Tuesday, September 13, 2011

FFF - The Road to the Permanent Warfare State, Part 2

ENGLISH
PORTUGUÊS
FFF–FREEDOM DAILY
FFF–LIBERDADE CADA DIA
The Road to the Permanent Warfare State, Part 2
O Processo Rumo ao Estado de Guerra Permanente, Parte 2
by Gregory Bresiger
por Gregory Bresiger
Posted August 31, 2011
Afixado em 31 de agosto de 2011
Part 1 | Part 2 | Part 3 | Part 4 (to be posted) | Part 5 | Part 6 | Part 7
Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 (a ser  afixada) | Parte 5 | Parte 6 | Parte 7

[George] Kennan’s policy was based on the idea that we must “regard the Soviet Union as a rival, not a partner in the political arena.” — Walter Lippmann
A política de [George] Kennan baseava-se na ideia de termos de “ver a União Soviética como rival, não como parceira na esfera política.” — Walter Lippmann
What President Truman accomplished in the 1940s and 1950s with the help of men such as George Kennan was to jettison the historic idea of isolationism and to gain widespread acceptance for the policies of a national-security state. That signal change is now rarely debated, just as few people challenge the ideas of the welfare state. Empire is now “a way of life,” wrote historian William Appleman Williams in 1959 in his book The Tragedy of American Diplomacy.
O que o Presidente Truman conseguiu nos anos 1940 e 1950 com a ajuda de homens tais como George Kennan foi descartar a ideia histórica de isolacionismo e ganhar ampla aceitação das políticas de um estado de segurança nacional. Essa mudança de sinal é hoje raramente debatida, visto que poucas pessoas questionam as ideias do estado assistencialista. O império é agora “um estilo de vida,” escreveu o historiador William Appleman Williams em 1959 em seu livro A Tragédia da Diplomacia Estadunidense.
Those changes dramatically transformed the political landscape in America. Both major political parties, no matter how much they criticized each other then and since, are fully committed to the garrison state, now in place for the last 65 years. Almost all major political figures in post–World War II America not only accepted the garrison state, they also used it to further American “interests.”
Essas mudanças transformaram dramaticamente o panorama político dos Estados Unidos. Ambos os partidos políticos principais, não importa o quanto críticos um do outro então e desde então, estão plenamente comprometidos com o estado de segurança, vigente nos últimos 65 anos. Quase todos os personagens políticos principais dos Estados Unidos posteriores à Segunda Guerra Mundial não apenas aceitaram o estado de segurança como, também, usaram-no para promover os “interesses” estadunidenses.
Yet the road from isolationism to garrison state followed a strange, ironic path in the case of Kennan.
Nada obstante, a jornada do isolacionismo ao estado de segurança seguiu uma estranha, irônica trilha no caso de Kennan.
George Kennan was an obscure State Department official in Moscow in the 1930s and through most of World War II. A specialist in Soviet affairs, his State Department writings and complaints about Stalin were dismissed by amateur diplomats such as U.S. ambassador Joe Davies, the author of Mission to Moscow — a silly book with inscribed photos from Stalin and a Soviet prosecutor. Davies insisted that the Soviet show trials of the 1930s were fair. He sent out Kennan, his translator, for sandwiches during trial breaks.
George Kennan foi uma obscura autoridade do Departamento de Estado em Moscou nos anos 1930 e durante a maior parte da Segunda Guerra Mundial. Especialista em assuntos soviéticos, seus escritos e suas reclamações em relação a Stalin no Departamento de Estado foram desqualificados por diplomatas não de carreira, tais como o embaixador dos Estados Unidos Joe Davies, autor de Missão em Moscou — livro tolo com fotos inseridas de Stalin e de um promotor soviético. Davies insistia em que os julgamentos de fachada soviéticos dos anos 1930 haviam sido justos. Ele mandava Kennan, seu tradutor, comprar sanduíches durante intervalos dos julgamentos.
Yet by the end of the war and for about five years after World War II until he was exiled to academia in 1950, this ex-sandwich order-taker was arguably the most important foreign policy advisor in the Truman administration. He became the head of the State Department’s Policy Planning Staff. His quick rise was based on two signal documents, a long telegram from Moscow in 1946 and a subsequent article in the influential Foreign Affairs magazine. Those documents were the basis of the containment doctrine adopted by Truman.
