Thursday, May 26, 2011

FFF - Commentaries - How Dows He Get His Reputation Back? / FFF - Comentários - Como Poderá Ele Recuperar Sua Reputação?

http://www.fff.org/comment/com1105o.asp http://www.fff.org/comment/com1105o.asp
ENGLISH PORTUGUÊS
THE FUTURE OF FREEDOM FOUNDATION A FUNDAÇÃO FUTURO DE LIBERDADE
COMMENTARIES COMENTÁRIOS
How Does He Get His Reputation Back? Como Poderá Ele Recuperar Sua Reputação?
by Wendy McElroy, May 20, 2011 por Wendy McElroy, 20 de maio de 2011
On January 12, 2010, a 12-year-old sixth-grader did an unremarkable thing that almost destroyed a good man and his family. She lied about being touched “inappropriately.” Em 12 de janeiro de 2010 uma aluna de sexto grau de 12 anos de idade fez algo nada fora do comum que quase destruiu um bom homem e sua família. Ela mentiu acerca de ter sido tocada “inadequadamente.”
Under a reasonable legal system, the transparent lie of an angry child would have caused little damage, but the current legal system does not resemble anything reasonable. Among the preposterous maxims it now embraces are “women don’t lie about rape” and “children don’t lie about molestation.” Num sistema jurídico razoável, a óbvia mentira de uma criança raivosa teria causado pouco dano, mas o atual sistema jurídico não se parece com qualquer coisa razoável. Entre as máximas absurdas que hoje adota está “mulheres não mentem a respeito de estupro” e “crianças não mentem acerca de molestamento.”
Justice requires the active recognition of lies. That is to say, a just legal system must recognize that the average person occasionally lies and some people do so pathologically. People lie from fear or for revenge; they lie for profit or other advantage, such as child custody; they lie from a sense of entitlement, loyalty, or a need to assert power. Sometimes they lie from a stubborn need to stand by an initial statement that was a “mistake.” When few to no penalties are imposed for lying, it becomes more frequent. Para que haja justiça é preciso o reconhecimento explícito de mentiras. Quer dizer, um sistema jurídico justo tem de reconhecer que a pessoa média ocasionalmente mente e algumas pessoas o fazem patologicamente. As pessoas mentem por medo ou vingança; mentem por lucro ou outras vantagens tais como custódia de crianças; mentem a partir de uma sensação de terem o direito de fazer alto, por lealdade, ou por necessidade de afirmar poder. Por vezes mentem a partir de necessidade obstinada de manter uma afirmação inicial que tenha sido um  “equívoco.” Quando há pouca ou nenhuma punição para a mentira, esta torna-se mais frequente.
At every turn, the tradition of Western jurisprudence acknowledges the human proclivity to lie; justice itself is deeply rooted in this acknowledgment. The defendant is presumed innocent until proven guilty, and the burden of proof is placed on the accuser, not the defendant. The right to face an accuser means he or she must stare a defendant in the eyes while repeating an accusation; the anonymity that encourages false reports is stripped away. Trial by jury means 12 representative people must agree on the facts and the veracity of an accuser before guilt is adjudicated. In criminal cases, the standard of “beyond a reasonable doubt” is applied in order to preclude other possible explanations for the crime charged, such as a desire for revenge by an accuser, before a defendant is judged guilty. The need for hard evidence and a presumption of innocence become all the more important in cases that devolve to “he said, she said.” Continuamente a tradição da jurisprudência ocidental reconhece a proclividade humana para mentir; a própria justiça está fundamente enraizada nesse reconhecimento. O réu goza de presunção de inocência até que comprovada sua culpa, e o ônus da prova recai sobre o acusador, não o réu. O direito de confrontar o acusador significa que este terá de olhar nos olhos do réu e repetir a acusação; o anonimato que estimula falsas informações é inaceitável. O julgamento pelo júri significa que 12 pessoas representativas terão de concordar quanto aos fatos e quanto à veracidade do acusador, antes de a culpa ser objeto de decisão. Em processos criminais é aplicável o padrão de “além de qualquer dúvida razoável” para impossibilitar outras explicações possíveis para o crime atribuído, tais como desejo de vingaça pelo acusador, antes de o réu ser declarado culpado. A necessidade de evidência concreta e presunção de inocência tornam-se ainda mais importantes em casos que descambem para o “ele disse, ela disse.”
