Friday, July 8, 2011

C4SS - The Great Domain of Cost-Plus: The Waste Production Economy (17-21/47)

ENGLISH
PORTUGUÊS
C4SS – CENTER FOR A STATELESS SOCIETY
C4SS - CENTRO POR UMA SOCIEDADE SEM ESTADO
building awareness of the market anarchist alternative
no despertamento da consciência da alternativa anarquista de mercado
Center for a Stateless Society Paper No. 11 (Fourth Quarter 2010)
Centro por uma Sociedade sem Estado – Paper No. 11 (Quarto Trimestre de 2010)
The Great Domain of Cost-Plus: The Waste Production Economy
O Grande Domínio do Custo Acrescido: A Economia de Produção de Desperdício
Kevin A. Carson
Kevin A. Carson
17-21/47
17-21/47
Waste from Subsidized Inputs
Desperdício Decorrente de Insumos Subsidiados
In addition to artificial scarcity rents on unequal exchange, by which workers and consumers pay tribute to the holders of artificial scarcity rents, corporate capitalism also creates inefficiency by allowing firms to waste subsidized production inputs at public expense. This includes the supply of transportation, energy, education, and other production inputs to privileged enterprises below their market costs. Murray Rothbard described the effects of such subsidies:
Além de rents de escassez artificial sobre a troca desigual, pela qual trabalhadores e consumidores pagam tributo aos detentores de rents de escassez artificial, o capitalismo corporativo também cria ineficiência ao permitir às firmas desperdiçar insumos de produção subsidiados a expensa do público. Incluem-se o fornecimento de transporte, energia, educação e outros insumos de produção abaixo de seus custos de mercado a empresas privilegiadas. Murray Rothbard descreveu os efeitos de tais subsídios:
....The resources needed to supply the free governmental service are extracted from the rest of production. Payment is made, however, not by users on the basis of their voluntary purchases, but by a coerced levy on the taxpayers. A basic split is thus effected between payment and receipt of service. This split is inherent in all government operations.
....Os recursos necessários para fornecer o serviço governamental grátis são extraídos do resto da produção. O pagamento é feito, porém não pelos usuários com base em suas compras voluntárias, mas por tributação coercitiva imposta aos contribuintes. É assim efetuada uma cisão básica entre pagamento e recebimento do serviço. Essa cisão é inerente a todas as operações do governo.
Many grave consequences follow from the split and from the “free” service as well. As in all cases where price is below the free-market price, an enormous and excessive demand is stimulated for the good, far beyond the supply of service available. Consequently, there will always be “shortages” of the free good, constant complaints of insufficiency, overcrowding, etc....
Muitas consequências graves seguem-se dessa cisão e bem assim do serviço “grátis”. Como em todos os casos nos quais o preço fica abaixo do preço do livre mercado, é estimulada enorme e excessiva demanda pelo bem, muito além do suprimento de serviço disponível. Consequentemente, haverá sempre “desabastecimento” do bem grátis, constantes reclamações de insuficiência, superlotação etc....
