Friday, January 6, 2012

FFF - The Kennedy Autopsy, Part 1


ENGLISH
PORTUGUÊS
THE FUTURE OF FREEDOM FOUNDATION - FFF
A FUNDAÇÃO FUTURO DE LIBERDADE - FFF
COMMENTARIES
COMENTÁRIOS
The Kennedy Autopsy, Part 1
A Autópsia de Kennedy, Parte 1
by Jacob G. Hornberger
por Jacob G. Hornberger
August 23, 2011
23 de agosto de 2011
The Kennedy Assassination Series:
A Série Assassínio de Kennedy:
On the afternoon of November 22, 1963, one of the most astonishing events in the history of U.S. law enforcement took place at Parkland Hospital in Dallas. It involved a confrontation between agents of the Secret Service and hospital personnel.
Na tarde de 22 de novembro de 1963 teve lugar, no Hospital Parkland, em Dallas, um dos mais espantosos eventos da história do cumprimento da lei dos Estados Unidos. Envolveu confronto entre agentes do Serviço Secreto e do pessoal do hospital.
After President John F. Kennedy was declared dead at Parkland Hospital, his body was placed into an expensive bronze, ornate casket that had just been ordered and delivered by O’Neal Funeral Home in Dallas. Agents of the Secret Service immediately took control over the casket and began removing it from the hospital, over the vehement objections of the Dallas County medical examiner, Dr. Earl Rose, who was the hospital’s chief of forensic pathology. Rose told the agents that they weren’t going anywhere with the casket, at least not until an autopsy had been conducted. Since a murder had just taken place, Texas law required an autopsy to be conducted on the victim’s body.
Depois de o Presidente John F. Kennedy ter sido declarado morto no Hospital Parkland, o corpo dele foi colocado num dispendioso esquife de bronze, decorado, que havia acabado de ser encomendado e entregue pela Funerária O'Neal de Dallas. Agentes do Serviço Secreto imediamente assumiram o controle do esquife e começaram a retirá-lo do hospital, debaixo de veementes objeções do examinador médico(*) do Condado de Dallas, Dr. Earl Rose, que era o chefe da patologia legal. Rose disse aos agentes que eles não iriam a parte alguma com o esquife, pelo menos não antes de ser conduzida autópsia. Visto ter acabado de ocorrer assassínio, a lei do Texas exigia fosse conduzida autópsia do corpo da vítima.
(*) Autoridade do governo medicamente qualificada cujo dever é investigar mortes e ferimentos que ocorram em circunstâncias inusitadas ou suspeitas, efetuar exames post-mortem e, em algumas jurisdições, dar início a inquéritos/sindicâncias. Ver Wikipedia, 'medical examiner'.
The purpose of an autopsy is to determine how the victim was killed. In the ideal case, it’s conducted by a forensics pathologist, one trained in violent deaths. The pathologist carefully examines the shooting victim’s body, searches for bullets and removes them, probes bullet holes with rods, has photographs and X‑rays taken, and fills out an official autopsy report detailing his findings. In a sense, the victim’s body is a crime scene, one that must be carefully preserved, examined, and reported on.
O objetivo de uma autópsia é determinar como a vítima foi morta. Idealmente é conduzida por um patologista legal, treinado em mortes violentas. O patologista examina cuidadosamente o corpo da vítima de disparo, procura balas e as remove, sonda furos de balas usando hastes, tira fotografias e raios-X e preenche um relatório oficial de autópsia detalhando seus achados. De certo modo, o corpo da vítima é uma cena de crime, que precisa ser cuidadosamente preservada, examinada e objeto de relato.
What was the Secret Service’s attitude toward Rose? The agents confronting him clearly had one mission — to prevent Texas officials from conducting an autopsy on the president’s body and to get it out   of Parkland Hospital immediately and delivered to Dallas Love Field, where it would be immediately flown back to Washington, D.C.In his book Conspiracy of Silence, Dr. Charles Crenshaw, one of the physicians who had attended to the president’s   wounds, stated that he had heard the “men in suits” telling hospital pathologists Vernon Stembridge and Sidney Stewart that “they had orders to take the President’s body back to Washington, D.C., just as soon as it was ready to be moved, that there would be no Texas autopsy.”
