Tuesday, March 8, 2011

The Anti-Empire Report - Items of interest from a journal I've kept for 40 years, part II

http://killinghope.org/bblum6/aer79.html http://killinghope.org/bblum6/aer79.html
English Português

The Anti-Empire Report

March 8th, 2010
by William Blum
www.killinghope.org

O Relatório Anti-Império

8 de março de 2010
por William Blum
www.killinghope.org
Items of interest from a journal I've kept for 40 years, part II Itens de interesse de diário que mantenho há 40 anos, parte II
In its more than 50 years of revolution Cuba has never reciprocated the US aggression against it; no military or terrorist assaults have emanated from Havana in spite of the many hundreds of CIA aerial bombings, ground attacks, acts of sabotage, and assassination attempts. Oh, did I mention all the chemical and biological warfare? Oddly, the State Department's list of "State sponsors of terrorism" includes Cuba, but not the United States. The little nation of Cuba has defied all rational odds against its socialist survival. Em seus mais de 50 anos de revolução Cuba nunca retribuiu a agressão dos Estados Unidos contra ela; nenhuma agressão militar ou terrorista emanou de Havana, apesar das muitas centenas de bombas aéreas, ataques em terra, atos de sabotagem e tentativas de assassínio da CIA. Ah, já falei da guerra química e biológica? Estranhamente, a lista do Departamento de Estado de "estados patrocinadores do terrorismo" inclui Cuba, mas não os Estados Unidos. A pequena nação de Cuba desafiou todos os cálculos racionais de probabilidade contra sua sobrevivência socialista.
The wit and wisdom of Mr. Barack Obama: "To ensure prosperity here at home and peace abroad, we all share the belief we have to maintain the strongest military on the planet." (December 1, 2008, Agence France Presse) How true. All Americans share that belief, as they rejoice in the strongest military on the planet and a veritable overflowing of prosperity at home and peace abroad. A sagacidade e a sabedoria do Sr. Barack Obama: "Para assegurar prosperidade aqui no país e paz no exterior, partilhamos todos da crença de termos de manter a mais forte instituição militar do planeta." (1o. de dezembro de 2008, Agence France Presse) Como isso é verdade. Todos os estadunidenses partilham dessa crença, pois rejubilam-se com a mais forte instituição militar do planeta e com a pujança da prosperidade dentro do país e a abundância de paz no exterior.
Steven Bradbury, Department of Justice lawyer under George W. Bush, testifying before the Senate Judiciary Committee, which was discussing the legal status of prisoners at Guantanamo Bay: "The president is always right." (Washington Post, July 12, 2006) Steven Bradbury, advogado do Departamento de Justiça no governo George W. Bush, depondo diante da Comissão Jurídica do Senado, que discutia a condição jurídica dos prisioneiros da Baía de Guantánamo: "O presidente está sempre certo." (Washington Post, 12 de julho de 2006)
"There are 3 billion people in the world and we have only 200 million of them. We are outnumbered 15 to 1. If might did make right they would sweep over the United States and take what we have. We have what they want." – President Lyndon Johnson, 1966 "Há 3 biliões de pessoas no mundo e temos apenas 200 milhões delas. Somos superados em número na proporção de 15 para 1. Se o poder fosse o que definisse o que é o certo, eles cairiam em cima dos Estados Unidos e tomariam o que temos. Temos o que eles querem." – Presidente Lyndon Johnson, 1966