Free supply not only subsidizes the users at the expense of non-using taxpayers; it also misallocates resources by failing to supply the service where it is most needed. The same is true, to a lesser extent, wherever the price is under the free-market price. On the free market, consumers can dictate the pricing and thereby assure the best allocation of productive resources to supply their wants. In a government enterprise, this cannot be done. Let us take again the case of the free service. Since there is no pricing, and therefore no exclusion of submarginal uses, there is no way that the government, even if it wanted to, could allocate its services to their most important uses and to the most eager buyers. All buyers, all uses, are artificially kept on the same plane. As a result, the most important uses will be slighted. The government is faced with insuperable allocation problems, which it cannot solve even to its own satisfaction. Thus, the government will be confronted with the problem: Should we build a road in place A or place B? There is no rational way whatever by which it can make this decision. It cannot aid the private consumers of the road in the best way. It can decide only according to the whim of the ruling government official, i.e., only if the government officials do the “consuming,” and not the public. If the government wishes to do what is best for the public, it is faced with an impossible task.55
O suprimento grátis não apenas subsidia os usuários a expensa dos contribuintes não usuários; também aloca mal os recursos ao não conseguir fornecer o serviço onde mais necessário. O mesmo é verdade, em menor grau, sempre que o preço ficar abaixo do preço de livre mercado. No livre mercado os consumidores podem ditar o preço e assim assegurar a melhor alocação dos recursos produtivos para satisfazer seus quereres. Num empreendimento governamental isso não pode ser feito. Tomemos de novo o caso do serviço grátis. Visto não haver atribuição de preço, e portanto não haver exclusão de usos submarginais, não há como o governo, ainda que o desejasse, alocar seus serviços para os usos mais importantes deles e para os compradores mais ávidos. Todos os compradores, todos os usos, são artificialmente mantidos no mesmo plano. Em decorrência, os usos mais importantes serão negligenciados. O governo defrontar-se-á com problemas insuperáveis de alocação, que não conseguirá resolver nem mesmo para sua própria satisfação. Assim, pois, o governo será confrontado com o problema: Deveremos construir uma estrada no local A ou B? Não há nenhum modo racional pelo qual ele possa chegar a essa decisão. Ele não poderá ajudar os consumidores privados da estrada da melhor maneira. Ele só poderá decidir de acordo com o capricho da autoridade governamental no poder, isto é, apenas se o “consumo” for das autoridades do governo, não do público. Se o governo desejar fazer o melhor para o público, deparar-se-á com uma tarefa impossível.55
Subsidized inputs are closely related to the phenomenon of radical monopoly. They are tied together by Ivan Illich's concept of “counterproductivity.” Illich distinguished the “first watershed” of adopting a technology, in which it has net social benefits, from the “second watershed” beyond which it has negative benefits to society. Beyond the second watershed, the technology becomes counterproductive; society is brought into service to the technology rather than vice versa, and the technology imposes its logic on society.56 Society becomes dominated by radical monopolies.
Os insumos subsidiados estão estreitamente relacionados com o fenômeno do monopólio radical. Eles ficam atados um ao outro pelo conceito de Ivan Illich de “contraprodutividade.” Illich distinguiu o “primeiro ponto de inflexão” da adoção de uma tecnologia, em que ela tem benefícios sociais conclusivos, do “segundo ponto de inflexão” além do qual ela traz benefícios negativos para a sociedade. A partir do segundo ponto de inflexão, a tecnologia torna-se contraproducente; a sociedade passa a servir à tecnologia em vez do contrário, e a tecnologia impõe sua lógica à sociedade.56 A sociedade torna-se dominada por monopólios radicais.
But Illich failed to grasp the reason for counterproductivity. A technology will not normally be adopted by an unconstrained individual, of her own free choice, beyond the point at which the disutilities exceed the utilities. She will adopt a machine or tool, or a practice, for her own ends, when she fully internalizes the benefits, only because she judges the utility to her personally to outweigh the disutility. The second watershed is the point beyond which the marginal utility of further adoption would be zero if all costs and benefits were fully internalized by the decision maker. A technology or practice is adopted beyond the point where negative effects outweigh the positive, only when those making the decision to adopt it are able to collect the benefits while shifting the costs to others.
Illich porém não conseguiu entender o motivo da ocorrência de contraprodutividade. Uma tecnologia normalmente não será adotada por um indivíduo não sujeito a constrangimentos, por sua própria vontade livre, além do ponto a partir do qual as desutilidades excedem as utilidades. Ele adotará uma máquina ou ferramenta, ou uma prática, para seus próprios objetivos quando internalizar plenamente os benefícios, apenas por julgar que a utilidade para ele, pessoalmente, supera a desutilidade. O segundo ponto de inflexão é o ponto após o qual a utilidade marginal de adoção adicional seria zero se todos os custos e benefícios fossem plenamente internalizados pelo tomador de decisão. Uma tecnologia ou prática é adotada além do ponto onde os efeitos negativos superam os positivos apenas quando aqueles que tomam a decisão de adotá-la sejam capazes de colher os benefícios ao mesmo tempo desviando os custos para outras pessoas.