Qual foi a atitude do Serviço Secreto em relação a Rose? Os agentes que o confrontaram claramente tinham uma só missão — impedir que as autoridades do Texas conduzissem autópsia no corpo do presidente e tirar o corpo imediatamente do Hospital Parkland entregando-o no Campo Love de Dallas, de   onde ele imediatamente voaria de volta para Washington, D.C. Em seu livro Conspiração do Silêncio o Dr. Charles Crenshaw, um dos médicos que haviam tratado dos ferimentos do presidente, declarou ter ouvido os “homens de terno” dizendo aos patologistas do hospital, Vernon Stembridge e Sidney Stewart, que “eles tinham ordens de levar o corpo do Presidente para Washington, D.C., logo que estivesse pronto para ser removido, e que não haveria autópsia no Texas.”
What jurisdiction did the Secret Service have over the president’s body? None. At that time, it was not a federal offense to assassinate the president. Thus, when Kennedy was shot and killed, the federal government had no jurisdiction over the matter at all. That, of course, included the Secret Service. Nonetheless, the Secret Service agents at Parkland Hospital make it clear to Parkland Hospital officials that they had absolutely no intention of permitting Texas officials to conduct the autopsy required by law. Brandishing guns, they began screaming and yelling for people to get out of their way. When Rose blocked their way, emphasizing to them that Texas law required the autopsy to be conducted, the agents flew into a fit of loud, angry profanities, exposed their guns, and began forcibly pushing people out of the way as they wheeled the casket out of the hospital.
Que jurisdição tinha o Serviço Secreto sobre o corpo do presidente? Nenhuma. À época, assassinar o presidente não constituía ofensa federal. Portanto, quando Kennedy foi atingido e morto o governo federal não tinha jurisdição em absoluto em relação ao assunto. O que, naturalmente, incluía o Serviço Secreto. Todavia, os agentes do Serviço Secreto no Hospital Parkland deixaram claro para as autoridades do Hospital Parkland não terem absolutamente intenção nenhuma de permitir que as autoridades do Texas conduzissem a autópsia exigida por lei. Brandindo armas de fogo, começaram a gritar e vociferar para que as pessoas saíssem do caminho deles. Quando Rose bloqueou o caminho deles, enfatizando para eles que a lei do Texas exigia que a autópsia fosse realizada, os agentes passaram a emitir em voz alta e raivosa palavrões, mostraram suas armas e começaram a empurrar as pessoas para fora de seu caminho enquanto rodavam o esquife para fora do hospital.
Here’s how Crenshaw described this amazing encounter in his book Conspiracy of Silence:
Eis como Crenshaw descreveu esse espantoso confronto em seu livro Conspiração do Silêncio:
As though on cue, a phalanx of guards poured into Trauma Room 1 just as the coffin was being rolled out. They looked like a swarm of locusts descending upon a cornfield. Without any discussion, they encircled the casket and began escorting the President’s body down the hall toward the emergency room exit. A man in a suit, leading the group, holding a submachine gun, left little doubt in my mind who was in charge. That he wasn’t smiling best describes the look on his face. Just outside Trauma Room 1, Jacqueline [Kennedy] joined the escort and placed her hand on the coffin as she walked along beside it. I followed directly behind them.
Como obedecendo a uma deixa, uma falange de guardas precipitou-se para dentro da Sala de Trauma 1 no momento em que o esquife era rolado para fora. Parecia um enxame de gafanhotos atacando uma plantação de milho. Sem qualquer diálogo, cercaram o esquife e começaram a escoltar o corpo do Presidente corredor a fora rumo à saída da sala de emergência. Um homem de terno, liderando o grupo, portando uma submetralhadora, deixava pouca dúvida em minha mente acerca de quem estava no comando. A melhor maneira de descrever a expressão do rosto dele é dizer que ele não estava sorrindo. Logo fora da Sala de Trauma 1, Jacqueline [Kennedy] juntou-se à escolta e pôs a mão sobre o esquife, andando paralelamente a ele. Eu segui imediatamente atrás deles.