As the George W. Bush administration was entering office in 2000, Donald Rumsfeld exuberantly expressed grandiose ambitions for Middle East domination, telling the National Security Council: "Imagine what the region would look like without Saddam and with a regime that's aligned with US interests. It would change everything in the region and beyond." A few weeks later, Bush speechwriter David Frum declared to the New York Times Magazine: "An American-led overthrow of Saddam Hussein, and the replacement of the radical Baathist dictatorship with a new government more closely aligned with the United States, would put America more wholly in charge of the region than any power since the Ottomans, or maybe even the Romans." Ao a administração George W. Bush tomar posse em 2000, Donald Rumsfeld exuberantemente expressou ambições grandiosas de domínio do Oriente Médio, dizendo ao Conselho de Segurança Nacional: "Imaginem que cara teria aquela região sem Saddam e com um regime que se alinhasse com os interesses dos Estados Unidos. Tudo mudaria na região e além dela." Poucas semanas depois, o escritor de discursos de Bush David Frum declarou à Revista do New York Times: "Uma derrubada de Saddam promovida pelos Estados Unidos, e a substituição da ditadura radical baathista por novo governo mais estreitamente alinhado com nosso país colocaria os Estados Unidos mais totalmente no domínio da região do que qualquer potência desde os otomanos, ou talvez até do que os romanos."
Shortly after Salvador Allende became president of Chile in 1970, Nixon's National Security Advisor, Henry Kissinger, recorded a conversation in which Secretary of State William Rogers agreed that "we ought, as you say, to cold-bloodedly decide what to do and then do it," but warned it should be done "discreetly so that it doesn't backfire." Rogers predicted that "after all we have said about elections, if the first time a Communist wins the U.S. tries to prevent the constitutional process from coming into play we will look very bad." Pouco depois de Salvador Allende tornar-se presidente do Chile em 1970, o Assessor de Segurança Nacional de Nixon, Henry Kissinger, gravou uma conversa na qual o Secretário de Estado William Rogers concordava com "deveríamos, como você diz, decidir friamente o que fazer e em seguida fazê-lo," mas advertiu dever ser feito "discretamente de modo a não provocar efeitos indesejáveis inesperados." Rogers previu que "depois de tudo o que dissemos acerca de eleições, se a primeira vez que um comunista ganha os Estados Unidos tentarem impedir o funcionamento do processo constitucional, ficaremos muito mal."
"The revulsion against war ... will be an almost insuperable obstacle for us to overcome. For that reason, I am convinced that we must begin now to set the machinery in motion for a permanent wartime economy." Charles E. Wilson, 1944. During World War II he held leading positions overseeing the huge US military production effort; after the war he resumed his position as CEO of General Electric, one of the leading defense corporations. "A repugnância em relação à guerra ... será obstáculo quase intransponível para nós. Por esse motivo, estou convencido de que precisamos começar agora a colocar em movimento a máquina de economia de tempo de guerra permanente." Charles E. Wilson, 1944. Na Segunda Guerra Mundial ele ocupou importantes cargos supervisando o enorme esforço de produção militar dos Estados Unidos; depois da guerra ele retomou seu cargo como Autoridade Executiva Principal da General Electric, uma das principais corporações de defesa.
Remember Ben Tre? That was the Vietnamese village the Americans destroyed in 1968, saying "It became necessary to destroy the town in order to save it." Since then the Americans have been saving towns all over the globe, in Cambodia, Laos, Panama, Nicaragua, Sudan, Iraq, Yugoslavia and more. Then on Sept 11, 2001, someone, no doubt overcome with gratitude, decided to save some Americans. – Bev Currie, Canada Lembram-se de Ben Tre? Foi a vila vietnamita que os estadunidenses destruíram em 1968, dizendo: "Tornou-se necessário destruir a cidadezinha a fim de salvá-la." Desde então os estadunidenses vêm salvando cidadezinhas no mundo todo, em Camboja, Laos, Panamá, Nicarágua, Sudão, Iraque, Iugoslávia etc. Então em 11 de setembro de 2001 alguém, sem dúvida tomado de profunda gratidão, resolveu salvar alguns estadunidenses. – Bev Currie, Canada