Illich treated counterproductivity not as a negative externality, but as a “negative internality” which was entailed in the process of consumption itself.57 But this is not accurate. Counterproductivity is not a “negative internality,” but the negative externality of others' subsidized consumption. Illich failed to identify the real consumer: the party who makes the decision to adopt and appropriates the benefits, while others pay the costs. The person who is forced to use the technology in her daily life, despite its unpleasantness, is not the real consumer; she bears the costs of a radical monopoly created for the benefit of another, who is the real consumer.
Illich tratou a contraprodutividade não como externalidade negativa, e sim como uma “internalidade negativa” implicada no próprio processo de consumo.57 Isso, porém, não é exato. A contraprodutividade não é uma “internalidade negativa,” e sim a externalidade negativa do consumo subsidiado de outras pessoas. Illich não conseguiu identificar o real consumidor: a parte que toma decisões de adotar e se apropria dos benefícios, enquanto outros pagam os custos. A pessoa que é forçada a usar a tecnologia em sua vida diária, a despeito de sua desagradabilidade, não é o consumidor real; ele arca com os custos de um monopólio radical criado para benefício de outro, que é o consumidor real.
Where the bearing of cost is divorced from decision-making authority, decision-makers are enabled to consume uneconomical quantities of inputs without discipline by the market price system. Authority breeds conflict of interest wherever it is found, by enabling its possessors to shift effort downward while appropriating benefits for themselves. For example, as Lloyd Dumas described it,
Quando o arcar com o custo fica divorciado da autoridade de tomar decisões, os tomadores de decisões ficam capacitados a consumir quantidades não econômicas de insumos sem a disciplina do sistema de preços de mercado. Autoridade é algo que gera conflito onde quer que seja encontrada, ao capacitar seus possuidores a desviar o esforço para baixo enquanto se apropriam dos benefícios para si próprios. Por exemplo, como Lloyd Dumas descreveu,
The assumption that control is exercised by the cost bearers is nontrivial, and in some cases unrealistic. For instance, taxpayers bear the cost of the salaries of government employees. Yet, though rational, taxpayers are not necessarily in control of government personnel decisions. Hence it is quite possible that individuals will be hired whose salaries exceed the value of their work output in the eyes of the taxpayers. In the opinion of the government administrators doing the hiring, the value of the salaries may far exceed the opportunity cost of that use of budgeted funds. But the administrators are not paying the salaries—the taxpayers are. This situation is not peculiar to government. Managers of private corporations, for example, may engage in bureaucratic empire-building and hire people whose work output is less valuable than its cost, in the eyes of the stockholders and/or consumers who share the salary costs. It is thus the judgment of the decision makers that holds sway when the decision makers and the cost bearers are different individuals.58
A assunção de que o controle é exercido pelos que arcam com o custo é não-trivial e, em alguns casos, não-realista. Por exemplo, os contribuintes arcam com o custo dos salários dos funcionários do governo. No entanto, embora racionais, os contribuintes não necessariamente estão no controle das decisões do governo a respeito de pessoal. Portanto é bastante possível que indivíduos sejam empregados com salários que excedam o valor do produto de seu trabalho aos olhos dos contribuintes. Na opinião dos administradores do governo encarregados das contratações, o valor dos salários poderá exceder em muito o custo de oportunidade daquele uso de fundos orçamentários. Acontece que os administradores não pagam os salários — quem o faz são os contribuintes. Essa situação não é peculiar ao governo. Gerentes de corporações privadas, por exemplo, podem lançar-se a construção burocrática de império e contratar pessoas cujo resultado do trabalho valha menos do que seu custo, aos olhos dos acionistas e/ou consumidores que compartilham os custos dos salários. É portanto o juízo dos tomadores de decisão que prevalece quando os tomadores de decisão e os que arcam com os custos são indivíduos diferentes.58
The same principle holds true not only in the case of public sector allocation of resources, but also in the private sector when systems of artificial property rights grant decision-making authority over property to actors whose de facto property rights result from no personal investment. For example corporate management, while in theory acting as agents of shareholders, in fact exercise virtually unaccountable authority over property which lacks any real owner. Senior corporate management, in practice, is a self-perpetuating oligarchy which controls the use of enormous masses of free-floating capital which they did not themselves contribute from their own effort or savings. In this regard, it is much like corporate managers in the Oskar Lange model of market socialism, as critiqued by Mises. The manager of the market socialist enterprise is simply playing at entrepreneurship, because in the event of failure he risks losing capital which he did not himself contribute, while standing to gain if his decision pays off. The corporate CEO, likewise, reaps enormous bonuses in the event of a profitable quarter, whereas even a series of disastrous losses results only in his resignation with a golden parachute.