In short, preventing a lie from passing as truth is an intrinsic aspect of true justice, around which many due-process protections have been sculpted. If this were not the case, if an accuser never lies, then why would we even go to the trouble of a trial? Why not imprison the accused the instant an accusation is uttered? Em suma, evitar que mentira passe por verdade é aspecto intrínseco da verdadeira justiça, em torno do qual muitas formas de proteção no estado de direito foram delineadas. Se assim não fosse, se o acusador nunca mentisse, por que sequer nos daríamos ao trabalho de um julgamento? Por que não prender o acusado no instante em que proferida a acusação?
Again, a key reason is because all people are potential liars, including women and children. This statement is no more cynical than the statement that all people are potentially honest is idealistic. Repetindo: motivo fundamental disso é todas as pessoas serem mentirosas em potencial, inclusive mulheres e crianças. Essa afirmação não é mais cínica do que é idealista a afirmação de que todas as pessoas são em princípio honestas.
Specifics of the sixth-grader’s lie Aspectos específicos da mentira da menina do sexto ano
By all accounts except his accuser’s, Sean Lanigan was a respected and well-liked soccer coach at Centre Ridge Elementary School in Fairfax, Virginia. Kathy Young, a 6th-grade teacher at the same school, stated, “His heart was really with the kids. He’d pick kids up and twirl them. But what I really liked about Sean, as much as he liked playing with them, he’d always say, ‘Your schoolwork comes first.’” A Washington Post article went on to explain, “When Young’s future son-in-law died in a fire, Lanigan arranged a fundraiser. In 2002, when the school needed a new playground, he and another teacher helped raise tens of thousands of dollars to get one built.” Na opinião de todos, menos de sua acusadora, Sean Lanigan era respeitado e querido treinador de futebol na Escola Primária Centre Ridge em Fairfax, Virginia. Kathy Young, professora do sexto grau na mesma escola, declarou: “O coração dele estava realmente com as crianças. Ele levantava as crianças e as girava. O que porém eu realmente gostava no Sean era: por mais que ele gostasse de brincar com elas, sempre dizia: ‘O trabalho escolar vem em primeiro lugar.’” Um artigo do Washington Post foi em frente, explicando: “Quando o futuro enteado de Young morreu num incêndio, Lanigan organizou um evento de coleta de fundos. Em 2002, quando a escola precisou de um novo parque de recreio, ele e outro professor ajudaram no levantamento de dezenas de milhares de dólares para a construção.”
In December 2009, Lanigan headed the school’s safety patrols when a parent reported to him that a 12-year-old girl who patrolled the school bus was abusing other children. Lanigan warned the girl that she would be yanked from patrol duty if she did not treat others decently. According to witnesses and a subsequent trial transcript, the girl said at the time, “Mr. Lanigan’s a jerk. I’m going to make him pay.” Em dezembro de 2009 Lanigan estava na chefia das equipes de segurança da escola quando um pai contou a ele que uma menina de 12 anos, rodomoça do ônibus escolar, estava hostilizando outras crianças. Lanigan advertiu a menina de que ela seria destituída da função de rodomoça se não tratasse os outros decentemente. De acordo com testemunhas e subsequente transcrição de julgamento, a garota disse, na ocasião: “O Sr. Lanigan é um imbecil. Farei com que pague por isso.
Lanigan issued a second warning to the girl in January 2010, upon which the girl and a friend began claiming that the coach had grabbed her the day before; he then allegedly carried her into the main equipment room, briefly touching her breasts and buttocks in the process. Once in the equipment room, she claimed he pushed her down on a tumbling mat, lay on top of her and (depending on the version presented) thrust himself against her. The “friend” allegedly stood in the open doorway and witnessed the event. Lanigan advertiu a menina pela segunda vez em janeiro de 2010, quando então a menina e uma amiga começaram a afirmar que o treinador a havia agarrado no dia anterior; ele então a teria carregado para dentro do compartimento de equipamento principal, tocando por breve período de tempo seios e nádegas dela ao fazê-lo. Uma vez no recinto de equipamento, afirmou ela que ele a empurrou para baixo, colocando-a sobre um colchonete de acrobacias, estendeu-se sobre ela e (dependendo da versão apresentada) apertou-se contra ela. A “amiga” teria ficado na soleira da porta e testemunhado o evento.
