Thursday, September 1, 2011

C4SS - Libertarian Mixed Feelings on Wisconsin

ENGLISH
PORTUGUÊS
C4SS – CENTER FOR A STATELESS SOCIETY
C4SS – CENTRO POR UMA SOCIEDADE SEM ESTADO
building awareness of the market anarchist alternative
no despertamento da consciência da alternativa anarquista de mercado
Libertarian Mixed Feelings on Wisconsin
Sentimentos Libertários Mistos no Tocante a Wisconsin
Posted by Kevin Carson on Mar 2, 2011 in Commentary
Afixado por Kevin Carson em 2 de março de 2011 em Commentary
Anarchists want to abolish the state, with all functions now performed by the state being performed by voluntary associations.  So naturally, we object to “public employment” — the funding of services through compulsory taxation — in principle.
Os anarquistas querem extinguir o estado, com todas as funções hoje desempenhadas pelo estado passando a ser desempenhadas por associações voluntárias. Portanto, naturalmente, objetamos a “emprego público” — o financiamento de serviços por meio de tributação compulsória — em princípio.
The question is, how do we get there from here?
A questão é, como chegaremos lá partindo de onde estamos hoje?
Some things currently done by tax-funded government employees are legitimate functions that would still exist in some form in a stateless society. Mail delivery is one example. Education would no doubt be different in many ways in a free society — no compulsory attendance laws, and no processing of human resources for the corporate state.  But teaching children is an important function in any society, and much that public school teachers do now would probably carry over without much change.  Even some of what police do, like stopping violent crime and apprehending aggressors, would still be necessary — but without laws against victimless crimes, or any of the thuggish behavior regularly chronicled by people like Radley Balko.
Algumas das coisas atualmente feitas por empregados do governo financiados pelo contribuinte são funções legítimas que existiriam em alguma forma numa sociedade sem estado. A entrega de correspondência é um exemplo. A educação seria sem dúvida diferente, sob muitos aspectos, numa sociedade livre — nada de leis de frequência obrigatória e nada de processamento de recursos humanos em benefício do estado corporativo. Ensinar crianças, porém, é função importante em qualquer sociedade, e muito do que os professores de escola pública fazem hoje provavelmente seria carreado sem grandes mudanças. Mesmo parte do que a polícia faz, tal como deter o crime violento e apreender agressores, ainda seria necessário — mas sem leis contra crimes sem vítima, ou qualquer dos comportamentos truculentos sistematicamente relatados por pessoas como Radley Balko.
Many government employees perform such functions in an environment where the state has coopted the function and crowded out alternative ways of organizing it.
Muitos empregados do governo desempenham tais funções num ambiente onde o estado cooptou a função e inviabilizou maneiras alternativas de organizá-las.
If we view the state as preempting necessary functions, and interposing itself between the providers of services and recipients of those services, our ultimate goal is to devolve such functions into the realm of voluntary association.  Removing the parasitic middlemen, who have inserted themselves into the relationship between service providers and recipients, is an important part of this process. Anything that strengthens the hand of public sector workers against the commanding heights of the state, also weakens the hand of the state and its plutocratic allies.
Se vemos o estado tomando conta de funções necessárias, e interpondo-se entre os provedores de serviços e os recebedores de tais serviços, nossa meta última é trazer de volta essas funções para o domínio da associação voluntária. Eliminar o intermediário parasitário, que se inseriu no relacionamento entre os prestadores e os usuários de serviços, é importante parte desse processo. Qualquer coisa que fortaleça a mão dos trabalhadores do setor público contra as excelsitudes dominadoras(*) do estado também enfraquece a mão do estado e de seus aliados plutocráticos.