O mesmo princípio é válido não apenas no caso da alocação de recursos do setor público como, também, no setor privado quando sistemas de direitos artificiais de propriedade concedem autoridade de tomada de decisão a respeito de propriedade a atores cujos direitos de propriedade de facto não resultam de investimento pessoal. Por exemplo a gerência corporativa, embora em teoria atue como grupo de agentes dos acionistas, de fato exerce autoridade praticamente acima de qualquer prestação de contas sobre propriedade que carece de qualquer dono real. A gerência corporativa superior, na prática, é uma oligarquia autoperpetuadora que controla o uso de enormes massas de capital livremente flutuante para o qual não contribuiu ela própria de seu próprio esforço ou poupança. Sob esse aspecto, parece-se muito com os gerentes corporativos do modelo de Oskar Lange de socialismo de mercado, tal como criticado por Mises. O gerente da empresa socialista de mercado está simplesmente sendo empresário pela metade, porque na eventualidade de fracasso ele se arrisca a perder capital para o qual pessoalmente não contribuiu, enquanto é candidato a ganhar se sua decisão der lucro. O Executivo Principal - CEO corporativo, de modo análogo, colhe enormes bônus na eventualidade de trimestre lucrativo, enquanto que mesmo uma série de prejuízos desastrosos resulta apenas na renúncia dele com contrato de garantia de generosa remuneração no caso de saída da empresa.
A major part of the economy consists of things which are paid for but produce no value, the moral equivalent of digging holes and filling them in again. Decision makers aim at maximizing net utility, not to society as a whole, but to themselves personally. If their power enables them to shift marginal cost downward relative to benefits, they will consume an input beyond its point of diminishing social utility. The same is true of business firms which decide on the amount of production inputs to consume based on their taxpayer-subsidized cost, rather than their real market cost.
Parte majoritária da economia consiste de coisas pagas, mas que não produzem valor, o equivalente moral de cavar buracos e enchê-los de novo. Os tomadores de decisão visam a maximizar a utilidade líquida, não para a sociedade como um todo, mas para eles pessoalmente. Se o poder deles lhes der condições de empurrar para baixo custo marginal relativo a benefícios, consumirão insumos além do ponto destes de diminuir a utilidade social. O mesmo é verdade de empresas comerciais que decidem da quantidade de insumos de produção a consumir baseadas no custo subsidiado pelos contribuintes, e não no custo real de mercado.
Normally market prices function as a feedback mechanism, informing the user of the real cost of providing the goods and services she consumes so that she can make a rational decision as to how much to consume. Subsidies disrupt this feedback mechanism. Just as putting a candle under a thermostat will result in a freezing house, providing production inputs below cost will result in demand for them growing faster than it can be met.
Normalmente os preços de mercado funcionam como um mecanismo de feedback, informando o usuário do real custo de proporcionar os bens e serviços que ele consome de tal maneira que ele possa tomar decisão racional acerca do quanto consumir. Os subsídios desorganizam esse mecanismo de feedback. Assim como colocar uma vela sob um termostato resultará numa casa congelada, proporcionar insumos de produção abaixo do custo resultará em a demanda por eles aumentar mais do que possa ser atendido.
As Illich wrote, “queues will sooner or later stop the operation of any system that produces needs faster than the corresponding commodity....”59 “[I]nstitujtions create needs faster than they can create satisfaction, and in the process of trying to meet the needs they generate, they consume the Earth.”60
Como Illich escreveu, “filas mais cedo ou mais tarde interromperão o funcionamento de qualquer sistema que produza necessidades mais depressa do que a mercadoria correspondente....”59 “[As] instituições criam necessidades mais depressa do que podem criar satisfação e, no processo de tentar atender às necessidades que geram, consomem a Terra.”60
Because so many of the inputs of state capitalist industry are subsidized, and their artificially low cost leads to a model of growth based on adding inputs extensively rather than economizing on them, it follows that an increasing share of the total production inputs of state capitalism are socialized and borne by the taxpayer rather than by the user.