No entanto, ao final da guerra, e durante cerca de cinco anos depois da Segunda Guerra Mundial, até ele ter sido exilado para o ambiente acadêmico em 1950, esse ex-providenciador de sanduíches foi possivelmente o mais importante assessor de política externa da administração Truman. Tornou-se chefe da Equipe de Planejamento de Políticas do Departamento de Estado. Sua rápida ascensão baseou-se em dois importantes documentos, um longo telegrama mandado de Moscou em 1946 e um artigo subsequente na influente revista Assuntos Exteriores. Esses documentos foram a base da doutrina de contenção adotada por Truman.
Kennan’s words were seized upon during a time when the Soviet Union’s supreme leader, Joseph Stalin, was making postwar speeches in which he said that capitalism and communism were enemies and could never be reconciled. Yet that was the kind of Stalin speech that had been standard before the Soviet Union’s World War II alliance with the Americans.
Foi tirado proveito das palavras de Kennan numa época na qual o líder supremo da União Soviética, Joseph Stalin, fazia discursos posteriores à guerra nos quais dizia que capitalismo e comunismo eram inimigos e jamais poderiam ser conciliados. No entanto, essa já havia sido a espécie de discurso padrão de Stalin antes da aliança da União Soviética com os estadunidenses na Segunda Guerra Mundial.
Kennan’s writings, which had been ignored for years, were suddenly closely read by policymakers, including the president. They used his writings to transform America into a garrison state by the early 1950s. The new order would eventually be accepted by both major parties. That’s when the philosophy of isolationism fully expired, with the United States taking on the role of confronting the Soviets everywhere around the globe.
Os escritos de Kennan, que haviam sido ignorados por anos, foram subitamente lidos cuidadosamente por formuladores de políticas, inclusive o presidente. Eles usaram os escritos dele para, nos anos 1950, transformar os Estados Unidos num estado de segurança. A nova ordem seria finalmente aceita por ambos os partidos principais. Foi quando a filosofia do isolacionismo expirou plenamente, com os Estados Unidos assumindo o papel de confrontar os soviéticos em toda parte ao redor do mundo.
“It will be clearly seen,” Kennan wrote in 1946, “that the Soviet pressure against free institutions of the Western World is something that can be contained by the adroit and vigilant application of counter-force at a series of constantly shifting geographical and political points, corresponding to the shifts and maneuvers of Soviet policy.” Kennan’s ideas were mostly accepted by subsequent administrations.
“Será claramente visto,” escreveu Kennan em 1946, “que a pressão soviética contra as instituições livres do Mundo Ocidental é algo que pode ser contido pela aplicação hábil e alerta de contraforça numa série de pontos geográficos e políticos constantemente cambiantes, correspondentes às mudanças e manobras da política soviética.” As ideias de Kennan foram aceitas, em sua maioria, pelas administrações subsequentes.
Yet ironically, Kennan, in the first volume of his memoirs, later disowned a large part of U.S. foreign policy. “Much of it,” he wrote, “reads exactly like one of those primers put out by alarmed congressional committees or the Daughters of the American Revolution, designed to arouse the citizenry to the dangers of the Communist conspiracy.”
No entanto, ironicamente, Kennan, no primeiro volume de suas memórias, posteriormente desvincula-se de grande parte da política externa dos Estados Unidos. “Grande parte dela,” escreveu ele, “tem exatamente o mesmo teor daquelas cartilhas distribuídas por alarmadas comissões do Congresso ou das Filhas da Revolução Estadunidense, concebidas para despertar os cidadãos para os perigos da conspiração comunista.”
Kennan, one of the intellectual godfathers of the garrison state, believed that many of his ideas were distorted to justify alliances, huge military budgets, and interventions around the world with little or no strategic import.
Kennan, um dos padrinhos intelectuais do estado de segurança, acreditava que muitas de suas ideias haviam sido distorcidas para justificar alianças, enormes orçamentos militares e intervenções em todo o mundo com importância estratégica pequena ou nula.
Kennan’s doubts
As dúvidas de Kennan
Kennan later said he thought the United States should confront the Soviets in only five strategic points around the world. He conceded that his writings were not clear on that point and were used as a rationalization for interventions all over the world.