United Nations Resolution 1244, adopted in 1999, reaffirmed the sovereignty and territorial integrity of the former Federal Republic of Yugoslavia to which Serbia was the recognized successor state, and established that Kosovo was to remain part of Serbia. Today, Kosovo is independent, because the United States wants it that way, because Serbia is still being punished for its refusal in the 1990s to act like a proper European state displaying subservience to the United States, the European Union, NATO, and capitalism. Independent Kosovo is perhaps the most genuinely gangster-state in the world. It's led by Prime Minister Hashim Thaci, whom a Council of Europe investigation recently accused of being the boss of a criminal operation to kidnap people and steal their kidneys.(sic) (Associated Press, December 14 and 15, 2010) He and Washington, naturally, are on the best of terms. A Resolução 1244 das Nações Unidas, adotada em 1999, reafirmou a soberania e a integridade territorial da antiga República Federal da Iugoslávia da qual a Sérvia era o estado sucessor reconhecido, e estabeleceu que Kosovo deveria permanecer parte da Sérvia. Hoje, Kosovo é independente, porque os Estados Unidos querem que assim seja, porque a Sérvia ainda continua a ser punida por sua recusa em agir, nos anos 1990, como estado europeu adequado, exibindo subserviência aos Estados Unidos, à União Europeia, à OTAN e ao capitalismo. O Kosovo independente é talvez o mais genuíno estado-gângster do mundo. É governado pelo Primeiro Ministro Hashim Thaci, a quem uma investigação do Conselho da Europa acusou recentemente de ser o chefe de uma operação criminosa para sequestrar pessoas e roubar seus rins.(sic) (Associated Press, 14 e 15 de dezembro de 2010) Ele e Washington, naturalmente, mantêm relações as mais excelentes.
"Look," said Russian president Vladimir Putin about NATO in 2001, "this is a military organization. It's moving towards our border. Why?" He subsequently described NATO as "the stinking corpse of the cold war." (Associated Press, June 16, 2001; Press Trust of India, December 21, 2007) "Vejam," disse o presidente russo Vladimir Putin, em 2001, acerca da OTAN: "trata-se de uma organização militar. Está-se movendo em direção a nossas fronteiras. Por quê?" Subsequentemente ele descreveu a OTAN como "o cadáver fedorento da guerra fria." (Associated Press, 16 de junho de 2001; Press Trust of India, 21 de dezembro de 2007)
Senator John McCain, re: fighting in Georgia, 2008: "I'm interested in good relations between the United States and Russia. But in the 21st century, nations don't invade other nations." (Washington Post, August 14, 2008) One really has to wonder at times about the sanity of neo-conservatives, or at least their IQ. O Senador John McCain, re: luta na Geórgia, 2008: "Estou interessado em boas relações entre os Estados Unidos e a Rússia. No século 21, porém, nações não invadem outras nações." (Washington Post, 14 de agosto de 2008) Por vezes há que se perguntar acerca da sanidade mental dos neoconservadores, ou pelo menos acerca do QI deles.
Re: "collateral damage" produced by US bombing in many countries: Killing innocent bystanders when targeting someone else has long been considered murder in Western law. Re: "danos colaterais" produzidos por bombardeios dos Estados Unidos em muitos países: Matar passantes inocentes ao mirar outrem há muito tempo é considerado assassínio na lei ocidental.
"It is forbidden to kill; therefore all murderers are punished unless they kill in large numbers and to the sound of trumpets." – Voltaire "É proibido matar; portanto todos os assassinos são punidos, a menos que matem em grande número e ao som de cornetas." – Voltaire