(*) Commanding heights – para Lenin, os setores críticos dominantes da atividade econômica. Ver por exemplo http://www.nationalaffairs.com/publications/detail/the-new-commanding-heights  
It’s hardly obvious, despite Scott Walker’s rhetoric, that reduced bargaining power for public sector workers will translate directly into reduced taxes. The upper management of government bureaucracies typically justify cuts in pay, benefits and staffing levels for those actually providing services in the name of saving the taxpayers’ money — and then more than eats up any savings with management featherbedding, junkets and “motivational retreats” for themselves. To the extent that public sector unions fight attempts at downsizings, speedups and cutting corners, they may actually be defending the interests of service recipients at the expense of their bureaucratic bosses.
Dificilmente será óbvio, a despeito da retórica de Scott Walker, que redução de poder de barganha dos trabalhadores do setor público vá traduzir-se diretamente em redução de tributos. A gerência superior das burocracias do governo sistematicamente justifica cortes em pagamento, benefícios e quantitativos de pessoal em relação àqueles que efetivamente prestam serviços em nome de poupar dinheiro do contribuinte — e em seguida mais que anula qualquer poupança conseguida, ao promover contratação excessiva de gerentes, viagens de gerentes por conta do contribuinte e “retiros motivacionais” para si própria. Na medida em que os sindicatos do setor público lutam contra tentativas de enxugamento do quadro, aumento não remunerado de produção e formas de fazer as coisas pagando o mínimo possível, poderão estar em realidade defendendo os interesses dos recebedores dos serviços a expensas de seus chefes burocratas.
In the case of public schools, anything that strengthens the hands of school administrators and education departments at the expense of the autonomy of rank-and-file teachers, also serves to impose the authoritarian educationist dogma on all of them. The biggest victims of such policies are frequently, not incompetents and illiterates, but those who teach their pupils to question authority and undermine the official ideology of the corporate state. The best teachers I ever had in the belly of the beast, the ones who led me furthest astray from orthodoxy, spent most of their time looking over their shoulders. If anything’s guaranteed to weed out such mavericks, it’s removing their job security and turning them into at-will employees at the mercy of idjut principals and superintendents.
No caso das escolas públicas, qualquer coisa que fortaleça as mãos dos administradores da escola e dos departamentos de educação a expensas da autonomia de professores sem graduação também serve para impor o dogma educacionista autoritário a todos estes. As maiores vítimas de tais políticas são frequentemente não os incompetentes e analfabetos, mas aqueles que ensinam seus alunos a questionar a autoridade e a solapar a ideologia oficial do estado corporativo. Os melhores professores que jamais tive dentro da barriga do monstro, os que mais me lideraram para mais longe da ortodoxia, passavam a maior parte do tempo olhando por cima dos próprios ombros. Se alguma coisa garantia desarraigar essas pessoas independentes era tirar-lhes a segurança no emprego e torná-las empregadas sem garantias, à mercê de diretores e superintendentes idiotas.
The same is true of other taxpayer-funded services. It’s often the production workers who fight hardest against senior management attempts to downsize service staff and skim off the savings for themselves. An at-will worker with no union contract is a lot less likely to stick her neck out as a public advocate against the management of a post office or VA hospital.
O mesmo é verdade acerca de outros serviços financiados pelo contribuinte. São amiúde os trabalhadores da produção quem luta mais duramente contra as tentativas da gerência superior de enxugar o quadro de pessoal e passar a raspadeira apropriando a poupança para si própria. Um trabalhador sem garantias e sem contrato com o sindicato muito menos provavelmente porá o pescoço de fora para argumentar em público contra a gerência de uma agência dos correios ou de um hospital da Administração de Veteranos.
And frankly, Walker’s attempts to depict public sector workers as privileged leeches for their pay and benefit levels rankles me more than a little, given my own status as a blue collar worker. The compensation and bargaining power enjoyed by public sector workers were once shared by a major share of private sector workers, before people of Walker’s ilk busted private sector unions a generation ago.
E francamente, as tentativas de Walker de retratar os trabalhadores do setor público como sanguessugas privilegiadas por causa de seus salários e níveis de benefício irrita-me mais do que apenas um pouco, dada minha própria condição de trabalhador de colarinho azul. A remuneração e o poder de barganha que têm os trabalhadores do setor público eram, no passado, compartilhados por uma parcela significativa dos trabalhadores do setor privado, antes de pessoas do tipo de Walker terem destroçado os sindicatos do setor privado uma geração atrás.
So while I object to government employment in principle, I’m uneasy about the standard libertarian framing of the issue with rank-and-file government workers as the villains and Walker as the good guy. If it’s a mistake to defend government workers as such, the people who rally behind Wisconsin’s state employees at least do so on sound instincts.
Assim, embora eu em princípio objete ao governo, fico intranquilo no tocante a apresentação do problema que retrata trabalhadores sem graduação como vilões e Walker como o bom sujeito. Se é equívoco defender trabalhadores do governo como esses, as pessoas que apoiam os empregados do estado de Wisconsin pelo menos o fazem impulsionadas por instintos sadios.
They perceive, rightly, that Walker wants to break public sector unions not out of any principled attachment to free markets, but because they’re unions. Unions, such as they are, are one of the few remaining vestiges of a middle class way of life, in an age of stagnant real wages and skyrocketing CEO wages and corporate profits. Walker, like other establishment Republicans, serves the interests of an unholy alliance between big government and big business. If you want to know which master’s voice he obeys, just pay attention to who he takes calls from.
Elas percebem, corretamente, que Walker deseja dobrar os sindicatos do setor público não inspirado por qualquer aderência baseada em princípios aos livres mercados, e sim por eles serem sindicatos. Os sindicatos, do modo como são, constituem um dos poucos vestígios remanescentes de um estilo de vida de classe média, numa época de salários reais estagnados e galopantes salários de Executivos Principais e lucros corporativos. Walker, como outros Republicanos do establishment, serve aos interesses de uma aliança espúria entre o governo hipertrofiado e as grandes empresas. Se quiserem saber à voz de que dono ele obedece, simplesmente prestem atenção a de quem ele recebe telefonemas.
Our goal is to replace the present system with a different way of doing things — not to vilify those caught up in it.
Nosso objetivo é substituir o presente sistema por um modo diferente de fazer as coisas — não vilificar aqueles apanhados por ele.
Research Associate Kevin Carson is a contemporary mutualist author and individualist anarchist whose written work includes Studies in Mutualist Political Economy, Organization Theory: A Libertarian Perspective, and The Homebrew Industrial Revolution: A Low-Overhead Manifesto, all of which are freely available online. Carson has also written for such print publications as The Freeman: Ideas on Liberty and a variety of internet-based journals and blogs, including Just Things, The Art of the Possible, the P2P Foundation and his own Mutualist Blog.
O Associado de Pesquisa do C4SS Kevin Carson é autor mutualista e anarquista individualista contemporâneo cuja obra escrita inclui Estudos de Economia Política Mutualista, Teoria da Organização: Uma Perspectiva Libertária, e A Revolução Industrial Gestada em Casa: Um Manifesto de Baixo Overhead, todos disponíveis grátis online. Carson também tem escrito para publicações impressas tais como O Homem Livre: Ideias acerca de Liberdade e para diversas publicações e blogs da internet, inclusive Apenas Coisas, A Arte do Possível, a Fundação P2P e seu próprio Blog Mutualista.

No comments:

Post a Comment