Saturday, February 12, 2011

FFF - Commentaries - The Drug War is Expanding

The Drug War Is Expanding
by Lawrence M. Vance, February 8, 2011
A Guerra Contra As Drogas Está-se Expandindo
por Lawrence M. Vance, 8 de fevereiro de 2011
There is no question that the war on drugs is a failure. In spite of decades of prohibition laws, threats of fines and/or imprisonments, and massive propaganda campaigns, drugs are available and affordable. The Mental Health Services Administration — a government agency — has reported that marijuana, ecstasy, and methamphetamine use has recently increased. The government’s GAO has even said that the D.A.R.E. program has had “no statistically significant long-term effect on preventing youth illicit drug use.”
Não há dúvida de que a guerra contra as drogas é um fracasso. A despeito de décadas de leis de proibição, ameaças de multas e/ou prisões e maciças campanhas de propaganda, as drogas são fáceis de encontrar e têm preço acessível. A Administração de Serviços de Saúde Mental — órgão do governo — informa que o uso de maconha, ecstasy e metanfetamina vem, em tempos recentes, aumentando. A Secretaria de Responsabilização do governo diz até que o programa Educação para Resistência ao Uso de Drogas “não tem tido efeito de longo prazo estatisticamente significativo no impedimento de uso de drogas ilícitas pelos jovens.”
There are, however, some things that the war on drugs has accomplished. It has drained $40 billion a year from the federal treasury. It has made criminals out of hundreds of thousands of Americans (754,224 Americans were arrested for marijuana possession in 2008). It has destroyed financial privacy. It has unnecessarily swelled prison populations (over half of the federal prison population is because of drug charges). It has turned America’s inner cities into war zones. It has greatly eroded civil liberties. It has corrupted law enforcement. It has ruined more lives than drugs themselves.
Há, todavia, algumas coisas que a guerra contra as drogas conseguiu. Ela consome $40 biliões de dólares do tesouro federal por ano. Ela tornou criminosos centenas de milhares de estadunidenses (754.224 estadunidenses foram presos por posse de maconha em 2008). Ela destruiu a privacidade financeira. Ela inchou desnecessariamente populações de prisões (mais da metade da população em prisão federal deve-se a acusações referentes a drogas). Ela tornou centros decadentes de cidades dos Estados Unidos em zonas de guerra. Erodiu, em grande medida, as liberdades civis. Corrompeu os órgãos encarregados de fazer cumprir a lei. Arruinou mais vidas do que as próprias drogas.
The war on drugs enjoys wide bipartisan support on both the federal and state levels. Sure, some states have relaxed marijuana laws and made marijuana legal for medical use, but always under the watchful eye of state regulators and tax authorities.
A guerra contra as drogas goza de amplo suporte bipartidário nas esferas tanto federal quanto estadual. Verdade, alguns estados suavizaram leis contra a maconha e tornaram-na legal para uso médico, mas sempre sob o olhar vigilante dos elaboradores de normas do estado e das autoridades tributárias.
But in these days of budget crises, on both the federal and state levels, the war on drugs is expanding. The latest addition to the list of controlled substances will be bath salts.
Nestes dias de crises orçamentárias, contudo, em âmbito tanto federal quanto estadual, a guerra contra as drogas está-se expandindo. O mais recente acréscimo à lista de substâncias controladas será representado pelos sais para banho.
White House drug czar Gil Kerlikowske has issued a bath salt alarm because the synthetic stimulants mephedrone and methylenedioxypyrovalerone (MDPV) are being sold as bath salts. It turns out that instead of using these bath salts in the bathtub, people have taken to swallowing, snorting, injecting, smoking, and otherwise ingesting them.
O czar das drogs da Casa Branca Gil Kerlikowske emitiu alarme quanto a sais para banho por causa de os estimulantes sintéticos mefedrona e metilenodioxipirovalerona (MDPV) estarem sendo vendidos como sais para banho. Ocorre que, em vez de usar esses sais para banho na banheira, pessoas há que passaram a engoli-los, cheirá-los, injetá-los, fumá-los e ingeri-los de ainda outras formas.
Senator Charles Schumer (D-NY) plans to introduce legislation to ban these drugs disguised as bath salts as federally controlled substances. “The longer we wait to ban the substances, the greater risk we put our kids in,” said Schumer.
O senador Charles Schumer (D-NY) planeja apresentar legislação para proibir essas drogas disfarçadas de sais para banho como substâncias objeto de controle federal. “Quanto mais esperarmos para proibir essas substâncias, maior será o risco a que submeteremos nossas crianças,” disse Schumer.