"The central aim of the war in Afghanistan — planned well before the attacks of September 11, 2001 — was to take advantage of the power vacuum in Central Asia created by the Soviet Union's dissolution to assert US domination over a region containing the second largest proven reserves of petroleum and natural gas in the world." – Bill Van Auken, World Socialist Web Site "O objetivo principal da guerra no Afeganistão — planejada muito antes dos ataques do 11 de setembro de 2001 — foi tirar proveito do vácuo de poder na Ásia Central criado pela dissolução da União Soviética impondo domínio dos Estados Unidos sobre uma região que detém a segunda maior reserva comprovada de petróleo e de gás natural do mundo." – Bill Van Auken, Website do Socialista Mundial
"To me, I confess, [countries] are pieces on a chessboard upon which is being played out a game for dominion of the world." Lord Curzon, British viceroy of India, speaking about Afghanistan, 1898 "Para mim, confesso, [os países] são peças num tabuleiro de xadrez no qual está sendo jogado um jogo de domínio do mundo." Lord Curzon, vice-rei britânico da Índia, falando do Afeganistão, 1898
Ricardo Alarcon, President of the Cuban National Assembly, stated in 2008: Cuba allows CNN, AP and Chicago Tribune to maintain offices in Cuba, but the US refuses to allow Cuban journalists to work in the United States. Ricardo Alarcon, Presidente da Assembleia Nacional Cubana, declarou em 2008: Cuba permite que CNN, AP e Chicago Tribune mantenham escritórios em Cuba, mas os Estados Unidos recusam-se a permitir que jornalistas cubanos trabalhem nos Estados Unidos.
Washington's "Plan Colombia", launched in 2000, was the militarization of the war on drugs. O "Plano Colômbia" de Washington, lançado em 2000, foi a militarização da guerra contra as drogas.
Michael Moore, March 24, 2008: "I see that Frontline on PBS this week has a documentary called 'Bush's War'. That's what I've been calling it for a long time. It's not the 'Iraq War'. Iraq did nothing. Iraq didn't plan 9/11. It didn't have weapons of mass destruction. It DID have movie theaters and bars and women wearing what they wanted and a significant Christian population and one of the few Arab capitals with an open synagogue. But that's all gone now. Show a movie and you'll be shot in the head. Over a hundred women have been randomly executed for not wearing a scarf." Michael Moore, 24 de março de 2008: "Vejo que o Frontline da PBS esta semana tem um documentário chamado 'A Guerra de Bush'. É assim que a venho chamando há muito tempo. Não é a 'Guerra do Iraque'. O Iraque não fez nada. O Iraque não planejou o 11/9. Não tinha armas de destruição em massa. TINHA cinemas e bares e mulheres vestindo o que quisessem e significativa população cristã e uma das poucas capitais árabes com sinagoga em funcionamento. Agora, porém, tudo se foi. Mostre um filme e você receberá um tiro na cabeça. Mais de cem mulheres já foram executadas aleatoriamente por não usarem véu."
Michael Collon: "Let's replace the word 'democratic' by 'with us' and the word 'terrorist' by 'against us'." Michael Collon: "Substituamos a palavra 'democrático' por 'conosco' e a palavra 'terrorista' por 'contra nós'."
The American Century went the way of the Thousand Year Reich. O Século Estadunidense seguiu pelo caminho do Reich de Mil Anos.
Reagan invaded Grenada in October 1983 because he cut and ran from Beirut after the United States lost 241 Marines in the infamous truck bombing. The United States invaded Grenada two days later. Reagan invadiu Grenada em outubro de 1983 porque caiu fora de Beirute depois de os Estados Unidos perderem 241 Marines na tristemente famosa explosão de caminhão. Os Estados Unidos invadiram Grenada dois dias depois.