When the entourage had moved into the main hall, Dr. Earl Rose, chief of forensic pathology, confronted the men in suits. Roy Kellerman, the man leading the group, looked sternly at Dr. Rose and announced, “My friend, this is the body of the President of the United States, and we are going to take it back to Washington.”
Quando o séquito chegou ao saguão principal, o Dr. Earl Rose, chefe da patologia legal, confrontou os homens de terno. Roy Kellerman, o homem que liderava o grupo, olhou carrancudo para o Dr. Rose e anunciou: “Amigo, este é o corpo do Presidente dos Estados Unidos, e vamos levá-lo de volta para Washington.”
Dr. Rose bristled and replied, “No, that’s not the way things are. When there’s a homicide, we must have an autopsy.”
O Dr. Rose empertigou-se e respondeu: “Não, não é assim que se faz. Quando há um homicídio, temos que fazer autópsia.”
“He’s the President. He’s going with us,” Kellerman barked, with increased intensity in his voice.
“Ele é o Presidente. Ele irá conosco,” ladriu Kellerman, com crescente intensidade na voz.
“The body stays,” Dr. Rose said with equal poignancy.
“O corpo fica aqui,” disse o Dr. Rose, de modo igualmente incisivo.
Kellerman took an erect stance and brought his firearm into a ready position. The other men in suits followed course by draping their coattails behind the butts of their holstered pistols. How brave of these men, wearing their Brooks Brothers suits with icons of distinction (color-coded Secret Service buttons) pinned to their lapels, willing to shoot an unarmed doctor to secure a corpse.
Kellerman ficou bem ereto e aprontou sua arma de fogo para ser usada. Os outros homens de terno o imitaram drapejando as abas de seus paletós para detrás das coronhas de suas pistolas no coldre. Que corajosos esses homens, vestidos de ternos Brooks Brothers com símbolos de distinção (botões com código de cores do Serviço Secreto) presos a suas lapelas, dispostos a atirar num médico desarmado para obterem um cadáver.
“My friend, my name is Roy Kellerman. I am special agent in charge of the White House detail of the Secret Service. We are taking President Kennedy back to the capitol.”
“Amigo, meu nome é Roy Kellerman. Sou agente especial encarregado do grupo do Serviço Secreto na Casa Branca. Estamos levando o Presidente Kennedy de volta para o capitólio.”
“You are not taking the body anywhere. There’s a law here. We’re going to enforce it.”
“Vocês não estão levando o corpo para parte alguma. Há uma lei aqui. Vamos fazer com que seja cumprida.”
Admiral George Burkley, White House Medical Officer, said, “Mrs. Kennedy is going to stay exactly where she is until the body is moved. We can’t have that ... he’s the President of the United States.”
O Almirante George Burkley, Autoridade Médica da Casa Branca, disse: “A Sra. Kennedy ficará exatamente onde está até que o corpo seja removido. Não podemos deixar isso ... ele é o Presidente dos Estados Unidos.”
“That doesn’t matter,” Dr. Rose replied rigidly. “You can’t lose the chain of evidence.”
“Isso não interessa,” respondeu rigidamente o Dr. Rose. “Vocês não podem quebrar a cadeia de evidência.”
For the second time that day, there was little doubt in my mind as to the significance of what was happening before me.
Pela segunda vez naquele dia havia pouca dúvida em minha mente quanto à importância do que estava acontecendo diante de mim.
“Goddammit, get your ass out of the way before you get hurt,” screamed another one of the men in suits. Another snapped, “We’re taking the body, now.”
“Porcaria, tire seu traseiro do caminho antes que você se machuque,” gritou outro dos homens de terno. Outro falou rispidamente “Vamos levar o corpo, agora.”
Strange, I thought, this President is getting more protection dead than he did when he was alive.
Estranho, pensei, este Presidente está tendo mais proteção morto do que quando estava vivo.