Pelo fato de tantos insumos da indústria do capitalismo de estado serem subsidiados, e de seu custo artificialmente baixo levar a um modelo de crescimento baseado em acrescentar insumos extensivamente em vez de economizá-los, segue-se que crescente parcela dos insumos da produção total do capitalismo de estado seja socializada e paga pelo contribuinte em vez de pelo usuário.
For example, because transportation and energy inputs are subsidized, industry has grown until recently by adding those inputs extensively rather than by using existing inputs more intensively. As James O'Connor described the process,
Por exemplo, pelo fato de insumos de transporte e energia serem subsidiados, a indústria cresceu, até recentemente, mediante acrescentar esses insumos extensivamente em vez de usar os insumos já existentes intensivamente. Como descreveu esse processo James O'Connor,
Transportation costs and hence the fiscal burden on the state are not only high but also continuously rising. It has become a standard complaint that the expansion of road transport facilities intensifies traffic congestion. The basic reason is that motor vehicle use is subsidized and thus the growth of the freeway and highway systems leads to an increase in the demand for their use.61
Os custos de transporte e portanto a carga fiscal sobre o estado são não apenas altos como crescem continuamente. Já se tornou reclamação sistemática a expansão das facilidades de transporte rodoviário intensificar a congestão do tráfego. O motivo básico é que o uso de veículos a motor é subsidiado e portanto o crescimento dos sistemas de estradas e rodovias leva a aumento da demanda de seu uso.61
There is another reason to expect transportation needs (and budgets) to expand. The development of rapid transport and the modernization of the railroads, together with the extension of the railroad systems, will push the suburbs out even further from urban centers, putting still more distance between places of work, residence, and recreation. Far from contributing to an environment that will free suburbanites from congestion and pollution, rapid transit will, no doubt, extend the traffic jams and air pollution to the present perimeters of the suburbs, thus requiring still more freeway construction, which will boost automobile sales.62
Há outro motivo para esperar que as necessidades de transporte (e orçamentos) se expandam. O desenvolvimento do transporte rápido e a modernização das ferrovias, juntamente com a extensão dos sistemas de ferrovia, tornará os subúrbios ainda mais distantes dos centros urbanos, colocando ainda mais distância entre locais de trabalho, residência, e recreação. Longe de contribuir para um ambiente que livre os moradores de subúrbios de congestão e poluição, o trânsito rápido, fora de dúvida, estenderá os engarrafamentos de tráfego e a poluição do ar para os atuais perímetros dos subúrbios, tornando assim necessária mais construção de estradas, o que estimulará as vendas de automóveis.62
Government subsidies to highways and airports, by distorting the cost feedback to users, destroy the link between the amount provided and the amount demanded. The result is an Interstate Highway System that generations congestion faster than it can expand the system to accommodate the congestion. Demand for new roads, expansion of existing roads, and maintenance of already built infrastructure, outstrips the revenue available for those functions. Although highway money is a top priority for the federal and state governments, it remains bottlenecked at any given time. The cost of repairing the most urgent deteriorating roadbeds and bridges is several times greater than the money being appropriated for that purpose.
Subsídios do governo a rodovias e aeroportos, ao distorcerem o feedback de custo para os usuários, destroem o elo entre a quantidade oferecida e a quantidade demandada. O resultado é um Sistema de Rodovias Interestaduais com congestões gerações mais rápidas do que sua capacidade de expandir-se para aliviar a congestão. A demanda por novas estradas, expansão de estradas existentes e manutenção da infraestrutura já construída supera a receita disponível para essas funções. Embora dinheiro para rodovias seja prioridade de topo dos governos federal e estaduais, permanece engargalado em qualquer momento dado. O custo de consertar os leitos de estrada e pontes com deterioração mais urgente é diversas vezes maior do que o dinheiro apropriado para esse propósito.