Noam Chomsky: "The whole debate about the Iranian 'interference' in Iraq makes sense only on one assumption; namely, that 'we own the world'. If we own the world, then the only question that can arise is that someone else is interfering in a country we have invaded and occupied. So if you look over the debate that took place and is still taking place about Iranian interference, no one points out this is insane. How can Iran be interfering in a country that we invaded and occupied? It's only appropriate on the presupposition that we own the world. Once you have that established in your head, the discussion is perfectly sensible." Noam Chomsky: "O debate inteiro acerca da 'interferência' do Iran no Iraque só faz sentido em cima de uma premissa; isto é, a de que 'somos os donos do mundo'. Se somos os donos do mundo, então a única questão que pode surgir é algum terceiro estar interferindo num país que nós invadimos e ocupamos. Assim, se examinarmos o debate que teve lugar, e ainda continua, acerca da interferência do Irã, ninguém dirá tratar-se de um absurdo. Como poderá o Irã estar interferindo numa país que nós invadimos e ocupamos? Só faz sentido se baseado no pressuposto de sermos os donos do mundo. Uma vez tenhamos estabelecido isso em nossa mente, a discussão torna-se perfeitamente sensata."
In late 1997, according to Dana Priest's book, The Mission, the Bill Clinton White House wanted CENTCOM commander Gen. Anthony Zinni to order his pilots to provoke a military confrontation with Iraq in the no-fly zone by deliberately drawing fire from Iraqi planes. No final de 1997, de acordo com o livro de Dana Priest A Missão, a Casa Branca de Bill Clinton queria que o comandante do CENTCOM General Anthony Zinni desse ordem a seus pilotos para provocarem confronto militar com o Iraque na zona de voo proibido mediante deliberadamente provocarem fogo dos aviões iraquianos.
Reagan accepted a fateful trade-off when he agreed not to complain about Pakistan's efforts to acquire a nuclear weapons capability in exchange for Pakistani cooperation in helping the Afghan rebels. Reagan aceitou uma solução de compromisso fatídica ao concordar com não reclamar dos esforços do Paquistão para adquirir capacidade em armas nucleares em troca de cooperação paquistanesa em ajuda aos rebeldes afegãos.
"The presumption of 'government incompetence' is seldom a useful assumption in evaluating the behavior of governments. We only reach such a conclusion if we take their official rhetoric at face value. In terms of 'achieving democracy', the official rhetoric, Bush has been 'incompetent' in Iraq. But in terms of the real agenda — building permanent bases and controlling the oil — he has in fact been successful. I have found that this is always the pattern: some real agenda is always being achieved by the policies in force, despite the apparent bungling in terms of the official agenda." – Richard K. Moore "O pressuposto de 'incompetência do governo' raramente constitui premissa útil na avaliação do comportamento dos governos. Só chegamos a tal conclusão quando aceitamos a retórica oficial tal como se apresenta. Em termos de 'conseguir democracia', a retórica oficial, Bush foi 'incompetente' no Iraque. Todavia, em termos da agenda real — construir bases permanentes e controlar o petróleo — ele em verdade foi bem-sucedido. Descobri que o padrão é sempre esse: alguma agenda real é sempre conseguida pelas políticas vigentes, a despeito do aparente mau trabalho em termos da agenda oficial." – Richard K. Moore
The 9/11 attacks reflected the anger and rage that US foreign policy had produced in the past and then provided the excuse for US officials to continue such policy in the future. Os ataques do 11/9 refletiram a raiva e a cólera que a política externa dos Estados Unidos produziram no passado e então proporcionaram o pretexto para que as autoridades dos Estados Unidos continuassem tal política no futuro.
Upcoming talks by William Blum Próximas palestras de William Blum
Saturday, April 2, 7:00 pm
University of Pittsburgh at Titusville, PA