Kennan disse, posteriormente, achar que os Estados Unidos deveriam confrontar os soviéticos em apenas cinco pontos estratégicos ao redor do mundo. Concordou com que seus escritos não eram claros quanto a isso e haviam sido usados como racionalização para intervenções no mundo inteiro.
Kennan opposed NATO and National Security Council Paper 68 (NSC-68) and criticized many of the principles of Truman Doctrine, all of which we will review in this series. He opposed the Vietnam War and called for nuclear disarmament. The irony is that, by the 1990s, he came to believe that the isolationist tenets of John Quincy Adams, albeit with certain adjustments, “are entirely suitable” and “greatly needed as a guide for an American policy in the coming period.”
Kennan opôs-se à OTAN e ao Documento 68 do Conselho de Segurança Nacional (NSC 68) e criticou muitos dos princípios da Doutrina Truman, todos os quais revisaremos nesta série. Opôs-se à Guerra do Vietnã e preconizou o desarmamento nuclear. A ironia é que, ao chegarem os anos 1990, ele passou a acreditar que os princípios isolacionistas de John Quincy Adams, embora com certos ajustes, “são inteiramente adequados” e “grandemente necessários como guia para uma política estadunidense no período entrante.”
Also toward the end of his life, Kennan tried to persuade George W. Bush — a man he called “extremely shallow” — not to go to war against Iraq. But the damage had already been done 60 years before.
Também, já no ocaso da vida, Kennan tentou persuadir George W. Bush — homem que ele chamou de “extremamente superficial” — a não ir à guerra contra o Iraque. O estrago, porém, já havia sido feito 60 anos antes.
American elite policymakers embraced the ideas of the Truman Doctrine, NATO, and the National Security Act of 1947 (which created the National Security Council and the CIA), even though most Americans then or now know little of the National Security Act or the Truman Doctrine or a myriad other creations of the warfare state that have become a permanent part of our society.
Formuladores de políticas de elite estadunidenses adotaram as ideias da Doutrina Truman, da OTAN e da Lei de Segurança Nacional de 1947 (que criou o Conselho de Segurança Nacional e a CIA), embora a maioria dos estadunidenses então ou hoje pouco saiba da Lei de Segurança Nacional ou da Doutrina Truman ou de uma miríade de outras criações do estado beligerante que se tornaram parte permanente de nossa sociedade.
NSC-68, along with sweeping changes outlined in the NATO charter and in the Truman Doctrine, was a watershed. After World War II, America indeed went abroad in search of “monsters to destroy,” from the Near East to Korea to Vietnam to Iraq to Afghanistan.
O NSC-68, juntamente com mudanças radicais delineadas na carta da OTAN e na Doutrina Truman, foram um divisor de águas. Depois da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos, em verdade, foram ao exterior à caça de “monstros para destruir,” do Oriente Próximo à Coreia e dali a Vietnã, Iraque e Afeganistão.
NSC-68 became one of documents that justified a state of permanent war or near war. It was initiated by the first modern Defense secretary, James Forrestal, just after World War II. It was Forrestal who coined the term “semi-war.”
O NSC-68 tornou-se um dos documentos que justificaram um estado de guerra ou quase guerra permanente. O qual foi iniciado pelo primeiro secretário da Defesa moderno, James Forrestal, logo depois da Segunda Guerra Mundial. Forrestal foi quem cunhou a expressão “semiguerra.”
The term is defined as a “condition in which great dangers always threaten the United States and will continue doing so into the indefinite future,” according to Andrew Bacevich, a former career military officer and author of the 2010 book Washington Rules: America’s Path to Permanent War.
Essa expressão é definida como “condição na qual grandes perigos sempre ameaçam os Estados Unidos e continuarão a fazê-lo por tempo indefinido no futuro,” de acordo com Andrew Bacevich, ex-autoridade militar de carreira e autor do livro de 2010 Regras de Washington: A Vereda dos Estados Unidos Rumo à Guerra Permanente.
Semi-war, Bacevich adds, means the nation faces the prospect of hostilities “beginning at any moment, with little or no warning. In the setting of national priorities, readiness to act becomes a supreme value.”
A semiguerra, acrescenta Bacevich, significa que a nação defronta-se com a perspectiva de hostilidades “começando a qualquer momento, com pouco ou nenhum aviso. No cenário das prioriedades nacionais, a prontidão para agir torna-se valor supremo.”