The Western industrial economies have become heavily dependent on extensive inputs of longdistance shipping, to the point of insanity. Hedrick Smith, attempting to illustrate the irrationality of the Soviet economy, once used the example of a trainload of concrete beams traveling from Leningrad to Moscow, passing a trainload of identical beams traveling from Moscow to Leningrad. E.F. Schumacher, in Good Work, wrote:
As economias industriais ocidentais tornaram-se fortemente dependentes de insumos extensivos de embarque de longa distância, até o ponto da insanidade. Hedrick Smith, tentando ilustrar a irracionalidade da economia soviética, usou certa vez o exemplo de uma carga de trem de barras de concreto viajando de Leningrado a Moscou, passando por uma carga de trem de barras idênticas viajando de Moscou a Leningrado. E.F. Schumacher, em Bom Trabalho, escreveu:
When you travel up the big motor road from London you find yourself surrounded by a huge fleet of lorries carrying biscuits from London to Glasgow. And when you look across to the other motorway, you find an equally huge fleet of lorries carrying biscuits from Glasgow to London. Any impartial observer from another planet would come to the inescapable conclusion that biscuits have to be transported at least six hundred miles before they reach their proper quality.63
Quando você viaja para o norte pela grande rodovia a partir de Londres você se vê cercado por enorme frota de caminhões carregando pães de minuto de Londres para Glasgow. E quando você olha para o lado para a outra rodovia, descobre igualmente enorme frota de caminhões carregando pães de minuto de Glasgow para Londres. Qualquer observador imparcial de outro planeta chegaria à inescapável conclusão de que os pães de minuto precisam ser transportados pelo menos seiscentas milhas antes de atingirem sua qualidade apropriada.63
The same holds true in other sectors. Conventional large-scale agriculture makes extensive use of large tracts of land, and uses mechanization mainly to increase efficiency in terms of output per laborhour, rather than maximizing output per acre. To confirm this one need only compare the productivity per acre of intensive agriculture by small, land-poor producers, versus that of large agribusiness operations with privileged access to large tracts of land. In Latin America a large share of the typical hacienda is typically undeveloped, while land-poor peasants are forced to spend a portion of their time hiring out as laborers for the neighboring patron. In America, the USDA pays the largest farmers price support subsidies for holding huge tracts of land out of cultivation while small truck farmers resort to such methods as square foot gardening or biointensive horticulture to squeeze every jot and tittle of yield out of their raised beds.
O mesmo vale para outros setores. A agricultura convencional de larga escala faz uso extensivo de grandes tratos de terra, e usa mecanização principalmente para aumentar a eficiência em termos de produção por hora de trabalho, em vez de maximizar a produção por acre. Para confirmar isso é só comparar a produtividade por acre da agricultura intensiva de pequenos produtores de terra não melhorada com a de grandes operações de agronegócio com acesso privilegiado a grandes tratos de terra. Na América Latina grande parte da típica hacienda é normalmente não desenvolvida, enquanto camponeses de terras pobres são forçados a gastar uma porção de seu tempo trabalhando como empregados do vizinho patron. Nos Estados Unidos, o Departamento de Agricultura paga aos maiores fazendeiros subsídios de suporte de preço para que mantenham enormes tratos de terra sem cultivar enquanto produtores de caminhonete recorrem a métodos tais como minihortas ou horticultura biointensiva para espremer toda partícula de produção de seus canteiros suspensos.
The cumulative effect of subsidized inputs is that massive amounts of waste are built into the basic structure of the economy.
O efeito cumulativo dos insumos subsidiados é maciça quantidade de desperdício ser inserida na estrutura básica da economia.
Subsidies to less efficient, input-intensive ways of doing things contribute heavily to radical monopoly. For example, our whole model of urban sprawl and monoculture development is a sideeffect of subsidized energy and transportation inputs.
Subsídios a modos menos eficientes, intensivos em termos de insumos, de fazer as coisas contribuem fortemente para o monopólio radical. Por exemplo, todo o nosso modelo de crescimento urbano e desenvolvimento de monoculturas é efeito colateral de insumos subsidiados de energia e transporte.