School employees pointed out that a tumbling mat could not even fit in the tiny equipment room. Other children in the gym denied seeing anything inappropriate. Both the accusing girl and her friend later recanted the most damning allegations of Lanigan’s pinning the girl and simulating sex; indeed, the accuser posted on Facebook that it had all been “a joke.” A fellow student told authorities that the accuser said “she was trying to get him fired because she didn’t like him” and, then admitted to lying about the incident. Empregados da escola destacaram que um colchonete de acrobacia nem caberia no minúsculo quarto de equipamento. Outras crianças que faziam exercício negaram ter visto qualquer coisa inadequada. Tanto a menina acusadora quando a amiga dela posteriormente retrataram-se das alegações mais incriminatórias de Lanigan ter imobilizado a menina e simulado sexo; na verdade, a acusadora afixou no Facebook que tudo havia sido “uma brincadeira.” Colega estudante disse às autoridades que a acusadora havia dito “que estava tentando fazer com que ele fosse demitido porque ela não gostava dele” e, em seguida, admitira ter mentido acerca do incidente.
Lanigan had a spotless record after years of teaching children. Nevertheless, without even interviewing the accusing child, the police arrested Lanigan based largely upon a police officer watching from another room as a social worker performed the interview. Social workers who conduct such questioning often call themselves “validators” because their role is validate the child’s voice. Dr. Richard A. Gardner, a Columbia University professor of child psychiatry, has stated, “They, of course, hold that ‘children never lie about sexual abuse,’ and they accept as valid every statement a child makes that might verify sex abuse.” Gardner openly dismisses the objectivity of such social workers and the claim that “children do not lie.” Lanigan tinha histórico ilibado depois de anos de ensinar crianças. Todavia, sem sequer entrevistar a criança acusadora, a polícia prendeu Lanigan com base, em grande parte, em um policial que ficou olhando a partir de outra sala enquanto um obreiro social fazia a entrevista. Obreiros sociais que fazem tal questionamento amiúde denominam a si próprios de “validadores” porque sua função é validar a voz da criança. O Dr. Richard A. Gardner, professor de psiquiatria infantil da Columbia University, disse: “Eles, obviamente, defendem que ‘crianças nunca mentem acerca de abuso sexual,’ e aceitam como válida toda afirmação que uma criança faça que possa confirmar abuso sexual.” Gardner desqualifica abertamente a objetividade de tais obreiros sociais e a afirmação de que “crianças não mentem.”
A judge sent the case to a grand jury for indictment, and the county prosecutor refused to dismiss even after both the accuser and her friend recanted most of the story. Um juiz encaminhou o processo a júri de instrução para indiciação, e o promotor do condado recusou-se a descartá-lo mesmo depois de acusadora e amiga terem desdito a maior parte da história.
Lanigan faced up to 40 years in jail if convicted of the worst charges of pinning the girl and simulating sex; after those charges dropped away, he faced up to 20 years. Pending trial, he was suspended from teaching and could not work elsewhere as a coach because he was not permitted to associate with children other than his own three. Every week he met with a probation officer who specialized in monitoring sexual offenders. Eventually he spent $125,000 in legal fees. Se condenado das piores acusações de imobilizar a menina e simular sexo, Lanigan poderia passar 40 anos na prisão; depois dessas acusações serem desditas, ele poderia ser condenado a 20 anos. Aguardando julgamento ele foi suspenso como treinador e não poderia exercer a mesma função em outro lugar por estar proibido de relacionar-se com crianças, exceto seus três filhos. Toda semana ele se reunia com o oficial de condicional especializado em monitorar ofensores sexuais. No final, ele gastou $125.000 dólares em honorários jurídicos.
For all of this, Sean Lanigan is a lucky man ... for two reasons. Apesar de tudo isso, Sean Lanigan é um homem de sorte ... por dois motivos.
First, his family stood by him; people who knew Lanigan stood up for his innocence, with neighbors bringing by meals every day in support of the distressed family. Primeiro, a família dele ficou do lado dele; pessoas que conheciam Lanigan defenderam sua inocência, com vizinhos trazendo refeições todos os dias em apoio à desalentada família.