Kennan, in the 1970s, attacked the concept of semi-war. He complained that the overemphasis on military policy combined with a view that one could never effectively negotiate with the Soviets were two of the great mistakes of foreign policy.
Kennan, nos anos 1970, atacou o conceito de semiguerra. Reclamou de que a ênfase exagerada na política militar conjugada com um ponto de vista segundo o qual nunca se poderia negociar produtivamente com os soviéticos eram dois dos grandes equívocos da política externa.
It resulted, he warned, in the “extreme militarization not only of our thought but of our lives that has become the mark of our postwar age. And this is a militarization that has profound effects not just on our foreign policies but also on our society.”
Isso resultou, advertiu ele, na “extrema militarização não apenas de nosso pensamento mas de nossas vidas, a qual se tornou a marca de nossa era pós-guerra. E trata-se de uma militarização que tem profundos efeitos não apenas sobre nossas políticas externas como, também, sobre nossa sociedade.”
It also had another danger, according to Kennan:
Ela também tinha outro perigo, de acordo com Kennan:
It has led to what I and many others have come to see as a serious distortion of our national economy. We have been obliged to habituate ourselves to an expenditure annually of a great portion of our national income on the production and export of armaments, and the maintenance of a vast armed force establishment — purposes that add nothing to the real productive capacity of our economy, and only deprive us every year of tens of billions of dollars that might otherwise go to productive investment.
Ela levou a algo que eu e muitos outros passamos a ver como séria distorção de nossa economia nacional. Fomos obrigados a nos habituar com gasto anual de grande parcela de nossa renda nacional em produção e exportação de armamentos, e na manutenção de vasta instituição de força armada — propósitos que nada acrescentam à real capacidade produtiva de nossa economia, e só nos privam, todo ano, de dezenas de biliões de dólares que não fosse isso poderiam ir para investimento produtivo.
Yet supporting the military-industrial complex became the dominant political strategy in post–World War II America. Major candidates rode the issue to power. Accepting the leviathan became a way of demonstrating to mainstream media, an accomplice in the garrison state, how serious they were about national-security issues.
Nada obstante, dar suporte ao complexo industrial-militar tornou-se a estratégia política dominante nos Estados Unidos posteriores à Segunda Guerra Mundial. Candidatos destacados usaram essa bandeira para chegar ao poder. Aceitar o leviatã tornou-se modo de mostrar à mídia majoritária, cúmplice do estado de segurança, com que seriedade eles tratavam as questões de segurança nacional.
Sen. John Kennedy, successfully running for president in 1960, argued there was “a missile gap.” The United States, he claimed, was falling behind the Soviet Union and must expand its military faster.
O Senador John Kennedy, concorrendo com sucesso à presidência em 1960, argumentou que havia “uma lacuna de mísseis.” Os Estados Unidos, afirmou ele, estavam ficando para trás em relação à União Soviética e precisavam expandir mais depressa sua instituição militar.
Yet White House aide and Kennedy family historian Arthur Schlesinger Jr., in his book A Thousand Days, later conceded it was a canard. He says that Kennedy’s Defense secretary, Robert McNamara, in “a candid background talk to newspapermen, was ready to dismiss the gap as an illusion.”
No entanto, o assessor da Casa Branca e historiador da família Kennedy Arthur Schlesinger Jr., em seu livro Mil Dias, concedeu, posteriormente, ter sido uma peta. Ele diz que o secretário de defesa de Kennedy, Robert McNamara, numa “cândida conversa de bastidores com jornalistas, dispôs-se a desqualificar tal lacuna como ilusão.”
Therefore, a superfluous military buildup in Kennedy’s presidency went ahead, as it had in Truman’s and Eisenhower’s. There had been so many scares followed by military buildups in post–World War II America that Eisenhower would publicly warn about “a military-industrial complex” in his Farewell Address. Nevertheless, Eisenhower did little to dismantle it.
Portanto, houve, na presidência de Kennedy, robustecimento militar supérfluo, como aconteceu nas presidências de Truman e de Eisenhower. Houvera tantos casos de alarmes seguidos de robustecimento militar nos Estados Unidos posteriormente à Segunda Guerra Mundial que Eisenhower advertiria publicamente acerca de “um complexo industrial-militar” em seu Discurso de Despedida. Contudo, Eisenhower pouco fez para desmontá-lo.
