know it to be wrong; but I do not think any good individual should, knowing what they know about this government now, choose to now join any area of law enforcement. And if already part of such an agency, it is advisable to try and change your job from the public to private, as affronting the real rights of people in any government employment is virtually impossible to avoid.
Elogio essas autoridades compelidoras e soldados com coragem de não fazer o que se espera que façam quando sabem ser errado; mas não acho que qualquer pessoa boa, sabendo o que sabe acerca deste governo agora, escolha hoje juntar-se a qualquer área compelidora ao cumprimento da lei. E se tal pessoa já for parte de tal órgão, é aconselhável que tente mudar de emprego do público para o privado, visto que afrontar os direitos reais das pessoas em qualquer emprego do governo é praticamente impossível de evitar.
Without the enforcers, the political tyrants could harm few. To truly grasp this significance, one must return to that old saying which I paraphrase: What if government wanted to begin a war, and no soldiers came to fight it for them? Same can be said domestically – there would be no wars on drugs, or on immigrants or the ubiquitous war on terror – if no one came to fight it for them. Justice, safety, and security among men does not require the force of government, but on the contrary, it functions best through the voluntary associations and exchanges between free people to provide any such services.
Sem os compelidores, os tiranos políticos poderiam fazer pouco mal. Para entender a importância disso, é preciso voltar ao velho adágio que parafraseio: E se o governo desejasse iniciar guerra, e nenhum soldado viesse lutar por ele? O mesmo pode ser dito domesticamente - não haveria guerras a drogas, ou a imigrantes ou a onipresente guerra ao terror - se ninguém viesse lutar nela. Justiça, proteção e segurança entre os homens não requerem a força do governo, e sim, pelo contrário, funcionam melhor por meio de associações voluntárias e trocas entre as pessoas para oferta de quaisquer de tais serviços.
Let us remember the Branch Davidian massacre this April 19, some 19 years ago, and the sad but important lesson it teaches us about government and its enforcement branches.
Lembremo-nos do massacre do Rebento Davidiano neste 19 de abril, há 19 anos, e da triste mas importante lição que ele nos ensina acerca do governo e de seus órgãos voltados para compelir.



No comments:

Post a Comment