Second, in an unusually short trial, he was utterly exonerated. The Washington Post reported: Segundo, num julgamento inusitadamente curto, ele foi completamente absolvido. O Washington Post informou:
When his attorney, Peter D. Greenspun, discussed the devastation to Lanigan in his closing argument, West [a juror] broke down in tears and the trial was briefly recessed. West and other jurors said the 12-year-old accuser “had no idea of the consequences” of accusing Lanigan of molesting her. “This poor man. That’s why I cried.” Quando o advogado dele, Peter D. Greenspun, descreveu, em sua argumentação final, a devastação em que se encontrava Lanigan, West [uma jurada] prorrompeu em lágrimas e o julgamento foi interrompido para breve recesso. West e outros jurados disseram que a acusadora de 12 anos de idade “não se fazia ideia das consequências” de acusar Lanigan de molestá-la. “Esse pobre homem. Por isso chorei.”
Going past the simplistic problem Além do problema simplista
Why did a hideous ordeal befall a good man? The simplistic answer: a girl lied. I am not satisfied with that answer. And, so, despite strong feelings on the subject, I will back away from condemning the 12-year-old girl. The main blame lies elsewhere. Dr. Gardner argues, “[T]here’s a network of school workers, mental health professionals, and law enforcement officials that actually encourages charges of child abuse — whether they’re reasonable or not.” Without the institutions that now comprise a “child abuse industry,” the lies of a vindictive girl could not have harmed Lanigan. With this industry, there is a network of well-paid people whose purpose is not to investigate but to validate accusations. Indeed, under the Mondale Act — a child abuse protection Act sponsored by Senator Mondale and passed in 1973 — an ‘evaluator’ who does not report an accusation of abuse to the police is subject to imprisonment if the child is further abused. The incentives to always believe the child are huge. Por que uma provação revoltante abateu-se sobre um bom homem? A resposta simplista: uma menina mentiu. Essa resposta não me satisfaz. E, pois, a despeito de fortes emoções no tocante ao assunto, abster-me-ei de condenar a menina de 12 anos. A principal responsabilidade está em outra parte. O Dr. Gardner argumenta: “Há uma rede de profissionais escolares, profissionais de saúde mental e autoridades do cumprimento da lei que na verdade estimula acusações de abuso de crianças — razoáveis ou não.” Sem as instituições que hoje compõem uma “indústria do abuso de crianças,” as mentiras de uma menina vingativa não poderiam ter causado mal a Lanigan. Com essa indústria, há uma rede de pessoas bem pagas cujo propósito não é investigar, e sim dar validade a acusações. Em verdade, de acordo com a Lei Mondale — uma Lei de proteção contra abuso de crianças proposta pelo Senador Mondale e aprovada em 1973 — um ‘avaliador’ que não apresente acusação de abuso à polícia está sujeito a prisão se a criança for objeto de abuso posterior. Os incentivos para sempre acreditar na criança são enormes.
Libertarian commentator William L. Anderson explains, O comentador libertário William L. Anderson explica:
One cannot understand what is happening ... without understanding the Mondale Act. This is a law that not only encourages aggressive prosecution for alleged child abuse, but has a big payout as well, and that is where the Law of Unintended Consequences comes into play because the Mondale Act provides a number of incentives for the authorities to act unjustly — and be paid big bucks for it.” Não podemos entender o que está acontecendo ... sem entender a Lei Mondale. É uma lei que não apenas estimula processo agressivo por alegado abuso de crianças como, também, envolve polpudo pagamento, e é aqui que a Lei de Consequências Imprevistas entra em cena, porque a Lei Mondale proporciona diversos incentivos para que as autoridades atuem de maneira injusta — e sejam regiamente remuneradas por fazê-lo.”
The Mondale Act merits a book of analysis. The point of this article, however, is limited. The point is: justice requires the recognition that people lie: men lie, women lie, children lie. And people in authority do so as well, especially when they given incentives and no punishment. A Lei Mondale merece um livro de análise. O objetivo deste artigo, contudo, é limitado. O ponto é: para haver justiça é preciso reconhecer que as pessoas mentem: homens mentem, mulheres mentem, crianças mentem. E as pessoas em posição de autoridade também mentem, especialmente quando recebem incentivos e não recebem punição.
What of Lanigan now? Como está Lanigan hoje?