The main force behind urban sprawl is disregard of the cost principle. Local governments build subsidized freeway systems and ever further outlying bypasses in order to "relieve congestion," only generating new congestion as the new roads fill up with new traffic from the new subdivisions and strip malls that spring up at every exit. As the saying goes, trying to relieve traffic congestion by building more roads is like trying to lose weight by letting out your belt.
A principal força por trás do crescimento urbano é o desprezo pelo princípio do custo. Os governos locais constroem sistemas subsidiados de estradas e de contorno de zonas congestionadas cada vez mais distantes a fim de "aliviar a congestão," só gerando nova congestão na medida em que as novas estradas se enchem com novo tráfego das novas subdivisões de lotes e conjuntos comerciais de beira de estrada que brotam em cada saída. Como diz o ditado, tentar aliviar a congestão de tráfego construindo mais estradas é como tentar perder peso mediante afrouxar o cinto.
Suburban developments commonly receive subsidized utility connections at the expense of ratepayers in the old, inlying parts of town. One of the most egregious examples I've seen is in the neighboring town of Fayetteville, Arkansas, where citizens voted in 2006 to pay an extra penny in sales tax to expand the sewer system to accommodate the increased burden imposed on it by new subdivisions built by local real estate kingpin Jim Lindsey—rather than simply charging Lindsey a higher sewer hookup fee to cover the cost of expansion.
Conjuntos habitacionais suburbanos comumente recebem conexões subsidiadas de serviços públicos a expensa dos pagadores de contas das partes antigas e internas da cidade. Um dos mais flagrantes exemplos que já vi é o da cidade vizinha de Fayeteville, Arkansas, onde os cidadãos votaram, em 2006, no sentido de pagarem um centavo extra no imposto de venda de mercadorias e serviços relativo a expansão do sistema de esgotos para aliviar o crescente ônus imposto a ele por novas subdivisões de lotes com esgoto construído pelo chefão local imobiliário Jim Lindsey — em vez de simplesmente cobrarem de Lindsey uma taxa mais cara de conexão para cobrir o custo da expansão.
In addition, zoning prohibits mixed-use development, and thereby inflates the need for transportation to get from the cul de sac to where one shops and works. The neighborhood grocery store has been zoned out of existence, along with all but the most informal and unobtrusive of home businesses. Affordable housing in the downtown commercial district (e.g. walkup apartments over shops), likewise, is prohibited by zoning.64
Além disso, o zoneamento proíbe a construção misturada de comércio e residências, e desse modo infla a necessidade de transporte para se sair da rua sem saída até onde a pessoa faz compras e trabalha. A mercearia do bairro foi eliminada pelo zoneamento, juntamente com todos os negócios caseiros, exceto os mais informais e inconspícuos. Moradias acessíveis no distrito comercial central (isto é, apartamentos sem elevador sobre as lojas), do mesmo modo, são proibidos pelo zoneamento.64
The practical result of government promotion of monoculture development is that for most of us there are two communities: a community in which we work and shop, and a bedroom community in which we are stored. There is a separate utility and road infrastructure for each one, and a transportation infrastructure linking the two of them. It's a safe bet that a substantial majority of the automobile industry and its suppliers (not even counting planned obsolescence), and of the roadbuilding industry, is waste production. (Of course that's not counting the waste time—hardly distinguishable from labor-time devoted directly to waste production—spent in commuting.)
O resultado prático da promoção pelo governo do desenvolvimento no estilo monocultura é haver, para a maioria de nós, duas comunidades: uma na qual trabalhamos e fazemos compras, e uma comunidade residencial, onde estamos alojados. Há estruturas separadas de serviços públicos e de estradas para cada uma, e uma infraestrutura de transporte ligando as duas. É aposta segura que substancial maioria da indústria automobilística e seus fornecedores (sem sequer considerarmos a obsolescência planejada), e da indústria de construção de estradas, é produção de desperdício/lixo. (Naturalmente isso sem contar o tempo desperdiçado — dificilmente distinguível do tempo de trabalho diretamente dedicado a produção de desperdício — gasto em comutação.)