Had Dr. Rose not stepped aside I’m sure that those thugs would have shot him. They would have killed me and anyone else who got in their way. Dr. Kemp Clark wanted to physically detain the coffin, but the men with guns acted like tough guys with specific orders. A period of twenty-seven years has neither erased the fear that I felt nor diminished the impression that that incident made upon me.
Se o Dr. Rose não tivesse saído do caminho, estou certo de que aqueles tugues teriam disparado contra ele. Teriam-me matado e a quem mais se pusesse em seu caminho. O Dr. Kemp Clark quis deter o esquife fisicamente, mas os homens com armas de fogo agiram como sujeitos durões com ordens específicas. Um período de vinte e sete anos nem fez arrefecer o medo que senti nem diminuiu a impressão que aquele incidente me causou.
They loaded the casket into the hearse, Jacqueline got into the backseat, placed her hand on top of the coffin, and bowed her head. As they drove off, I felt that a thirty-year-old surgeon had seen more than his share for one day.
Embarcaram o esquife no carro funerário, Jacqueline sentou-se no banco de trás, colocou a mão em cima do esquife, e baixou a cabeça. Ao eles partirem, senti que, como cirurgião de trinta anos de idade, eu havia visto mais do que minha dose de um dia.
Imagine that — federal agents threatening to use deadly force on doctors who had just finished trying to save the president’s life. That’s astonishing. And all to prevent Texas officials from doing their job under Texas law. All to prevent them from conducting an autopsy on the president’s body.
Imaginem isso — agentes federais ameaçando usar força letal contra médicos que haviam acabado de tentar salvar a vida do presidente. É espantoso. E tudo para impedir as autoridades do Texas de fazer seu trabalho de acordo com a lei do Texas. Tudo para impedi-las de levar a efeito uma autópsia no corpo do   presidente.
Why? Why was the Secret Service so adamant about getting the president’s body out of the hospital so quickly and preventing an autopsy from being conducted on it? After all, they could have instead said, “Dr. Rose, we fully understand your position. That is Texas law, and we don’t want to interfere with or obstruct Texas law. And we certainly don’t want to do anything that will adversely impact a criminal case against whoever committed this dastardly act. We are fully prepared to cooperate with you, wait until you have finished with the autopsy, and then return the body to Washington for the funeral.”
Por quê? Por que o Serviço Secreto foi tão inflexível no tocante a tirar o corpo do presidente do hospital tão rapidamente e a impedir fosse conduzida autópsia nele? Afinal de contas, poderia ter dito “Dr. Rose, entendemos plenamente sua posição. Essa é a lei do Texas, e não desejamos interferir na lei do Texas, nem obstruí-la. E certamente não desejamos fazer nada que tenha impacto adverso num processo criminal contra quem tenha cometido esse ato vil. Estamos totalmente dispostos a cooperar com o senhor, a esperar até que o senhor tenha acabado a autópsia, e então encaminharemos o corpo para Washington para o funeral.”
Isn’t that how we would normally expect law-enforcement officials to conduct themselves?
Não é como normalmente esperaríamos que autoridades do cumprimento da lei se conduzissem?
In any event, the ambulance then took the casket, along with Mrs. Kennedy, from the hospital to Love Field, arriving about ten minutes later at 2:14 p.m.
De qualquer forma, a ambulância em seguida levou o esquife, juntamente com a Sra. Kennedy, do hospital para o Campo Love, ali chegando cerca de dez minutos depois, às 14:14 horas.
Surprisingly, President Johnson was still there, despite the fact that he had been taken to Love Field soon after the president had died at 1:00 p.m. After all, don’t forget that this was the height of the Cold War. It had been less than a year since the United States had come to the brink of nuclear war with the Soviet Union during the Cuban missile crisis. Wouldn’t you think that Johnson would consider that the assassination of President Kennedy might be the first step in a Soviet sneak WMD attack on the United States?