504 East Main Street
Henne Auditorium
Titusville is about 2 hours by car from Pittsburgh and 2 1/2 hours from Cleveland.
For further information call 888-878-0462
Or email Mary Ann Caton:
caton@pitt.edu
Sábado, 2 de abril, 7:00 da noite, Universidade de Pittsburgh em Titusville, PA
504 East Main Street
Henne Auditorium
Titusville fica a cerca de 2 horas de carro de Pittsburgh e a 2 1/2 horas de Cleveland.
Para mais informação ligue 888-878-0462
Ou mande email para Mary Ann Caton: caton@pitt.edu
Thursday, May 19
Paris, France

Conference: "Ethics and US Foreign Policy in the 21st Century"
Université de Paris Ouest-Nanterre-La Défense, Amphi B-2
All day, beginning at 9 am
Email me for full schedule
Quinta, 19 de maio
Paris, França

Conferência: "Ética e Política Externa dos Estados Unidos no 21o. Século"
Université de Paris Ouest-Nanterre-La Défense, Amphi B-2
Dia inteiro, começando às 9 da manhã
Peça-me o horário completo mandando-me email
http://www.foreignpolicyjournal.com/writers/
William Blum left the State Department in 1967, abandoning his aspiration of becoming a Foreign Service Officer, because of his opposition to what the United States was doing in Vietnam. He then became one of the founders and editors of the Washington Free Press Mr.  Blum has been a freelance journalist in the United States, Europe, and South America and was one of the recipients   of Project Censored’s awards for “exemplary journalism” in 1999. He is the author of numerous books, including: 
Freeing the World to Death: essays on the American EmpireKilling Hope: U.S. Military and C.I.A. Interventions Since World War II, and Rogue State: A Guide to the World’s Only Superpower. Mr. Blum writes a free monthly newsletter, the Anti-Empire Report, which you may subscribe to by contacting him at via e-mail. Visit his website at: www.killinghope.org. Contact him at: bblum@aol.com. Read articles by William Blum.
http://www.foreignpolicyjournal.com/writers/
William Blum deixou o Departamento de Estado em 1967, abandonando sua aspiração   de tornar-se Autoridade de Serviço Exterior por causa de sua oposição ao que os Estados Unidos estavam fazendo no Vietnã. Tornou-se então um dos fundadores e editores do Imprensa Livre de Washington. O Sr. Blum atuado como jornalista autônomo em Estados Unidos, Europa e América do Sul e foi um dos recebedores dos prêmios de Projetos Censurados de “jornalismo exemplar” em 1999. É autor de numerosos livros, incluindo: A Libertação do Mundo para a Morte: ensaios acerca do Império EstadunidenseAssassínio da Esperança: Intervenções da Instituição Militar dos Estados Unidos e da C.I.A. desde a Segunda Guerra Mundial, e Estado Sem Escrúpulos: Guia Referente à Única Superpotência do Mundo. O Sr. Blum escreve um boletim mensal grátis, o Relatório Anti-Império, que você pode subscrever entrando em contato com ele via email. Visite o website dele em: www.killinghope.org. Entre em contato com ele via: bblum@aol.com. Leia artigos de William Blum
William Blum is the author of: William Blum é autor de:
- Killing Hope: US Military and CIA Interventions Since World War 2 - A Morte da Esperança: A Instituição Militar dos Estados Unidos e as Intervenções da CIA Desde a Segunda Guerra Mundial
- Rogue State: A Guide to the World's Only Superpower - Estado Sem Escrúpulos: Guia Para a Única Superpotência do Mundo
- West-Bloc Dissident: A Cold War Memoir - Dissidente do Bloco Ocidental: Uma Memória da Guerra Fria
Freeing the World to Death: Essays on the American Empire - Libertação do Mundo para a Morte: Ensaios Acerca do Império Estadunidense
Portions of the books can be read, and signed copies purchased, at www.killinghope.org Porções dos livros podem ser lidas, e comprados exemplares assinados, em www.killinghope.org
To add yourself to this mailing list simply send an email to bblum6 [at] aol.com with "add" in the subject line. I'd like your name and city in the message, but that's optional. I ask for your city only in case I'll be speaking in your area. Para entrar nesta lista de destinatários simplesmente mande email pra bblum6 [at] aol.com com "add" na linha de assunto. Gostaria de seu nome e cidade na mensagem, mas isso é opcional. Peço sua cidade apenas caso esteja fazendo palestras em sua área.
(Or put "remove" in the subject line to do the opposite.) (Ou escreva "remove" na linha de assunto para fazer o contrário.)
Any part of this report may be disseminated without permission. I'd appreciate it if the website were mentioned. Qualquer parte deste relatório pode ser disseminada sem permissão. Ficarei agradecido se o website for mencionado.
Home Home

No comments:

Post a Comment