In a society where transportation and energy were not artificially cheap, new urban development would likely take the form of the pre-automobile railroad suburbs: compact, self-contained new communities with their own commercial centers.
Numa sociedade onde transporte e energia não fossem artificialmente baratos, novos empreendimentos urbanos provavelmente tomariam a forma dos subúrbios de estrada de ferro anteriores ao automóvel: novas comunidades compactas, autocontidas, com seus próprios centros comerciais.
55 Murray Rothbard, Man, Economy, and State: A Treatise on Economic Principles (Auburn, Ala.: The Ludwig von Mises Institute, 1962, 1970, 1993), pp. 819-820.
55 Murray Rothbard, Homem, Economia e Estado: Tratado de Princípios Econômicos (Auburn, Ala.: The Ludwig von Mises Institute, 1962, 1970, 1993), pp. 819-820.
56 Illich, Tools for Conviviality, p. 7.
56 Illich, Ferramentas para Afabilidade, p. 7.
57 Illich, “In the Mirror of the Past: Lectures and Addresses, 1978-1990 (New York: M. Boyars, 1992), p. 84.
57 Illich, “No Espelho do Passado: Aulas Expositivas e Alocuções, 1978-1990 (New York: M. Boyars, 1992), p. 84.
58 Dumas, The Overburdened Economy, pp. 39-40.
58 Dumas, A Economia Sobrecarregada, pp. 39-40.
59 Illich, Disabling Professions, p. 30.
59 Illich, Profissões Incapacitantes, p. 30.
60 Illich, Deschooling Society (New York, Evanston, San Francisco, London: Harper & Row, 1970, 1971), p. 110.
60 Illich, A Desescolarização da Sociedade (Nova Iorque, Evanston, São Francisco, Londres: Harper & Row, 1970, 1971), p. 110.
61 James O'Connor, The Fiscal Crisis of the State (New York: St. Martin's Press, 1973), p. 106.
61 James O'Connor, A Crise Fiscal do Estado (Nova Iorque: St. Martin's Press, 1973), p. 106.
62 Ibid., pp. 109-110.
62 Ibid., pp. 109-110.
63 E. F. Schumacher, Good Work (New York, Hagerstown, San Fransisco, London: Harper & Row, 1979), p. 19.
63 E. F. Schumacher, Bom Trabalho (Nova Iorque, Hagerstown, São Francisco, Londres: Harper & Row, 1979), p. 19.
64 See, for example, James Kunstler, The Geography of Nowhere: The Rise and Decline of America's Manmade Landscape (New York and London: Simon & Schuster, 1993), for the effects of imposing car culture through zoning laws.
64 Ver, por exemplo, James Kunstler, A Geografia de Parte Alguma: Ascensão e Declínio do Panorama Feito pelo Homem nos Estados Unidos (Nova Iorque e Londres: Simon & Schuster, 1993), quanto aos efeitos da imposição da cultura do carro por meio de leis de zoneamento.
Research Associate Kevin Carson is a contemporary mutualist author and individualist anarchist whose written work includes Studies in Mutualist Political Economy, Organization Theory: A Libertarian Perspective, and The Homebrew Industrial Revolution: A Low-Overhead Manifesto, all of which are freely available online. Carson has also written for such print publications as The Freeman: Ideas on Liberty and a variety of internet-based journals and blogs, including Just Things, The Art of the Possible, the P2P Foundation and his own Mutualist Blog.
O Associado de Pesquisa do C4SS Kevin Carson é autor mutualista e anarquista individualista contemporâneo cuja obra escrita inclui Estudos de Economia Política Mutualista, Teoria da Organização: Uma Perspectiva Libertária, e A Revolução Industrial Gestada em Casa: Um Manifesto de Baixo Overhead, todos disponíveis grátis online. Carson também tem escrito para publicações impressas tais como O Homem Livre: Ideias acerca de Liberdade e para diversas publicações e blogs da internet, inclusive Apenas Coisas, A Arte do Possível, a Fundação P2P e seu próprio Blog Mutualista.

No comments:

Post a Comment