Surpreendentemente, o Presidente Johnson ainda estava lá, a despeito do fato de haver sido levado para o Campo Love logo depois de o presidente ter morrido, às 13:00 horas. Afinal de contas, não nos esqueçamos de que era o ápice da Guerra Fria. Havia-se passado menos de um ano desde quando os Estados Unidos haviam chegado à beira de guerra nuclear com a União Soviética durante a crise dos mísseis cubanos. Não pensariam vocês que o assassínio do Presidente Kennedy poderia ser o primeiro passo de um ataque de surpresa soviético com uso de armas de destruição em massa?
Well, as a matter of fact, Johnson did express such a concern. When Kennedy was declared dead at 1:00 p.m., he asked that the public announcement be delayed until after he had left the hospital and headed to Love Field just in case there was an international conspiracy to attack the United States. He stated to White House press secretary Malcolm Kilduff, “I think I had better get out of here ... before you announce it. We don’t know whether this is a worldwide conspiracy, whether they are after me as well as well as they were after President Kennedy, or whether they are after Speaker McCormack or Senator Hayden. We just don’t know.” Johnson later   wrote, “I asked that the announcement be made after we had left the room ... so that if it were an international conspiracy and they were out to destroy our form of government and the leaders in that government, that [sic] we would minimize the opportunity for doing so.”
Bem, na verdade, Johnson expressou sim essa preocupação. Quando Kennedy foi declarado morto às 13:00 horas, ele pediu que o anúncio público fosse adiado até depois de ele deixar o hospital e ser levado para o Campo Love só para o caso de haver uma conspiração internacional para atacar os Estados Unidos. Ele disso ao secretário de imprensa da Casa Branca, Malcolm Kilduff: “Acho melhor eu sair daqui ... antes de você fazer o anúncio. Não sabemos se há uma conspiração internacional, se estarão atrás de mim como estavam atrás do Presidente Kennedy, ou se estão atrás do Líder da Maioria McCormack ou do Senador Hayden. Não sabemos.” Johnson posteriormente escreveu: “Pedi   que o anúncio fosse feito depois de termos saído da sala ... de modo que, se houvesse alguma conspiração internacional e se eles estivessem a fim de destruir nossa forma de governo e os líderes de tal governo, isso [sic] minimizaríamos a oportunidade de o fazerem.”
Apparently, however, Johnson’s concern wasn’t so pronounced that it caused him get into the air immediately and return to Washington or go to some secret federal facility for use in emergencies. He was still there at Love Field, more than an hour after leaving Parkland Hospital.
Aparentemente, porém, a preocupação de Johnson não era pronunciada a ponto de fazê-lo pôr-se ao ar imediatamente e voltar para Washington ou ir para alguma instalação federal secreta para uso em emergências. Ele ainda estava lá no Campo Love, mais de uma hora depois de sair do Hospital Parkland.
In fact, it gets stranger. As vice president, Johnson had flown in Air Force Two, which was also sitting at Love Field. Immediately after Kennedy was shot, Johnson could have proceeded to Love Field, boarded Air Force Two, and flown off.
Na verdade, a coisa fica ainda mais estranha. Como vice-presidente, Johnson havia voado no Força Aérea Dois, que também estava pousado no Campo Love. Imediatamente depois de Kennedy ter sido baleado, Johnson poderia ter seguido para o Campo Love, embarcado no Força Aérea Dois, e ido embora.
He didn’t do that. Instead, he waited at the hospital until Kennedy had been officially declared dead. Then, after mentioning the possibility of an international conspiracy, he proceeded to Love Field, where he decided that he should change planes, given that he was now the president and, thus, entitled to use Air Force One. In fact, imagine Mrs. Kennedy’s reaction when she later boarded the plane, headed to her bedroom, and found Johnson lying on her bed. Why, Johnson even took the time to ensure that his luggage was transferred from Air Force Two to Air Force One, even though both of the   planes were returning to Washington.
Não o fez. Em vez disso, esperou no hospital até Kennedy ter sido oficialmente declarado morto. Então, depois de mencionar a possibilidade de conspiração internacional, seguiu para o Campo Love, onde decidiu que deveria mudar de avião, dado ser agora o presidente e, portanto, ter direito a usar o Força Aérea Um. Na verdade, imaginem a reação da Sra. Kennedy quando mais tarde embarcou no avião, seguiu para seu quarto, e encontrou Johnson deitado     na cama dela. Pois bem, Johnson inclusive tomou o tempo necessário para assegurar que sua bagagem havia sido transferida do Força Aérea Dois para o Força Aérea Um, embora ambos os aviões estivessem voltando para Washington.