Several states have already banned or are considering legislation to ban the dreaded bath salts. In my state of Florida, the attorney general, Pam Bondi, has banned them for ninety days of her own accord because the Florida attorney general has the power to temporarily ban a substance if it is found to be an immediate threat to consumers. It will now be a third degree felony to sell products containing MDVP. According to Bondi, energized bath salt is “right up there with cocaine and heroin.” She claims that MDVP makes you “think you’re seeing monsters and it also makes you think that you can fly, and there are a lot of balconies out there for spring break.” Health effects supposedly include increased heart rate, nosebleeds, hallucinations, severe paranoia, seizures, and kidney failure. Florida Senate president Mike Haridopolis says that Florida legislators would work to ban the substance this spring. That is a mouthful coming from a man who claims he “has stood up for Floridians against more government.”
Diversos estados já proibiram ou estão cogitando de legislação que proíba os temíveis sais para banho. Em meu estado da Flórida, a secretária de justiça, Pam Bondi, proibiu-os, por conta própria, por noventa dias, porque o secretário de justiça da Flórida tem o poder de proibir temporariamente uma substância caso se descubra representar ela ameaça imediata para os consumidores. Será agora crime doloso de terceiro grau vender produtos que contenham MDVP. De acordo com Bondi, o sal de banho energizado está “na mesma situação da cocaína e da heroína.” Ela alega que o MDVP faz com que as pessoas “pensem estar vendo monstros e também faz com que a pessoa pensem poder voar, e há muitas sacadas por aí para o recesso escolar de verão.” Os efeitos sobre a saúde pretensamente incluem aceleração de batimentos cardíacos, sangramento do nariz, alucinação, paranoia grave, ataques diversos e colapso renal. O presidente do Senado da Flória Mike Haridopolis diz que os legisladores da Flórida trabalharão para proibir a substância neste verão. Isso significa muito, vindo de alguém que afirmou “ter-se posto em defesa dos floridenses contra mais governo.”
The issue here is not how high one might get from the use of these bath salts, how many monsters one might see, how many ways a person might damage his health, how easy it might be to purchase the bath salts, how cheap it might be to infuse the bath salts with the stimulants, how many spring breakers in Florida might jump off hotel balconies, or even if one sniff of bath salts might kill you.
A questão aqui não é o quanto uma pessoa poderá ficar alterada por causa do uso desses sais de banho, quantos monstros ela poderá ver, de quantas maneiras uma pessoa poderá prejudicar a própria saúde, o quanto poderá ser fácil comprar os sais para banho, o quanto poderá ser barato misturar os sais com os estimulantes, quantas pessoas em recesso escolar de verão na Flórida poderão saltar das sacadas de hotéis, ou mesmo se uma cheirada de sais de banho poderá matar a pessoa.
The case against the banning or regulating of narcotic bath salts is the same as the case against banning or regulating marijuana, crack cocaine, or crystal meth.
A argumentação contra a proibição ou regulamentação de sais de banho narcotizantes é a mesma argumentação contra a proibição de maconha, cocaína craque, ou metanfetamina cristalizada.
First of all, the federal government has no constitutional authority to ban or regulate drugs. Drug warriors may wish that it did, but no amount of wishing, desiring, or wanting the federal government to have that power can override the Constitution.
Em primeiro lugar, o governo federal não tem autoridade constitucional para proibir ou regulamentar drogas. Os que militam contra as drogas drogas podem querer que a tenha, mas não há quantidade de vontade, desejo ou aspiração de o governo ter esse poder que logre sobrepor-se à Constituição.
Two, government in general should not have the authority, constitutional or otherwise, to ban or regulate drugs. Period. The reason for the government intervention, whether it be for public health, child safety, moral sensibilities, or community standards, is irrelevant. It is just not the business of government to intervene in this fashion.
Em segundo, governos em geral não deveriam ter autoridade, constitucional ou não, de proibir ou regulamentar drogas. Ponto final. O motivo para intervenção do governo, seja saúde pública, segurança das crianças, escrúpulos morais ou padrões comunitários, é irrelevante. Simplesmente não é da conta do governo intervir dessa maneira.
Three, to be consistent, government at all levels should, and drug warriors should support, the banning of alcohol and tobacco since they are two of the leading causes of death in the United States. It is the height of hypocrisy to call for drug prohibition and not the prohibition of other harmful substances.
Em terceiro, para ser coerente o governo, em todos os âmbitos, deveria, e os que se opõem ativamente contra as drogas deveriam apoiá-lo, proibir álcool e fumo, visto constituírem estes duas dentre as principais causas de morte nos Estados Unidos. É o cúmulo da hipocrisia preconizar proibição de drogas e não a proibição de outras substâncias nocivas.
Four, recreational drugs are far less likely to kill you than physician-prescribed drugs. According to some articles in the Journal of the American Medical Association, over 100,000 people die every year from drugs prescribed and administered by physicians. Over two million Americans a year have in-hospital adverse drug reactions. The war on drugs is completely misdirected.
Em quarto, as drogas recreativas exibem probabilidade muito menor de matar pessoas do que as drogas receitadas pelos médicos. De acordo com alguns artigos do Jornal da Associação Médica Estadunidense, todo ano mais de 100.000 pessoas morrem em decorrência de drogas receitadas e administradas por médicos. Mais de dois milhões de estadunidenses por ano sofrem reações adversas a drogas em hospitais. O rumo da guerra contra as drogas está completamente equivocado.