Ronald Reagan in 1980 also rode to power on the specious claim that the United States was a crippled giant that needed a 1,000-ship navy. The Committee on the Present Danger (CPD) — a 1970s committee many of whose members would serve in the Reagan administration and some of whom had worked on NSC-68 — argued that the Soviet Union had a first-strike nuclear capability. The CPD claimed that the Soviet Union could impose nuclear blackmail on the United States. It was a dubious claim, given that the United States retained a triad of nuclear capabilities, including land- and sea-based strike forces. And it had been so for decades following World War II.
Ronald Reagan, em 1980, também galgou o poder com base na alegação especiosa de que os Estados Unidos eram um gigante aleijado que precisava de uma marinha de 1.000 navios. A Comissão de Perigo Presente (CPD) — comissão dos anos 1970 da qual muitos membros serviriam na administração Reagan e alguns dos quais haviam trabalhado no NSC-68 — argumentava que a União Soviética tinha capacidade de tomar a iniciativa de ataque nuclear. A CPD afirmava que a União Soviética poderia impor chantagem nuclear aos Estados Unidos. Era uma asseveração dúbia, dado que os Estados Unidos detinham uma tríade de recursos nucleares, inclusive forças de ataque baseadas no mar e em terra. E assim havia sido por décadas depois da Segunda Guerra Mundial.
The sky is always falling.
O céu está sempre desabando.
But, as we will see in this series, the claims of pending doom worked again and again. Those claims were overdone, enabling the garrison state to grow relentlessly in war and peace no matter how baseless or overblown the threat, creating a spiral of useless defense spending, wars, and near-wars. Even when a threat was exposed as a hoax, the budget increase was never reversed. The same had occurred in the 19th-century British Empire, as detailed in Richard Cobden’s masterful pamphlet The Three Panics.
Contudo, como veremos nesta série, as afirmações de ruína impendente funcionaram de novo e de novo. Essas afirmações eram excessivas, permitindo ao estado de segurança crescer inexoravelmente na guerra e na paz, por mais sem base ou exagerada a ameaça, criando uma espiral inútil de gastos com defesa, guerras e quase-guerras. Mesmo quando uma ameaça era revelada como sendo boato, o aumento orçamentário nunca foi revertido. O mesmo havia ocorrido no Império Britânico do século 19, como detalhado no magistral panfleto de Richard Cobden Os Três Pânicos.
The change to an American leviathan to combat the supposedly monolithic threat was also the result of the Truman Doctrine, which was born out of the containment idea. Truman, in a famous speech to Congress in 1947, succeeded in spooking the nation. He persuaded the country that the Soviet Union, with all communist countries united behind it, was moving toward world domination. Both were absurd claims, as we will see.
A transformação dos Estados Unidos num leviatã para combater a supostamente monolítica ameaça foi também resultado da Doutrina Truman, nascida da ideia de contenção. Truman, num famoso discurso ao Congresso em 1947, teve sucesso em assustar a nação. Ele persuadiu o país de que a União Soviética, com todos os países comunistas que a apoiavam, estava-se movimentando no sentido de domínio do mundo. Ambas as afirmações eram absurdas, como veremos.
But how could the president sell them?
Como, porém, o presidente as vendeu?
Truman would have to make an overwhelming case that America and most of the world was threatened. He needed a set of principles, a doctrine, to guide the nation. What he got was a doctrine that would outlast his administration and the enemy it was designed to confront.
Truman desenvolveria forte argumentação mostrando que os Estados Unidos e a maior parte do mundo estavam ameaçados. Ele precisava de um conjunto de princípios, uma doutrina, para guiar a nação. O que conseguiu foi uma doutrina que sobreviveria a sua administração e ao inimigo ao qual planejada para confrontar.
Part 1 | Part 2 | Part 3 | Part 4 (to be posted) | Part 5 | Part 6 | Part 7
Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 (a ser afixada) | Parte 5 | Parte 6 | Parte 7
Gregory Bresiger is a business writer living in Kew Gardens, New York. Send him email.
Gregory Bresiger é escritor de negócios residente em Kew Gardens, New York. Mande-lhe email.
This article originally appeared in the June 2011 edition of Freedom Daily. Subscribe to the print or email version of Freedom Daily.
Este artigo foi publicado pela primeira vez na edição de junho de 2011 de Freedom DailyAssine a versão de Freedom Daily impressa ou por email.

No comments:

Post a Comment