Immediately after his acquittal, Lanigan was reinstated as a coach by Virginia’s public soccer leagues. Nevertheless, the school district continued an internal reprimand process. Lanigan was transferred from Centre Ridge school in Fairfax to one in another city. Because of the commute, he was no longer able to fill as active a parenting role; his wife quit her job to assume care of the family. Imediatamente depois de sua absolvição, Lanigan foi reintegrado como treinador pelas ligas de futebol públicas da Virginia. Todavia, o distrito escolar deu continuidade a um processo interno de reprimenda. Lanigan foi transferido da escola Centre Ridge em Fairfax para outra em outra cidade. Devido à distância, ele não pôde mais dispor de tanto tempo para os filhos; a mulher dele pediu demissão do emprego para assumir os cuidados com a família.
The police had stonewalled the case and will not permit anyone who was officially involved to be interviewed; the district attorney refuses comment. And the school district seems eager to be rid of the situation by firing him. A polícia havia obstruído o caso e não permitirá que qualquer pessoa oficialmente envolvida seja entrevistada; o promotor distrital recusa-se a comentar. E o distrito escolar parece ansioso por pôr fim à situação mediante demiti-lo.
The Washington Post reports, “[I]n December, as Lanigan pushed to have his legal fees reimbursed, the district presented him with two pages of specially tailored ‘guidelines and expectations.’” The guidelines included: “Do not touch FCPS students as a means of greeting, playing with, showing approval of, or otherwise interacting with them.... Avoid placing yourself in close physical proximity to any student...” According to a friend of Lanigan’s, “They are so fixated on him being guilty that they’re pushing to put the set of expectations in his file, so he could inadvertently trip on one of them and cause them to dismiss him. They can’t see that everyone knows him as an honest and decent man.” O Washington Post informa: “Em dezembro, como Lanigan pressionou para ser reembolsado de suas despesas jurídicas, o distrito apresentou-lhe duas páginas de ‘diretrizes e expectativas.’ especialmente elaboradas.” As diretrizes incluem: “Não toque em estudantes da FCPS como forma de saudação, brincadeira, demonstração de aprovaçlão ou qualquer outra forma de interação com eles .... Evite colocar-se em pequena proximidade física de qualquer estudante ...” De acordo com um amigo de Lanigan, “Eles estão de tal modo fixados em ele ser culpado que estão pressionando para colocar o conjunto de expectativas no prontuário dele, de forma que ele possa, indavertidamente, deixar de corresponder a uma delas e venha, em decorrência, a ser demitido. Não conseguem enxergar que todo mundo sabe ser ele homem honesto e decente.”
Clearly, the school district fears a lawsuit. In March, it offered to reimburse $60,000 of the $125,000 Lanigan spent on legal fees, but only if he dropped the possibility of future legal claims. In April, it ‘de-staffed’ him from a new school, leaving him with a need to apply to some other school within the district. Fica bem claro que o distrito escolar teme um processo legal. Em março, ofereceu reembolsar $60.000 dólares dos $125.000 dólares que Lanigan gastou em honorários jurídicos, mas só se ele renunciasse à possibilidade de futuras reivindicações legais. Em abril, ‘tiraram-no da equipe a ser fornecida’ a uma nova escola, colocando-0 em situação de ter de candidatar-se a alguma outra escola dentro do distrito.
What are the odds of his being hired? Qual é a probabilidade de ele ser contratado?
Wendy McElroy is the author of The Reasonable Woman: A Guide to Intellectual Survival (Prometheus Books, 1998). She actively manages two websites: http://www.ifeminists.com and http://www.wendymcelroy.com. For additional articles on current events by Ms. McElroy, please visit the Commentary section of our website. Wendy McElroy é autora de A Mulher Razoável: Guia de Sobrevivência Intelectual (Prometheus Books, 1998). Ela gere ativamente dois websites: http://www.ifeminists.com e http://www.wendymcelroy.com. Para outros artigos referentes a eventos atuais de autoria da Sra. McElroy, por favor visite a secção Commentary de nosso website.
Translator’s note: The story of Lanagan is told, for example, at http://www.dailymail.co.uk/news/article-1387324/Teacher-Sean-Lanigan-arrested-molesting-girl-12-cleared-sex-assault.html Nota do tradutor: A história de Lanagan é contada, por exemplo, em http://www.dailymail.co.uk/news/article-1387324/Teacher-Sean-Lanigan-arrested-molesting-girl-12-cleared-sex-assault.html

No comments:

Post a Comment