Five, drug prohibition and regulation are incompatible with private property, individual liberty, personal responsibility, and free markets. Indeed, drug prohibition and regulation are anathema to a free society. The war on drugs is a war on liberty.
Em quinto, a proibição e a regulamentação das drogas são incompatíveis com propriedade privada, liberdade individual, responsabilidade pessoal e livres mercados. Em verdade, proibição e regulamentação de drogas são anátema para uma sociedade livre. A guerra contra as drogas é uma guerra contra a liberdade.
The libertarian case for drug freedom is consistently straightforward: There should be no laws at any level of government for any reason regarding the buying, selling, growing, processing, manufacturing, advertising, use, or possession of any drug for any reason.
A argumentação libertária em favor da liberdade quanto a drogas é de singela simplicidade: Não deveria haver leis, em qualquer esfera do governo, por qualquer motivo, a respeito de comprar, vender, cultivar, processar, fabricar, fazer propaganda de, usar ou possuir qualquer droga, por qualquer motivo.
This does not mean that libertarians advocate the use of hallucinogenic drugs. This does not mean that libertarians don’t think that employers could require that their employees not use drugs. This does not mean that libertarians don’t think that parents have the right to forbid their children from using drugs. This does not mean that libertarians don’t think that using drugs could be harmful to one’s health. This does not mean that libertarians don’t think that getting stoned is immoral. This does not mean that libertarians don’t care if someone has a drug problem.
Isso não significa que os libertários defendam o uso de drogas alucinógenas. Isso não significa que os libertários não achem que os empregadores possam exigir que seus empregados não usem drogas. Isso não significa que os libertários não achem que os pais tenham o direito de proibir seus filhos de usarem drogas. Isso não significa que os libertários não achem que usar drogas possa ser nocivo para a saúde das pessoas. Isso não signfica que os libertários não achem que ficar drogado seja imoral. Isso não significa que os libertários não se importem se alguém tiver problema com drogas.
The real issue is not even about drugs.
A questão real nem sequer diz respeito a drogas.
It is just not the business of government to ban or regulate what someone decides to put into his mouth, nose, or veins. It doesn’t matter if it’s immoral, unhealthy, sinful, hazardous, stupid, disgusting, or death inducing. The legislators and bureaucrats who make the decisions to ban or not to ban and to regulate or not to regulate are not parents, nannies, doctors, priests, psychologists, guards, monitors, or gods — or are they?
Simplesmente não é da conta do governo proibir ou regulamentar o que alguém decida colocar na boca, nariz ou veias. Não importa se é imoral, nocivo, pecaminoso, perigoso, estúpido, nojento ou indutor de morte. Os legisladores e burocratas que tomam as decisões de proibir ou não proibir e de regulamentar ou não não são pais, babás, médicos, padres, psicólogos, guardas, monitores ou deuses — ou são?
Once you elevate government to such a level that you allow it to determine what you can and can’t ingest or regulate the circumstances under which you can lawfully ingest something, there is no stopping its reach, as Ludwig von Mises explained over fifty years ago:
Uma vez eleve você o governo a nível tal que permita a ele determinar o que você poderá ou não ingerir, ou regulamentar as circunstâncias nas quais você possa legalmente ingerir algo, não há como limitar o alcance dele, como explicou, há mais de cinquenta anos, Ludwig von Mises:
If it is true that government derives its authority from God and is entrusted by Providence to act as the guardian of the ignorant and stupid populace, then it is certainly its task to regiment every aspect of the subject’s conduct. The God-sent ruler knows better what is good for his wards than they do themselves. It is his duty to guard them against the harm they would inflict upon themselves if left alone.
Se for verdade que a autoridade do governo provém de Deus e que a Providência incumbiu o governo de agir como guardião da população ignorante e estúpida, então é certamente tarefa do governo regulamentar todos os aspectos da conduta do súdito. O governante enviado por Deus sabe melhor do que os próprios tutelados o que é melhor para eles. É dever dele protegê-los dos danos que eles poderão infligir a si próprios se deixados sem tutela.
Although the war on drugs doesn’t need to be expanded, it likewise doesn’t need to be scaled back, made more consistent, made more effective, or made more efficient. For the sake of freedom, it needs to be ended — completely, quickly, and permanently.
Embora a guerra contra as droga não precise ser expandida, também não precisa ser suavizada, nem tornada mais coerente, mais eficaz, ou mais eficiente. Para bem da liberdade, precisa é ser terminada — completa, rápida e permanentemente.
Laurence M. Vance is a free-lance writer in central Florida. He is the author of The Revolution That Wasn’t. Visit his website: www.vancepublications.com. Send him email.
Laurence M. Vance é escritor autônomo na Flórida central. É autor de A Revolução Que Não Aconteceu. Visite o website dele:    www.vancepublications.com. Envie-lhe email.

No comments:

Post a Comment