Johnson also took the time to summon a Dallasfederal judge to swear him in as president.
Johnson também tomou o tempo necessário para convocar um juiz federal de Dallas para tomar-lhe o juramento como presidente.
All that delay meant that Air Force One was still at Love Field when the ambulance arrived with the casket and Mrs. Kennedy. In fact, it’s arguable that the president was actually waiting for the casket, given that the Secret Service agent in charge of Johnson’s security had already prepared for the arrival of the casket by removing two rows of seats in the back of the plane.
Todo esse adiamento significou que o Força Aérea Um ainda estava no Campo Love quando a ambulância chegou com o esquife e a Sra. Kennedy. Na verdade, é defensável que o presidente estava em realidade esperando pelo esquife, dado que o agente do Serviço Secreto encarregado da segurança de Johnson já havia feito preparativos para a chegada do esquife, mediante a remoção de duas fileiras de assentos na parte de trás do avião.
At 2:47 p.m., one hour and 47 minutes after President Kennedy expired at 1:00 p.m. and Johnson had immediately headed to the airport after expressing concern about the possibility of a foreign attack on the United States, Air Force One, carrying Johnson, Mrs. Kennedy, several other people, and the Dallas casket took off from Love Field and later landed at Andrews Air Force Base.
Às 14:47 horas, uma hora e 47 minutos depois do Presidente Kennedy ter expirado às 13:00 horas e Johnson ter imediatamente seguido para o aeroporto depois de expressar preocupação com a possibilidade de ataque estrangeiro contra os Estados Unidos, o Força Aérea Um, levando Johnson, a Sra. Kennedy, diversas outras pessoas e o esquife de Dallas decolou do Campo Love e aterrissou posteriormente na Base Andrews da Força Aérea.
That brings us back to my article, “The Kennedy Casket Conspiracy,” which details the evidence establishing that the president’s body was secretly delivered to the Bethesda morgue in a different casket — a cheap gray shipping casket — and approximately 1¾ hours before the U.S. military’s autopsy officially began at 8:15 p.m. If you haven’t read that article, I invite you to do so, even though it’s long. It raises disturbing questions, such as: Who were the officials in dark suits who secretly delivered the president’s body in a plain gray shipping casket to the Bethesda morgue? Why was the president’s body delivered early to the morgue? What happened to the body between 6:35 p.m. and 8:15 p.m.? Why was it necessary to keep all this secret from the American people (and from Mrs. Kennedy, who, unbeknownst to her, was accompanying an empty casket to the Bethesdamorgue)? I invite you also, after reading that article, to read my article, “The Shot That Killed JFK,” which shows that the hole in the back of Kennedy’s head, as observed by the Parkland Hospital doctors immediately after the shooting, was not depicted in the photographs that were taken as part of the U.S. military’s autopsy of the president’s body.
Isso nos remete de volta a meu artigo “A Conspiração do Esquife de Kennedy,” que pormenoriza a evidência estabelecedora de que o corpo do presidente foi entregue secretamente ao necrotério de Bethesda num esquife diferente — um esquife de embarque cinzento barato — aproximadamente 1¾ hora antes de começar oficialmente, às 20:15 horas, a autópsia pela instituição militar dos Estados Unidos. Se vocês não leram aquele artigo, convido-os a fazê-lo, apesar de ele ser longo. Ele suscita perguntas inquietantes, tais como: Quem eram as autoridades de terno escuro que entregaram secretamente o corpo do presidente num esquife de embarque cinzento despojado ao necrotério de Betesda? Por que o corpo do presidente foi entregue cedo ao necrotério? O que   aconteceu ao corpo entre 18:35 e 20:00 horas? Por que foi necessário manter tudo isso em segredo do povo estadunidense (e da Sra. Kennedy que, sem saber, estava acompanhando um esquife vazio ao necrotério de Betesda)? Convido-os, também, depois de lerem aquele artigo, a lerem meu artigo “O Disparo Que Matou JFK,” que mostra que o furo na parte posterior da cabeça de Kennedy, como observado pelos médicos do Parkland Hospital imediatamente depois do disparo, não foi mostrado nas fotografias tiradas como parte da autópsia do corpo do presidente conduzida pela instituição militar dos Estados Unidos.
Did you notice I said, “the U.S. military’s autopsy”? That’s correct: after preventing the Parkland Hospital personnel from conducting an autopsy of the president’s body, an autopsy was actually turned over to the U.S. military to conduct.
Notaram que eu disse “a autópsia pela instituição militar dos Estados Unidos”? Isso mesmo: depois de o pessoal do Hospital Parkland ter sido impedido de conduzir autópsia do corpo do presidente, em realidade a instituição militar dos Estados Unidos foi encarregada de proceder à autópsia.
Why the military? That’s a fascinating question, one that deserves careful examination. After all, what business did the U.S. government itself have in taking control of the autopsy? As I previously noted, the shooting of the president involved no federal crime. Even though it involved the president of the United States, under the law at the time, it was a plain murder case, one governed by the laws of the state of Texas. Yet the federal government simply assumed   jurisdiction over the autopsy — and after its agents had threatened to use deadly force to prevent Texas state officials from conducting the autopsy as required by Texas law.
Por que a instituição militar? Essa é uma pergunta fascinante, que merece cuidadoso exame. Afinal, por que seria da conta do governo dos Estados Unidos assumir o controle da autópsia? Como observei anteriormente, o disparo contra o presidente não envolvia crime federal. Mesmo envolvendo o presidente dos Estados Unidos, segundo a lei da época tratava-se simplesmente de um caso de homicídio, sujeito às leis do estado do Texas. No entanto, o governo federal simplesmente assumiu jurisdição sobre a autópsia — e depois que seus agentes ameaçaram usar força letal para impedir que as autoridades do estado do Texas conduzissem a autópsia tal como exigido pela lei do Texas.
If the federal government was so concerned about an autopsy, why didn’t Secret Service agents simply let it be conducted in Texas, as the law required? Why didn’t Lyndon Johnson stop the casket from being loaded onto Air Force One and order that it be returned for an official autopsy conducted under state law? Why the urgency of bringing the body back to Washington for an autopsy?
Se o governo federal estava tão preocupado com uma autópsia, por que os agentes do Serviço Secreto não deixaram que ela simplesmente fosse conduzida no Texas, como a lei exigia? Por que Lyndon Johnson não impediu que o esquife fosse embarcado no Força Aérea Um e não determinou que ele fosse devolvido para autópsia oficial conduzida nos termos da lei do estado? Por que a urgência de levar o corpo de volta para Washington para autópsia?
Indeed, why not turn the autopsy over to a medical examiner in Washington or Maryland(where Andrews Air Force Base is located)? After all, the president is a civilian in a country that purports to be run by civilians. Why wasn’t the autopsy turned over to a civilian medical examiner rather than to the U.S. military?
Na verdade, por que não encarregar da autópsia um examinador médico em Washington ou Maryland (onde está localizada a Base Andrews da Força Aérea)? Afinal, o presidente é um civil num país em tese administrado por civis. Por que a autópsia não foi entregue a um examinador médico civil, em vez de à instituição militar dos Estados Unidos?
Sure, we often hear that the president is the commander in chief, but that’s misleading. He’s first and foremost the president of the United States, and he’s not commander in chief of the American people. He’s commander in chief of the U.S. military.
Certo, amiúde ouvimos que o presidente é o comandante-em-chefe, mas isso é enganoso. Ele é, antes e acima de tudo, o presidente dos Estados Unidos, e não é comandante-em-chefe do povo estadunidense. Ele é comandante-em-chefe da instituição militar dos Estados Unidos.
If the president had been a full-time member of the military, or if he had been murdered on a military base, or if he had been killed on the field of battle in the middle of war, then it might have made sense to   have the military conduct an autopsy of the body. But instead, his death involved a simple murder case in Texas.
Se o presidente tivesse sido membro da instituição militar em tempo integral, ou se tivesse sido morto numa base militar, ou se tivesse sido morto no campo de batalha em meio a guerra, então poderia ter feito sentido a instituição militar conduzir autópsia do corpo. Em vez disso, porém, a morte dele envolveu um simples caso de homicídio no Texas.
On the flight to Washington, Navy Adm. George Burkley, who had been Kennedy’s personal physician, told Mrs. Kennedy that the president’s body had to be taken to a hospital to remove any bullets in it and that that should be done in a military hospital for security reasons.
No voo para Washington o Almirante da Marinha George Burkley, que havia sido médico pessoal de Kennedy, disse à Sra. Kennedy que o corpo do presidente tinha de ser levado para um hospital para remoção de quaisquer balas que houvesse nele e que isso deveria ser feito num hospital militar por razões de segurança.
Security reasons? What security? Were they scared that someone might attack the president’s body? In that case, why not simply have people guarding it at the hospital during the autopsy? And if an autopsy had to be conducted, why did Secret Service agents prevent an autopsy from being conducted in Dallas? What was so special about the U.S.military that it had to conduct the autopsy?
Razões de segurança? Que segurança? Estariam com medo de que alguém pudesse atacar o corpo do presidente? Nesse caso, por que não simplesmente colocar guardas no hospital durante a autópsia? E se tinha de ser efetuada autópsia, por que os agentes do Serviço Secreto impediram que a autópsia fosse efetuada em Dallas? O que havia de tão especial na instituição militar dos Estados Unidos para que ela tivesse de conduzir a autópsia?
Burkley gave Mrs. Kennedy two choices for the autopsy — Walter Reed Army Medical Center and the   U.S. Naval Medical Center in Bethesda,Maryland. Since her husband had been in the Navy during World War II, she chose Bethesda.
Burkley deu à Sra. Kennedy duas opções de autópsia — O Centro Médico Walter Reed do Exército e o Centro Médico Naval dos Estados Unidos em Bethesda, Maryland. Como o marido dela estivera na Marinha durante a Segunda Guerra Mundial, ela escolheu Bethesda.
Of course, hardly anyone during that time questioned the fact that the U.S. military was conducting the autopsy. That was a time when there was tremendous deference to authority and unwavering trust in federal officials, especially the military, among the American people. It was before Vietnam, the Gulf of Tonkin, the Pentagon Papers, syphilis experiments, Watergate, and Iran-Contra. Hardly anyone asked, “Why is the military, rather than civilian authorities, conducting the     autopsy? Why did they prevent the Dallas officials from conducting the autopsy?” It never occurred to most Americans that their government might be up to no good.
Obviamente, praticamente ninguém, à época, questionou o fato de a instituição militar dos Estados Unidos fazer a autópsia. Era uma época na qual havia tremenda deferência em relação à autoridade e inabalável confiança nas autoridades federais, especialmente as militares, no seio do povo estadunidense. Isso foi antes de Vietnã, Golfo de Tonquim, os Documentos do Pentágono, experimentos de sífilis, Watergate, e Irã-Contras. Praticamente ninguém perguntou “Porque que está a instituição militar, e não as autoridades civis, conduzindo a autópsia? Por que impediram que as autoridades de Dallas conduzissem a autópsia?” Nunca ocorreu à maioria dos estadunidenses que seu governo pudesse estar fazendo algo errado.
There is no question, however, but that military culture played a critically important role in the autopsy of John F. Kennedy’s body. Let’s examine how.
Não há dúvida, contudo, de que a cultura militar desempenhou papel criticamente importante na autópsia do corpo de John F. Kennedy. Examinemos como.
Jacob Hornberger is founder and president of the Future of Freedom Foundation. Send him email.
Jacob Hornberger é fundador e presidente da Fundação Futuro de Liberdade. Envie-lhe email.

No comments:

Post a Comment